Grandes coleções Marvel e DC no Brasil

Por Marcus Ramone
Data: 19 maio, 2015

Os super-heróis das duas maiores editoras de quadrinhos do mundo têm uma rica participação na história do colecionismo brasileiro. Conheça um pouco dessa trajetória.

 

Coleção ShellO Brasil é um dos maiores consumidores de quadrinhos e produtos diversos dos personagens das editoras Marvel e DC Comics, em todo o mundo.

Essa apaixonada relação com as turmas do Homem-Aranha e do Superman começou em 1937, quando o gibi Mirim, publicado por Adolfo Aizen, passou a publicar as aventuras do detetive durão Slam Bradley (criado por Jerry Siegel e Joe Shuster), da então National Comics, futura DC.

Desde então, centenas de coleções – dentre gibis, brinquedos e as mais diversas memorabilias – foram lançadas para suprir o desejo das legiões de crianças, jovens e adultos definitivamente marcados por esses heróis fantasiados.

Confira agora algumas das coleções Marvel e DC que fizeram a cabeça dos fãs brasileiros nas últimas sete décadas.

Gibis promocionais dos postos Shell

Em julho de 1967, a Ebal – Editora Brasil-América trouxe pela primeira vez os super-heróis Marvel para o País, realizando com a rede Shell de postos de gasolina uma promoção que distribuía gratuitamente uma coleção composta por três gibis.

Os títulos foram lançados na onda do programa infantil Super-Heróis Shell, exibido pela TV Bandeirantes, que apresentava os desenhos animados de alguns personagens da Marvel.

Capitão Z, apresentando Homem de Ferro e Capitão América; Superxis, com as aventuras de Namor e Hulk; e Álbum Gigante, estrelado pelo Thor, chegaram com páginas em preto e branco e quase do tamanho do atual formato americano.

Todos os títulos estampavam o número zero na capa e, a partir do mês seguinte, passaram a ser vendidos normalmente nas bancas.

Em 2007, na edição especial Marvel – 40 anos de Brasil, a Panini ofereceu de brinde o fac-símile de Capitão Z – Dois Super-Heróis Shell – Homem de Ferro & Capitão América.

Bonecos Marvel da Atma

Na esteira dos gibis que acabavam de chegar, a Atma lançou em 1967 uma série de bonecos de plástico duro da Marvel.

Medindo cerca de 15 cm, Homem-Aranha, Thor, Capitão América, Homem de Ferro, Namor e Hulk eram monocromáticos e sem articulações. Mas quem se importava com isso?

Bonecos Gulliver Marvel e DC

Esses são os mais lembrados pelos saudosistas e viraram objeto de adoração dos colecionadores, apesar de toscos.

Lançados pela Gulliver em 1973, também eram feitos de plástico duro e sem pontos de articulação, mas pintados à mão e com bases removíveis (o que era uma maravilha para dar mais realidade à brincadeira).

No final da década de 1970, uma nova série chegou às lojas, dessa vez com base fixa, pintada à mão e feita em vinil, um plástico mais flexível.

Os bonecos foram fabricados até meados da década de 1980, já melhor pintados e esculpidos.

O interessante é que, no meio dessas versões, também eram produzidas as de plástico duro com apenas uma cor e vendidas por um preço mais acessível. Chegou até a ser relançada, em 1998.

Com 12 cm de altura, Batman, Superman, Capitão Marvel, Robin, Mulher-Maravilha, Pinguim, Coringa, Capitão América, Namor, Falcão, Duende Verde, Hulk, Homem-Aranha e outros personagens faziam parte dessa imensa galeria da Gulliver.

Bonecos Gulliver Marvel e DC

Figurinhas de chicle de bola

Foi em 1979 que os chicles de bola Ping-Pong lançaram uma série que vinha com figurinhas dos super-heróis Marvel e DC.

Eram 36 cromos, cada um apresentando um personagem.

Alguns deles ainda tinham o nome original em inglês, já que nem haviam sido publicados no Brasil.

