Clássicos dos quadrinhos: os gibis estrelados por celebridades brasileiras

Por Marcus Ramone
Data: 6 setembro, 2012

Os famosos sempre contaram com a ajuda da nona arte para manter sua imagem no topo da popularidade.

 

Nas décadas de 1940 a 1980, com frequência, nomes destacados da política, da história e das artes do Brasil costumavam ganhar versões em quadrinhos. Em sua quase totalidade, eram edições especiais biográficas. Nada, porém, que os transformasse em astros dos gibis.

Mas nos anos 1950, a La Selva encabeçou as exceções que confirmavam essa regra e sacudiu o mercado com uma proposta diferente. Apostando em nomes de sucesso dos filmes de comédia da época, a editora publicou títulos como Oscarito e Grande Otelo e Mazzaropi, ambos chegando até a década seguinte nas bancas.

Nas HQs, os comediantes viviam as mais diversas aventuras, em cenários e situações que, embora muitas vezes familiares ao que o público via nos filmes, não economizavam na imaginação. Coordenadas por Jayme Cortez, as histórias contavam, dentre outros desenhistas, com o já consagrado Messias de Mello – considerado, até hoje, o melhor e mais destacado quadrinhista alagoano de todos os tempos.

A La Selva também lançou gibis estrelados por Carequinha, Arrelia e Fuzarca, famosos palhaços que, durante muito tempo, fizeram a alegria das crianças nos circos, no rádio e na TV. Acompanhados de Fred, Pimentinha e Torresmo, seus respectivos ajudantes – ou “escadas”, no jargão dos humoristas -, eles também conquistaram os quadrinhos em aventuras que não se passavam apenas num circo e marcaram o início de carreira de muitos artistas, como Julio Shimamoto (que assinou os desenhos de várias HQs da revista Carequinha e Fred).

Mas foi no final dos anos 1970 que teve início uma nova fase das celebridades do Brasil nos quadrinhos, numa onda que atravessou a década de 1980, começou a diminuir na seguinte e se diferenciou por transformar as personalidades da mídia em crianças.

Conheça ou relembre alguns gibis que ajudaram a eternizar muitas celebridades brasileiras. E não se espante se – independentemente da qualidade editorial de grande parte deles – reconhecer que vários dessas publicações marcaram sua infância.

Oscarito e Grande OteloArrelia e Pimentinha

Os Trapalhões (Bloch, 1976) – Uma das mais cultuadas revistas em quadrinhos produzidas no Brasil. O saudoso quarteto de humoristas protagonizou nos gibis as mais loucas aventuras, nas quais o politicamente incorreto dava o tom das piadas sobre política, religião, gays, mulheres e outros temas palpitantes, não poupando nem mesmo outras celebridades (nacionais ou estrangeiras).

No final dos anos 1980, os personagens migraram para a Editora Abril, virando crianças e mudando o conceito de suas histórias, mais conectadas ao mundo infantil.

Pelezinho (Abril, 1977) – Inspirado no rei do futebol, o personagem inaugurou a era das versões infantis das celebridades. Acompanhado de uma carismática galeria de coadjuvantes – que competiam com ele na preferência dos fãs e eram, em sua maioria, baseados nos amigos de infância de Pelé -, o craque Pelezinho fez sucesso, marcou época e deixou saudade quando saiu definitivamente das bancas, há mais de 20 anos.

Em 2012, com o retorno do rei dos campinhos em uma série de republicações, as novas gerações de leitores puderam, enfim, conhecer esse clássico dos quadrinhos nacionais.

Os Trapalhões # 1Pelezinho # 1

As aventuras de Beto Carrero (CLUQ, 1985) – Em programas de rádio e nos rodeios, o empresário João Batista Sérgio Murad encarnava o personagem Beto Carrero desde 1970. Mas só se tornou nacionalmente conhecido a partir de meados da década de 1980, quando participou de alguns filmes dos Trapalhões e estrelou uma revista em quadrinhos que durou apenas cinco edições bimestrais.

O gibi, em formato magazine, trazia HQs em preto e branco, escritas por Gedeone Malagola e desenhadas por Eugênio Colonnese. Um faroeste à brasileira, com cenários como o Pantanal, onde o caubói enfrentava os bandidos sem usar arma de fogo, valendo-se apenas de um chicote.

Na edição de estreia, o leitor encontrava o regulamento de um concurso cultural que premiaria os vencedores com um cavalo e um pônei.

Revista da Xuxa (Globo, 1988) – A Rainha dos Baixinhos estava no auge do sucesso entre as crianças – e os marmanjos, também -, quando virou título de gibi, transformando-se de vez na adolescente que se mostrava na TV.

As histórias da personagem eram mais voltadas para o público feminino. Mas, se nas aventuras da revista as meninas se divertiam com as paquitas, eram o mosquito Dengue e a tartaruga Praga que chamavam a atenção dos meninos.

Foram mais de 60 edições mensais, além de um almanaque periódico e alguns especiais.

As aventuras de Beto CarreroXuxa # 1

Revista do Gugu em Quadrinhos (Abril, 1988) – O apresentador de TV viciado em audiência era a menina dos olhos do SBT e não perdeu a chance de embarcar numa versão cartunesca. No entanto, ao contrário do que se mostrava comum naqueles tempos, continuou adulto nas HQs.

Ele protagonizava aventuras de ação e humor – às vezes com pitadas de super-heroísmo – que atraíam o interesse dos garotos, embora não faltasse uma dose de romance para provocar suspiros nas garotas.

Durou 20 edições mensais e quatro almanaques periódicos. O personagem ainda estrelou outra série na década de 1990, dessa vez pela editora Sequência.

