Ação é o destaque de X-Men Origens – Wolverine

Por Sérgio Codespoti
Data: 6 maio, 2009

X-Men Origens - WolverineX-Men Origens – Wolverine, de Gavin Hood, é um bom exemplo do que os norte-americanos chamam de “Summer blockbuster“, um grande filme de ação para o verão (que no hemisfério norte ocorre no meio do ano).

Tendo como tema central a origem do “misterioso” Wolverine, a película deve atrair uma legião de espectadores (como sugere o resultado de sua estreia), e vai agradar mais a quem não conhece muito sobre a trajetória de Logan e outros personagens nos quadrinhos.

Um ponto positivo é o fato de que o filme se sustenta sozinho, sem a ajuda da trilogia X-Men ou de algum conhecimento prévio dos personagens.

Por outro lado, quem já viu os outros longas-metragens da série X-Men, ou conhece a história de Wolverine, vai aproveitar muito mais, desde que não fique preso às minúcias da cronologia e às diferenças entre o filme e as HQs.

O enredo tenta cumprir a difícil tarefa de conciliar a história cinematográfica de Wolverine, exibida na trilogia X-Men, com os eventos publicados nas HQs. E, de modo geral, consegue um resultado positivo.

Um dos problemas é que, neste caso, o todo não é melhor do que a soma das partes. Para contar a vida de Logan, os roteiristas David Benioff e Skip Woods tiveram que costurar um grande volume de histórias, algumas delas ruins, espelhados ao longo de 35 anos de quadrinhos.

A história de Logan começa em 1845 e explora a relação entre James Howlett (ou seja, Wolverine) e Victor Creed (Dentes-de-Sabre) desde sua infância.

Depois de uma cena de abertura extraída da minissérie Wolverine Origens (mas modificada para fazer mais sentido no cinema), Logan (Hugh Jackman) e Creed (Liev Schreiber), que neste momento são amigos, combatem lado a lado nos mais diversos conflitos, como a Guerra Civil dos Estados Unidos, a Primeira e a Segunda Guerra Mundial, e a guerra do Vietnã. Tudo isso durante os créditos.

Com aproximadamente 120 anos de história corridos em pouco tempo, o enredo se desencadeia a partir do Vietnã, quando a amizade entre Creed e Logan começa a se deteriorar e ambos vêm a conhecer William Stryker (Danny Huston).

O Stryker do cinema, que foi visto em X-Men 2, embora seja um ferrenho inimigo dos mutantes, é muito diferente do personagem religioso dos quadrinhos. Ele é um tipo simbólico, um amalgama de personagens e conceitos, que representa a ideia do programa militar secreto e também da manipulação proibida dos genes mutantes.

X-Men Origens - Wolverine X-Men Origens - Wolverine

O filme explora as atividades do grupo de agentes especiais, conhecido como Equipe X (Team X), composto pelo Agente Zero, conhecido nos quadrinhos como Maverick (interpretado por Danniel Henney); o teleportador John Wraith (Will.i. Am, do grupo Black Eyed Peas); Fred J. Dukes, o Blob, que aparece antes e depois de ficar gordo (papel de Kevin Durand); Chris Bradley (vivido pelo “Hobbit”, Dominic Monaghan), indicado nos créditos como o codinome de Bolt, personagem capaz de controlar máquinas e energia elétrica (inicialmente havia sido divulgado que Monaghan interpretaria o mutante Bico); Wade Wilson, o Deadpool (Ryan Reynolds), e Arma XI (papel do artista marcial Scott Adkins).

Ao longo de suas aventuras, Wolverine também encontrará Kayla Silverfox (Lynn Collins), com que se envolve romanticamente; o mutante Gambit (Remy LeBeau); e até mesmo Ciclope (Tim Pocock) e Emma Frost (Tahyna Tozzi).

A caracterização de Emma Frost no filme é bem diferente da dos quadrinhos. A personagem, claramente uma adolescente, já possui sua pele de diamante, algo que nas HQs só ocorreu como uma “segunda mutação”, pois seu poder principal é a telepatia.

A película cria uma relação entre Emma e Silverfox, a Raposa Prateada, que parecerá forçada para os leitores mais fanáticos.

É fácil concluir que a inclusão de Ciclope e Emma faz parte de uma tentativa de explorar os primórdios da formação dos X-Men, mas com um olhar nas revistas atuais, nas quais os dois formam o casal dominante da equipe mutante.

Com isso, o caminho está aberto para que Emma, já adulta, possa ser vista num possível X-Men 4, uma vez que, depois de três episódios, Jean Grey, a namorada de Ciclope, morreu.

Mas com tantos personagens no filme, e até uma minúscula participação do professor Xavier, é difícil dizer que este é um longa-metragem solo de Wolverine. Mesmo com Jackman, novamente, encarnando com competência o personagem.

Por exemplo: um dos momentos cruciais da vida de Logan, quando seu corpo recebeu o adamantium, no projeto Arma X, foi reduzido a menos de 20 minutos, se tanto. Uma pena, pois esta HQ é, de fato, o grande clássico do personagem, graças ao belo traço de Barry Windsor-Smith e sua habilidade como narrador.

Também é nítido que divergências nos rumos da história e no uso da violência, entre Benioff, Jackman, o diretor Gavin Hood e Tom Rothman, o homem-forte daFox, tiveram algum impacto no filme.

Além disso, a película foi amenizada para que, a despeito de tantos personagens violentos, a quantidade de sangue na tela fosse reduzida a um nível insignificante, dando a X-Men Origens – Wolverine a abrangente classificação etária PG-13 (proibido para menores de 14 anos no Brasil).

Apesar disso, e dos problemas do roteiro, o filme se sustenta com a ação constante e bons efeitos visuais.

Uma sequência, cujo enredo estaria centrado nas aventuras de Wolverine no Japão, já está sendo discutida pelos envolvidos com a produção.

X-Men Origens – Wolverine
Duração: 107 minutos
Estúdio: 20th Century Fox
Direção: Gavin Hood
Roteiro: David Benioff e Skip Woods
Elenco: Hugh Jackman, Liev Schreiber, Danny Huston, Will i Am, Lynn Collins, Kevin Durand, Dominic Monaghan, Taylor Kitsch e Ryan Reynolds.

• Outros artigos escritos por

.

.

.