Também era curioso o nome do Motoqueiro-Fantasma, chamado de Fantasma-Voador.

Homem-Aranha, Batman, Superman, Pantera Negra, Miss Marvel, Hulk, Coisa, Surfista Prateado, Robin, Mulher-Maraviha e muitos outros estavam na lista das figurinhas.

Ping-Pong Homem-Aranha

Ping-Pong Superman

Tampas de margarina

Nunca foi tão gostoso comer pão com margarina quanto em 1980.

Naquele ano, a Delícia Cremosa lançou uma coleção de 25 tampas que traziam diversas imagens dos super-heróis da DC (coincidentemente, as iniciais do nome da margarina), destacando a trindade Superman, Batman e Mulher-Maravilha, dentre outros personagens.

Já a Doriana revidou colocando nas prateleiras dos supermercados os potes de margarina com tampas estreladas pelos heróis da Marvel.

O problema para a garotada era completar todas essas coleções. As crianças da época costumavam fazer de tudo para acabar a margarina em poucos dias, somente para forçar as mães a comprar mais potes.

E não valia levar somente um para casa.

Tampas de margarina

Veículos super-heroicos

Quem não se lembra das motos, lanchas e carros com super-heróis da DC e da Marvel que a Gulliver começou a lançar em 1973?

O batmóvel e a batlancha tinham o mesmo visual de suas contrapartes do famoso seriado de TV do Batman, exibido na década anterior, e vinham com bonecos do Cavaleiro das Trevas e de seu fiel sidekick Robin.

Nos anos seguintes, eles foram reeditados, com algumas modificações no look e nos bonecos.

Ainda na década de 1970, vieram as motos, movidas a fricção, pilotadas por Batman, Robin, Batgirl e Mulher-Maravilha, além de outras – também lançadas no início da década de 1980 -, com Homem-Aranha, Capitão América, Homem de Ferro e Hulk.

Essas duas duplas de super-heróis da Marvel também estrelaram sua própria série de carros, assim como Batgirl e Mulher-Maravilha, da DC.

Os bonecos que vinham nesses automóveis eram os mesmos das motos. Por isso, tinham as mãos fechadas, com um espaço entre os dedos para encaixar os guidões e não seguravam os volantes dos carros.

E a coisa não parou por aí. Ainda teve batcóptero, batplano, avião da Mulher-Maravilha e do Robin, além de helicóptero e lancha do Homem-Aranha e do Capitão América.

Realmente, os super-heróis não tinham problemas de transporte, naqueles tempos.

Carro do Hulk

Carro do Homem-Aranha

Dicionário

Entre 1983 e 1985, a Editora Abril publicou o interessante Dicionário Marvel.

Encartadas nas revistas mensais dos super-heróis, as páginas traziam as imagens dos rostos de (quase) todos os personagens da Marvel, acompanhadas das respectivas biografias – comumente curtas, mas às vezes longas, quando se tratava de detalhar as histórias dos maiorais, como o Homem-Aranha.

Ao todo, foram 258 páginas muito disputadas pelos leitores.

Nem todo mundo teve condições de completar o dicionário. Por isso mesmo, ter a coleção na íntegra é, atualmente, um privilégio de poucos.

Hoje, uma iniciativa desse tipo seria impensável, com tantas reviravoltas na biografia dos personagens e um insistente “morre e ressuscita” que não acaba mais.

Coleção Dicionário Marvel

Chaveiros Marvel e DC

Os gibis de super-heróis da Abril trouxeram de brinde, em março de 1985, uma coleção composta por oito chaveiros.

Medindo pouco mais de cinco centímetros de altura, eles eram feitos em plástico dourado e apresentavam, em corpo inteiro, Superman, Homem-Aranha, Batman, Capitão América, Mulher-Maravilha, Hulk, Surfista Prateado e Homem de Ferro.

A Panini Comics também lançou uma coleção de chaveiros. Foi em 2008 e era oferecida de brinde nas edições de linha da DC.

