70 motivos para relembrar e saudar o Fantasma

Por Marcelo Naranjo
Data: 17 fevereiro, 2006

Fantasma, primeiro número
1. Criado em 1936, é o primeiro super-herói mascarado das histórias em
quadrinhos; afinal, se o Batman é super sem poderes, por que ele não?

2. Seu criador, Lee Falk, falecido em 1999, cuidou pessoalmente da trajetória
do herói por mais de 60 anos, um marco.

3. Nosso justiceiro é conhecido por vários apelidos legais. O Espírito-que-anda,
o Homem que nunca morre, o Guardião das Trevas Orientais e outros.

4. O Fantasma tem o anel da caveira, na mão direita, um símbolo que marca
permanentemente aqueles punidos pelo Espírito-que-anda, com o sinal
de um crânio.

5. Na mão esquerda, um anel com a marca do bem, simbolizando proteção.
Aqueles que detêm este símbolo estão sob o zelo do Fantasma.

The Phantom
6. A selva tem vários ditados sobre o Fantasma, conhecidos por todo o
continente. Alguns deles: “O Fantasma é violento com os violentos”, “Dá
medo ver o Fantasma enfurecido”, “A voz irada do Fantasma gela o sangue
do tigre”, “O Fantasma atira mais rápido que o olhar” e outros.

7. Sua origem é marcante e conhecida por todo fã de quadrinhos que se
preze: há mais de 400 anos, uma embarcação foi atacada por piratas Singh.
O filho de um lorde inglês, que sobreviveu na costa de Bangala, foi acolhido
por pigmeus Bandar, e jurou sobre o crânio de um criminoso que ele e seus
descendentes lutariam contra o mal.

Almanaque do Fantasma
8. O juramento da caveira é famoso: “Juro que dedicarei toda minha vida
à tarefa de destruir a pirataria, a ganância, a crueldade e a injustiça.
E meus filhos e os filhos de meus filhos me perpetuarão”.

9. De pai para filho, uma herança é passada. Sempre com o mesmo uniforme,
e por séculos combatendo a vilania, surge o mito da imortalidade. O atual
herói é da 21ª geração.

10. Ele mora na Caverna da Caveira. O Batman que nos perdoe, mas isto
sim é uma moradia de assustar!

11. Em seu lar, existem dois aposentos com tesouros. Num deles, ouro,
prata e jóias preciosas garantem o financiamento necessário para manter
a eterna luta contra o mal. No outro, peças dignas de um rei: a espada
Excalibur, a lira de Homero, a trombeta de Rolando e outras.

12. Toda a história da dinastia de heróis fica registrada para seus descendentes,
por meio de uma biblioteca com as crônicas de todos seus antepassados,
escritas à mão.

Fantasma13.
Essas crônicas são um capitulo à parte na mitologia do personagem, pois
são como um guia para ajudá-lo a resolver problemas, além de permitirem
um ótimo gancho para o desenvolvimento de roteiros sobre a dinastia do
herói.

14. O Fantasma conversa com os ancestrais. Em tom de respeito e seguindo
uma longa tradição, a Caverna da Caveira conta com uma cripta, na qual
estão os 20 antepassados da linhagem, aos quais ele apresenta sua esposa
e, posteriormente, seus filhos.

15. Quem precisa de computador para saber das coisas? O velho Mozz conhece
tudo e um pouco mais: é o maior contador de histórias da selva, e está
sempre pronto para auxiliar o herói com informações diversas.

Fantasma: A História de Rex
16. Rex King, um jovem adotado pelo Fantasma e que participa de suas aventuras,
foi encontrado quando bebê por indígenas, dentro de uma balsa. Posteriormente,
descobririam que o jovem era príncipe de um local chamado Baronkhan.

17. Guran, chefe dos pigmeus Bandar, é o grande amigo e parceiro do Fantasma,
desde sua infância. Ele cuida da residência e dos pertences do herói quando
este sai em missão, além de ter conhecimentos medicinais e de várias vezes
ajudar o Fantasma quando em apuros.

18. O Fantasma criou uma força policial chamada Patrulha da Selva
para ajudá-lo em sua empreitada de proteger a lei e manter a paz. Os dirigentes
nem desconfiam quem possa ser seu misterioso chefe, que transmite ordens
sem se identificar.

