Resenha: O Destino de Júpiter

Por Samir Naliato
Data: 5 fevereiro, 2015

A jovem Júpiter Jones (Mila Kunis) perdeu o pai, um aficionado pelas estrelas, antes mesmo de nascer. Ela trabalha com a família limpando casas, e odeia a vida que leva, a qual acha chata e monótona. Mas tudo muda quando vira alvo de uma misteriosa família alienígena, e a única chance de sobreviver passa a ser o caçador Caine Wise (Channing Tatum). Levada em uma aventura espacial, Júpiter descobrirá o segredo da origem da Terra e qual o papel dela nisso tudo.

O Destino de Júpiter passou por certa turbulência nos bastidores. O novo projeto de Andy e Lana Wachowski (Trilogia Matrix, Speed Racer, A Viagem) deveria ter sido lançado em 18 de julho de 2014 mas, há menos de sete semanas da estreia, a Warner Bros. anunciou o adiamento para fevereiro deste ano.

O motivo alegado foi o tempo necessário para finalizar os efeitos especiais, mas muito se especulou a respeito da fraca repercussão que estava tendo em exibições de teste. O orçamento estimado em US$ 175 milhões e a retirada do filme de uma época concorrida como o verão norte-americano para exibir numa temporada mais tranquila, aumentariam as chances de uma bilheteria melhor.

O Destino de Júpiter O Destino de Júpiter

Se o objetivo foi mesmo refinar os efeitos visuais, o adiamento está mais do que justificado. O espetáculo visual, as composições de cenas e a presença de Mila Kunis são bonitos de se ver. Belo trabalho da direção de arte e dos figurinistas. Entretanto, a história não acompanha o mesmo nível, e o filme não se sustenta.

Os Wachowski tentam criar uma nova mitologia cósmica com esta ficção científica. Uma família alienígena comanda grande parte do Cosmos, e seu principal meio de subsistência é o tempo. Para conseguir longevidade, eles povoam planetas para depois extirpá-los – numa ação que denominam de Colheita – e fabricar um produto capaz de rejuvenescê-los. Como todo negócio que mexe com muito dinheiro, há brigas e traições.

A partir deste plot, contam a origem da Terra e a existência de mitos como anjos, vampiros, lobisomens, fantasmas e aliens cinzentos. Aliás, é curioso que os diretores já haviam feito algo similar em Matrix Reloaded, no qual explicaram que esses mitos eram criados a partir de softwares que deveriam ser deletados, mas se negavam a seguir esse destino e passavam a viver como clandestinos dentro da matriz.

A trama básica de O Destino de Júpiter segue uma premissa bem conhecida: um triste protagonista leva uma vida miserável, mas acaba descobrindo ter uma importância muito maior e até então desconhecida.

Já se viu isso muitas vezes. Star Wars, Exterminado do Futuro, Harry Potter, O Senhor dos Anéis e até mesmo Matrix, também criado por Andy e Lana, são apenas alguns exemplos.

O Destino de Júpiter O Destino de Júpiter

A diferença aqui é que, apesar de a trama tentar ser grandiosa, há problemas de roteiro, não existe suspense, o público não consegue ter empatia pelos heróis e falta um antagonista forte. Os acontecimentos se sucedem em um ritmo tão frenético, que não há tempo para desenvolver os personagens e nem para o público se importar com eles. Os 125 minutos de projeção acabam sendo pouco pelo escopo proposto.

Para criar essa nova mitologia, com tantos conceitos desconhecidos ao público, era preciso dar tempo para a trama respirar e apresentar o necessário com o ritmo certo. E isso não acontece. É uma pena, porque alguns dos conceitos apresentados são interessantes.

Infelizmente, os Wachowski deixaram em segundo plano aquilo pelo que foram mais reconhecidos em Matrix, o maior sucesso de suas carreiras: a história. E, por isso mesmo, sempre se espera algo a mais deles. Até mesmo em A Viagem, que não teve um bom retorno nas bilheterias, há uma preocupação com a trama.

Mas se você está mais interessado em ir às salas de cinema para ver muita ação e efeitos de alta qualidade, conseguirá o que quer.

O Destino de Júpiter
Duração: 125 minutos
Estúdio: Warner Bros.
Direção: Andy e Lana Wachowski
Roteiro: Andy e Lana Wachowski
Elenco: Mila Kunis, Channing Tatum, Sean Bean, Eddie Redmayne, Douglas Booth, Tuppence Middleton, Nikki Amuka-Bird, Maria Doyle Kennedy.

• Outros artigos escritos por

.