Feitos em metal, traziam os emblemas de Superman, Batman (em duas versões), Capitão Marvel, Lanterna Verde, Robin, Flash e Mulher-Maravilha.

Chaveiros da DC, pela Editora AbrilChaveiros da DC, pela Panini

Tatuagens removíveis

Em 1986, uma coleção de tatuagens removíveis coloridas vinha de brinde nos gibis Marvel e DC da Abril.

Traziam Conan, Homem de Ferro, Homem-Aranha, Hulk, Superman, Batman, Arqueiro Verde e outros.

O material era de boa qualidade. As tatuagens duravam dias no corpo e não saíam fácil no banho, desde que ninguém passasse sabonete no local.

Coleção Tatuagem

Bonecos Secret Wars e Super Powers

A Gulliver lançou, em 1986, a linha de bonecos articulados Secret Wars, baseada na minissérie em quadrinhos homônima da Marvel. E a Estrela atacou de Super Powers, com os personagens da DC.

Secret Wars trazia Hulk, Homem de Ferro, Capitão America, Demolidor, Doutor Destino, Homem-Aranha (nos uniformes tradicional e negro) e muitos outros em cartelas que continham, cada uma, um escudo holográfico com a imagem do herói ou do vilão, uma base para fixar a figura de ação em pé, uma arma e um gibizinho que continha uma HQ curta e a ficha técnica do respectivo personagem.

A série tinha até cenários esdrúxulos, como os castelos do Homem-Aranha e do Doutor Destino, e veículos como o “cicloturbo” do Capitão América.

Super Powers era considerada bem melhor que a coleção concorrente.

Os bonecos da DC tinham mais articulações e se movimentavam quando pressionados em certos pontos. O velocista Flash, por exemplo, podia simular uma correria com os movimentos das pernas e dos braços.

Alguns vinham com acessórios, como o tridente do Aquaman. E o vilão Darkseid tinha olhos que brilhavam.

Também vinha com um minigibi em cada cartela, com HQs e informações sobre o personagem.

Dentre os super-heróis e vilões da linha, estavam Superman, Batman, Robin, Lanterna Verde Hal Jordan, Arqueiro Verde, Capitão Marvel, Pinguim, Coringa, Lex Luthor e outros.

Bonecos Secret Wars

Coleção Super Powers

Álbuns de figurinhas

A Editora Abril lançou alguns dos mais inesquecíveis álbuns de figurinhas dos super-heróis Marvel e DC.

Começando em 1984, com Super-Heróis em Ação, que trazia capa e cromos desenhados por José Luis García-López, com direito a figuras metalizadas e uma galeria com os personagens em versões infantis.

Tinha Superman, Capitão Marvel, Batman, Lanterna Verde, Dr. Silvana, Coringa, Mulher-Gato e diversos outros heróis e vilões da DC, em figurinhas de vários tamanhos.

E em 1986, foi a vez de Homem-Aranha, Capitão América, Hulk e companhia chegarem ao público, com Heróis Marvel em Ação.

O estilo editorial era parecido com o de Super-heróis em Ação e ainda trazia um pôster duplo de brinde.

Outros dois álbuns merecem ser lembrados. Eles não eram comprados avulsos, mas distribuídos nos gibis.

Secret Wars, da Marvel, também foi lançado em 1986. Vinha de brinde na primeira edição da minissérie Guerras Secretas, junto a algumas figurinhas. No decorrer da minissérie, o restante dos cromos seguia em cada edição.

Era em formatinho e as figuras só podiam ser coladas em uma das extremidades, pois nos espaços reservados a elas estavam impressos textos sobre o personagem em questão.

Antes disso, o Álbum de Super-Heróis Marvel, de 1981, foi quem abriu as portas.

Na época, figurinhas e livro ilustrado acompanharam algumas edições de Capitão América e Heróis da TV, então os únicos gibis da Marvel publicados pela Abril.