O Fantasma #1
19. O primeiro comandante da Patrulha da Selva foi ninguém menos
que o pirata Barba Ruiva! O sexto Fantasma partiu para resgatar uma rainha,
derrotou os piratas e desafiou o capitão dos vilões para um duelo. Como
vencedor, tornou-se comandante dos mesmos e selecionou os melhores para
garantir a lei nas selvas, colocando Barba Ruiva como o primeiro comandante.
Séculos depois, Coronel Weeks, já aposentado, e Coronel Worobu são outros
importantes chefes da Patrulha.

20. Como se corresponder na selva? Isso não é problema para o Fantasma:
um correio de macacos faz agilmente o transporte de cartas importantes
destinadas ao nosso herói.

21. Quem não dormiria sossegado morando numa tribo de terríveis pigmeus,
armados com flechas envenenadas para garantir um sono tranqüilo ao incansável
paladino da justiça?

Fantasma
22. Ele atende às tribos locais sentado num trono, com caveiras esculpidas
nas pontas!

23. No meio da selva, uma visão de intimidar. Uma enorme montanha tem
as feições do herói, é a Cabeça do Fantasma.

24. O Fantasma namorou e noivou por quase 40 anos com Diana Palmer, antes
do casamento, um verdadeiro recorde de causar inveja a qualquer solteirão
convicto!

25. Mais um duro desafio para o herói. Pior que enfrentar um tigre dente-de-sabre,
só mesmo encarar a terrível sogra! Lily Palmer não gostava muito do genro,
que considerava um tanto quanto estranho. Mas o Fantasma foi em frente,
tomou coragem e pediu a mão de Diana em casamento.

26. Pelo menos dezesseis homens, ao longo das histórias do Fantasma, tentaram
casar com a bela Diana. Alguns por bem, outros por mal, mas o Espírito-que-anda
deixou a concorrência para trás.

27. Que tal ter como animal de estimação um belo e selvagem Lobo? Pois
nosso herói tem, e seu nome é Capeto, fiel e inteligente, sempre pronto
a tirar seu dono de apuros terríveis.

Estátua do Fantasma e seu lobo Capeto
28. Não é só um lobo que compõe a galeria de animais de estimação: o cavalo
branco Herói, e também um elefante, uma pantera e um falcão colaboram
com o Fantasma.

29. A Ilha do Éden é uma reserva natural à qual só o herói tem acesso,
onde diversos animais da selva vivem em harmonia. São leões, tigres, girafas,
zebras, golfinhos e até um dinossauro!

30. Isso mesmo: um dócil estegossauro de estimação chamado Estego (ou
Stegy) brinca com o herói e seus amigos nesta ilha.

31. A ilha abriga outras curiosidades, como Hzz, um ser que é antepassado
dos homens.

32. A dinastia dos Fantasmas sabe como cativar as mulheres. A lua-de-mel
acontece na Praia Dourada de Keela-Wee, cuja areia é ouro, e onde está
a Cabana de Jade, repleta de pedras preciosas.

33. Mulheres importantes passaram pela linhagem dos Fantasmas, que foram
casados com a filha de uma marajá, com uma neta de Cristóvão Colombo e
até uma sobrinha de William Shakespeare.

34. As mulheres são fundamentais na vida do herói. Uma delas, inclusive,
irmã gêmea do 17º Fantasma, tomou seu lugar enquanto seu irmão se recuperava
de ferimentos, e atuou como heroína, com direito até a usar um uniforme.

35. Um herói misterioso e charmoso. Mas, ainda que mulheres rendam-se
ao seu irresistível carisma, ele só tem olhos para Diana. Um partidão,
elas diriam.

Fantasma: Casamento e Lua-de-Mel
36. Diana sempre esteve à frente de sua época. Surge milionária, culta,
praticamente de esportes, inclusive boxe, mas sempre feminina. Quando
do pedido de casamento do Fantasma, impõe a condição de manter seu trabalho
como voluntária da ONU.

37. Formatinho, formato americano, álbum, livro de capa dura e álbum gigante.
Todas essas e muitas outras edições fizeram parte da mágica do Espírito-que-anda
no Brasil, para deleite dos colecionadores.