Revista do Sérgio Mallandro em quadrinhos (Abril, 1988) – “Rá! Glu glu yeah yeah!” já era o inconfundível bordão do apresentador, animador de auditório, ator, cantor e – ufa! – humorista Sérgio Mallandro e virou mania entre os leitores do gibi que ele estrelou na mesma época em que apresentava o programa infantil Oradukapeta, pelo SBT.

Nas HQs, ele era simplesmente aquele que continua interpretando até hoje na vida real: uma criança vivendo no corpo de um adulto. Pela Abril, a publicação seguiu até 1990. No mesmo ano, foi para a Globo e chegou ao fim em 1992.

Revista do Gugu em Quadrinhos # 1 Revista do Sérgio Mallandro em quadrinhos

Quadrinhos do Faustão (Abril, 1991) – Apenas dois anos depois de estrear na TV Globo com o programa Domingão do Faustão, o jornalista e apresentador Fausto Silva chegou às HQs.

O sucesso na tela pequena justificava a exploração da imagem do artista em outras mídias, mas também era certo que os pais não gostavam de ver os filhos repetindo o vocabulário escrachado (incluindo palavrões) que ele costumava dizer na TV – por isso mesmo, houve um apelo imediato com a criançada.

Mas, no gibi, Faustão era adulto e estava sempre ancorado por duas crianças, os sobrinhos Faustinho e Faustina, responsáveis pelo humor da revista.

A publicação não chegou a completar um ano nas bancas.

Leandro & Leonardo (Globo, 1991) – A dupla sertaneja se transformou em garotos bons de viola e de traquinagens. A revista também trazia pôsteres dos dois irmãos e de outros cantores sertanejos, além de entrevistas com artistas desse estilo musical. Mais segmentado, impossível.

Foi publicada até a edição # 19.

Quadrinhos do Faustão # 1 Leandro & Leonardo

Angélica (Bloch, 1989) – Jovem, loura, apresentadora de programa infantil na TV e ganhando uma versão em quadrinhos? Um ano antes, isso já tinha sido visto, mas Angélica repetiu, em 1989, aquilo em que a concorrente Xuxa havia sido pioneira.

Notoriamente criado para as meninas, o gibi começou numa linha “contos de fadas” que, com as devidas proporções que a comparação exige, mais parecia uma versão colorida e menos dramática das aventuras da princesa Ametista, personagem clássica da DC Comics.

Em pouco tempo, a revista mudou o logotipo e o direcionamento das histórias, que passaram a ser um pouco mais voltadas para situações simples e cotidianas. Circulou pelas bancas até 1992, chegando a 20 edições publicadas.

Senninha e sua turma (Abril, 1994) – Um dos gibis brasileiros mais lembrados pelos leitores. Foi lançado dois meses antes da morte do piloto de Fórmula 1 Ayrton Senna e – talvez por isso – fez sucesso até o fim da década, com o personagem (versão infantil do esportista) estrelando, também, edições especiais e até um álbum de figurinhas.

A galeria de coadjuvantes de Senninha, com destaque para o gago Bate-Pino e o vilão mirim Braço Duro, era um dos destaques do gibi, que deixou as bancas em 1999.

No mesmo ano, a revista aportou na Brainstore e foi cancelada em 2000. Oito anos depois, retornou pela HQM Editora e durou até 2010.

Angélica Senninha

Aninha (Nova Cultural, 1998) – Para crianças pequenas. E mais ainda para as meninas.

Lançada quando Ana Maria Braga despontava na TV com o programa Note e Anote, da TV Record, a revista estrelada pela versão infantil da apresentadora trazia como chamariz o Louro José – assim como era, e continua sendo, na televisão.

O gibi durou até o início de 2001.

As aventuras eróticas de Tiazinha (Abril, 2001) – A modelo Suzana Alves levava os homens à loucura, com sua personagem sadomasoquista Tiazinha.

Depois de estrelar ensaios sensuais em vídeos e revistas masculinas, ela elevou os níveis de testosterona dos marmanjos ao protagonizar um fetiche em forma de fotogibi.

Na fotonovela, Tiazinha e outras estonteantes mulheres atuavam sem roupa – sem esse incômodo, elas puderam exibir uma exuberante fotogenia. Produzida pela Fábrica de Quadrinhos, a revista apresentava uma aventura “eróticovampiresca” que utilizava cenários criados digitalmente.

Sobreviveu por apenas uma edição.

Aninha # 1As aventuras eróticas de Tiazinha

E para não deixar ferver o caldeirão das vaidades, vale citar outras celebridades que, em maior ou menor grau de popularidade no mundo real, já visitaram os quadrinhos: Antônio Fagundes (ao lado de Stênio Garcia, na série em duas edições Carga Pesada, lançada pela RGE, em 1980), Chico Anysio, Íris Stefanelli, Paulo Coelho, Raul Seixas, Ronaldinho Gaúcho, Tiririca – numa edição única, escrita e desenhada por André Diniz -, Tonico & Tinoco, Zé do Caixão e muitas outras personalidades.

Os quadrinhos são mesmo uma grande opção para quem não se contenta com apenas 15 minutos de fama.

Marcus Ramone não é nenhuma celebridade, mas já foi homenageado nos quadrinhos da Turma da Mônica.

Tonico e Tinoco Chico Anisio

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • tuliabarbosa

    Tinha também:
    Turma do Alegria (Palhaço)
    Turma do Arrepio
    As Aventuras dos Trapalhões que eram eles pequenos
    Fora as da Disney, Donald, Tio Patinhas e Cia Ltda

    • Juliano Cezar

      Turma do Arrepio foi o contrário: era gibi e virou programa de TV (na Manchete se não me engano).

  • Alec

    Faltou o Astral da Turma, do João Bidu.