Super-Heróis em Ação Heróis Marvel em Ação

Graphic Marvel

Gibis de super-heróis em formato magazine, papel de luxo e periodicidade regular? Os anos 1990 começaram mesmo muito bem para os fãs da “Casa das Ideias”.

Lançada pela Abril ainda em 1990, Graphic Marvel foi publicada até 1993, compondo uma coleção formada por 17 edições, trazendo algumas HQs que se tornaram clássicas.

Começou com Hulk e o Coisa e terminou com Vingadores – A Gruta: armadilha mortal, apresentando nessa trajetória as celebradas X-Men – A vingança do Monolito Vivo, Surfista Prateado – Os escravistas, Doutor Estranho e Doutor Destino – Tormento e Triunfo e mais edições de qualidade indiscutível, estreladas por Homem-Aranha, Justiceiro e outros personagens.

Coleção Graphic Marvel - A Vingança do Monolito Vivo

Grandes Encontros Marvel & DC

Os primeiros crossovers entre os super-heróis das duas maiores editoras de quadrinhos dos Estados Unidos chegaram ao Brasil na década de 1970, em edições especiais gigantes da Ebal.

Mas a Abril, que já havia publicado alguns deles, juntou todos na coleção Grandes Encontros Marvel & DC, que chegou às bancas em 1993.

Foram quatro edições que dispensam comentários: Super-Homem x Homem-Aranha, X-Men x Novos Titãs, Super-Homem x Homem-Aranha # 2 e Batman x Hulk.

Grandes Encontros Marvel & DC - Super-Homem & Homem-AranhaColeção  Grandes Encontros Marvel e DC Bat Hulk

Card game

Lançada em 1999, pela Abril, a coleção de cards Arquivos Secretos vinha de brinde nos gibis de super-heróis da editora, não só os da Marvel e DC, mas também da Image Comics.

No estilo do clássico Supertrunfo, os 77 cartões traziam heróis e vilões – com um breve histórico de cada um – detalhados em níveis de força, inteligência, velocidade, tecnologia, liderança e agilidade.

Para começar a disputa, bastava aos jogadores comparar esses níveis e ganhar ou perder cartas.

Livros gigantes da DC

Entre 1999 e 2007, foi lançada uma coleção de livros gigantes, com roteiro de Paul Dini e a arte realista de Alex Ross, que traziam contos ilustrados protagonizados por alguns dos principais personagens da DC.

Super-Homem – Paz na Terra (1999), Batman – Guerra ao crime (2000), Mulher-Maravilha – O espírito da verdade (2002) e Shazam – O poder da esperança (2000) foram publicados no Brasil pela Editora Abril.

E LJA – Liberdade e Justiça (2004) e LJA – Origens secretas (2007) chegaram ao País pela Panini.

Belas no visual e extraordinárias no conteúdo editorial, algumas dessas edições ganharam prêmios no Brasil e em outros países. A coleção é daquele tipo que merece estar em destaque na estante da sala para fazer bonito com as visitas.

A Panini compilou todos os livros na edição em capa dura Os maiores super-heróis do mundo, publicada em 2008, trazendo de bônus esboços e um pôster exclusivo.

MulherMaravilha - O espírito da Verdade

Baralhos Marvel

Daquelas memorabilias que não servem apenas para ficar guardadas e ser apreciadas, mas sim usadas diversas vezes, os baralhos Marvel foram lançados pela Panini, em 2006.

Eram dois maços e duas caixas para acondicioná-los, que vinham distribuídos nas revistas mensais dos heróis da “Casa das Ideias”.

Além da diversão do jogo, o barato era curtir as imagens dos diversos super-heróis e vilões, no traço de diferentes artistas.

Baralhos Marvel

Homem-Aranha – Grandes Desafios

Com seis edições, em formato americano e apresentando algumas das melhores minisséries e arcos de histórias da vida editorial do Homem-Aranha, a coleção Grandes Desafios foi publicada em 2007, pela Panini.