38. Por aqui, ele passou por diversas editoras, como Saber, RGE
(atual Editora Globo), Ebal e Opera Graphica, com
inúmeras revistas publicadas e encantando milhares de pessoas, com lugar
de destaque no coração e na mente de muitos leitores.

39. Poucos são os personagens dignos de ganharam uma edição especial contando
como foram seu casamento e lua-de-mel e, ainda por cima, em capa dura.
O Fantasma teve esse privilégio, num belo álbum da RGE.

40. Curiosamente, neste álbum consta que os direitos de publicação do
volume eram da Editora Ebal, que os havia cedido para a realização
da obra. Só o Fantasma poderia propiciar isso!

O casamento do Fantasma
41. Esse álbum tem a curiosidade de trazer o primeiro casamento de um
herói uniformizado dos quadrinhos, já que a maioria gostava mesmo é de
namorar. No máximo noivar, e olhe lá!

42. Entre os convidados no casamento do Fantasma, alguém pra lá de especial:
o mágico Mandrake! Por motivos especiais, seu nome não podia ser citado,
então ele é apresentado como um amigo do príncipe Lothar.

43. A RGE (atual Editora Globo) foi, sem dúvida, a grande
casa do herói no Brasil, com séries mensais, almanaques e mais. Mas também
merecem destaque cinco belíssimos álbuns lançados pela Editora Ebal, entre
1979 e 1980, com a infância do herói e a primeira aventura publicada,
contra os piratas Singh.

44. Nesta primeira aventura o Espírito-que-anda matou tubarões,
salvou e beijou em rompantes de paixão Diana várias vezes, quase morreu,
foi das selvas para a profundeza dos mares, enfrentou dezenas de vilões,
saltou de um avião em movimento, foi salvo por uma vilã. Ufa! E era só
o começo.

45. O álbum com a infância do Fantasma apresenta a trajetória de Kit Walker,
desde seus primeiros dias até a maturidade, numa bela trama explorando
desde a natural insegurança do jovem quanto ao seu futuro até assumir
o manto de sua linhagem.

46. Esta aventura conta como foi o primeiro encontro (cronologicamente
falando) do bravo jovem com sua futura esposa, Diana Palmer.

47. Também nesta história, ele é curiosamente chamado de “Kip” Walker,
que seria mudado posteriormente, e em definitivo, para “Kit” Walker.

48. Com dez anos de idade, Kit surrou um marinheiro enorme e os valentões
da escola. Ainda um adolescente, nocauteou o campeão mundial de pesos
médios que fazia uma apresentação em seu colégio. É o herdeiro de um legado!

Os Bebês do Fantasma
49. Uma edição especial da RGE trouxe a trama Os Bebês do Fantasma.
O herói é mesmo viril: teve logo um casal de gêmeos com Diana, para garantir
a linhagem. São eles Kit e Heloise.

50. Revistas publicadas por aqui já distribuíram, entre outros brindes,
adesivos e até um anel da caveira! Quanta alegria para os jovens leitores
da época.

51. Não se pode esquecer das incríveis tiras de jornais, que por décadas
compareceram diariamente (e ainda são publicadas) em inúmeros periódicos
ao redor do mundo.

52. O Fantasma fez sua estréia no Brasil no suplemento Correio Universal,
em 28 de março de 1936 (pouco mais de um mês após seu surgimento nos EUA),
com o nome de Fantasma Voador. O curioso, é que ele nunca voou!

Superalmanaque do Fantasma
53. Diversos artistas de renome marcaram o personagem com seus traços
únicos, tendo entrado para a história dos quadrinhos. Os maiores destaques
são Ray Moore, Wilson McCoy e Sy Barry.

54. Ray Moore tinha um estilo clássico, elegante, permeado por sombras,
e foi quem criou a concepção gráfica do herói. Para muitos fãs ele foi
o grande expoente do traço à frente do Fantasma, e trabalhou entre 1936
até 1942.

55. Wilson McCoy era assistente de Moore. Muitos consideram que, devido
a seus traços rudes e caricatos, tenha sido o pior desenhista do Fantasma.
Mas era competente na narrativa, e ficou responsável pela arte por muitos
anos, de 1942 até 1961, quando faleceu.

56. Sy Barry assumiu em 1962, com um estilo limpo, claro, porém citado
como impessoal. Ele foi ajudado por diversos artistas fantasmas, inclusive
brasileiros.

57. Artistas brasileiros cederam seu talento para abrilhantar as aventuras
do Espírito-que-anda. André LeBlanc, brasileiro naturalizado (era
haitiano de origem), já falecido, foi o responsável pela arte do casamento
do herói. Outros, ainda, foram responsáveis por histórias produzidas em
nosso país, e que não eram creditadas, como Walmir Amaral e Júlio Shimamoto.

O Fantasma #2
58. Um personagem que chegou a estar entre os seis mais conhecidos dos
quadrinhos, e que em seu melhor momento teve milhões de leitores ao redor
do mundo, é sempre digno de homenagens e lembranças.

59. Leitores famosos já renderem sua homenagem ou admitiram seu respeito
para com este mito das HQs. Entre eles, Jô Soares, Federico Fellini, Umberto
Eco e Mauricio de Sousa.

60. Imperialista? Racista? Colonialista? Muitos foram os rótulos apontados
por historiadores e críticos ao herói. Mas nada que tenha abalado sua
reputação em tantos anos de aventuras.

61. Um mistério que nunca foi revelado: ninguém pode ver o rosto do herói,
a não ser sua esposa e filhos. Nem mesmo o leitor tem esse privilégio,
já que a cara de Kit Walker aparece sempre com uma capa, chapéu e óculos
escuros, ou então atuando com a máscara do Fantasma.

A Gazeta: Fantasma # 1
62. Ainda que não tenha mais publicações periódicas em bancas, o personagem
regularmente volta a ser lembrado, seja pela mídia especializada ou em
edições caprichadas como as que a Opera
Graphica
prometeu para
breve
. Lembrando que ele surgiu há 70 anos, é ou não é de se tirar
o chapéu?

63. Nosso Fantasma foi vermelho! Reza a lenda que, por não se ter referências
sobre a cor oficial do uniforme do personagem, que era roxo, a RGE
teria adotado o vermelho nas capas da revista do herói, em 1953. Mas há
controvérsias sobre o assunto, já que, anteriormente, ele apareceu na
mesma cor no Correio Universal, Gazetinha, Globo Juvenil
e no Gibi.

64. Roxo ou vermelho? Numa pesquisa realizada em 1989, a partir de uma
minissérie publicada pela Editora Globo, os leitores optaram pelo
uniforme roxo. Mas muitos fãs têm preferência pelo vermelho, até hoje.

65. Esta minissérie da Globo, intitulada O
Fantasma
, apresentou quatro edições em formatinho, numa trama
com argumento de Peter David e desenhos de Joe Orlando, colocando em paralelo
duas gerações do Fantasma combatendo piratas.

66. O Fantasma já esteve na tela grande, em duas produções. Em 1943, Tom
Tyler participou de um seriado com 15 episódios fazendo o herói, e em
1996, um longa-metragem com o ator Billy Zane na pele do Fantasma.

FANTASMA – THE GHOST WHO WALKS
67. O herói também participou de animações, como no desenho infantil Defensores
da Terra
, ao lado de personagens como Flash Gordon, Mandrake e Lothar,
além do Fantasma 2040, com aventuras no futuro, apresentado uma
nova geração na linhagem do herói.

68. Até hoje o personagem faz sucesso em países como Suécia e Austrália,
inclusive com aventuras produzidas nesses países.

69. Além do Brasil, na França, na Itália e na Espanha seu uniforme era
vermelho. Nos Estados Unidos, roxo. Na Austrália, verde. Na Nova Zelândia,
marrom amarelado. Na Escandinávia, azul quase prateado. Ou seja, independente
da cor, o Fantasma conquistava os leitores.

70. Tramas inteligentes e bem amarradas, um herói carismático, seqüências
dignas de um filme, visual arrebatador e os mistérios da selva. Ingredientes
que garantiram décadas de encantamento, os verdadeiros segredos da imortalidade
do Fantasma!

Marcelo Naranjo sonha em completar sua coleção do Fantasma. Levando
em conta até agora ele tem por volta de vinte revistas, desejamos boa
sorte ao rapaz pelos próximos 70 anos…
 

• Outros artigos escritos por

.

.

.