Tormento e a primeira Saga do Clone foram dois dos grandes destaques da coleção, que trazia de brinde em cada volume um fac-símile de uma edição antiga do título original norte-americano do escalador de paredes.

Isso incluiu um clássico escrito por Stan Lee e desenhado por Steve Ditko: o primeiro confronto entre Homem-Aranha e Lagarto.

Coleção DC 70 Anos

Lançada em 2008, pela Panini.

Superman, Lanterna Verde, Mulher-Maravilha, Flash, Liga da Justiça e Batman estrelaram, cada um, sua própria edição desta bela série que reuniu as melhores histórias dos maiores personagens da DC Comics, em comemoração aos 70 anos da editora norte-americana.

Em formato americano e com cerca de 200 páginas, cada volume oferecia de brinde um bottom estampando o símbolo do personagem da vez, formando uma coleção dentro da outra.

Homem-Aranha - Grandes DesafiosColeção DC 70 Anos

Capa dura

Uma coleção composta por 60 edições em capa dura e formato americano, com edições lançadas quinzenalmentee trazendo os mais consagrados arcos, minisséries e sagas do Universo Marvel. A editora Salvat ofereceu isso aos fãs dos super-heróis Marvel em 2013, com a Coleção Oficial de Graphic Novels da Marvel.

As lombadas das edições de luxo, ao serem perfiladas, formam um grande painel desenhado pelo ilustrador italiano Gabrielle Dell’Otto. Ou seja, um detalhe para o qual todo colecionador – compulsivo ou não – sempre atenta, a fim de não perder nenhum volume da série.

Com o sucesso, o Salvat lançou uma segundo coleção neste ano, chamada Os Heróis Mais Poderosos da Marvel.

As coleções ainda estão em curso.

Coleção Salvat

Estatuetas

As estatuetas dos heróis Marvel e DC, um privilégio que parecia sempre mais acessível aos colecionadores dos Estados Unidos, também chegaram ao Brasil. E à venda nas bancas de revistas.

Graças à Eaglemoss, que lançou a Coleção de Miniaturas Marvel (2012) e a DC Comics – Coleção Super-Heróis (2013), com peças de metal esculpidas e pintadas à mão, apresentando dezenas de personagens das duas editoras, dentre heróis e vilões.

Cada estatueta chegou acompanhada de uma revista informativa sobre o personagem da vez.

Ambas as coleções continuam disponíveis também por meio de assinatura.

E tudo isso ainda é pouco diante de tantos artigos colecionáveis da Marvel e da DC no Brasil, não registrados nesta matéria.

DC Comics - Coleção Super-Heróis Coleção estatuetas Eaglemoss MArvel

Marcus Ramone colocava seus bonecos Marvel e DC, da Gulliver, para brigar com os da linha Falcon, da Estrela. Os barbudos apanhavam feio.

• Outros artigos escritos por

.

  • Jotafar

    Fantástico! Que bacana ver isso tudo junto!

  • Helil Neves

    Ben Urich branco?!!!!! :O

    • Jonas Lobato

      Tá brincando, né?

      • Eduardo Roque

        É isso que dá só conhecer via Netflix

  • Fábio Roberto Da Silva

    Simplesmente maravilhoso!

  • André

    Que não seja de serviço! hahaha

    Matéria brilhante, cara. Parabéns.

  • Jonas Lobato

    Tem “gente” que defeca pelos dedos quando tecla. Comentários como o seu, de moleque criado em apartamento e alimentado com leite de pêra, me dão vergonha alheia.
    Sim, colecionávamos tampas de margarina e figurinhas de chiclete. E eram uma diversão imensa. E hoje são itens colecionáveis raríssimos e disputados.
    Vai lá tomar teu suquinho, vai, moleque dos tristes anos 90, e cale-se.

  • Jonas Lobato

    Ê, laiá… Não aceitam um comentário mais duro, hein, UHQ?

    • Ê, laiá… tem apressadinho que não aguenta esperar, hein?