Jim Lee fala sobre Batman e futuros projetos

Por Equipe UHQ
Data: 22 fevereiro, 2003

Batman #612O retorno explosivo de Jim Lee aos quadrinhos vem fazendo de Batman (argumentos de Jeph Loeb) a revista mais vendida atualmente nos Estados Unidos. Depois de ficar alguns anos sem desenhar uma revista mensal, o artista não pretende se afastar novamente do mercado, pelo menos não tão cedo.

Em recente entrevista à Wizard, Jim Lee falou como está sendo esta atual fase de sua carreira, e os planos para o futuro.

Começando por Batman, ele admite ter ficado surpreso com a repercussão. “Em termos de vendas, o primeiro número vendeu o dobro do que imaginávamos”, comemora. “A reação dos fãs e dos lojistas foi fenomenal, não tem como prever algo assim”.

Batman #614O retorno às revistas mensais também o deixou satisfeito, apesar de ser um trabalho cansativo. “Eu sabia que podia lidar com isso, mas não lembrava o quão difícil é. Uma edição tudo bem, mas quando se chega a terceira, comecei a sentir o cansaço. É uma fadiga mental e física”, admitiu. “Mas sempre lembro dos bons momentos e acabo esquecendo a dor”.

Mas, se alguém pensa que Jim Lee pegou o jeito de desenhar o Homem Morcego rapidamente, está enganado. “Só me acostumei na quinta ou sexta edição. As primeiras foram difíceis, principalmente a primeira”, admite. “Batman é corpulento, e eu não estava me sentindo confortável desenhando o personagem. Demorou quatro ou cinco edições para ter as noções de quão grande seria o cinto de utilidade, a altura dele, como fazer as sombras. As edições seis e sete já foram bem mais fáceis de fazer, com o trabalho fluindo melhor e me divertindo mais”.Batman #615

O artista também teve que desenvolver mais uma habilidade: a de fazer sombras. “O Batman é envolto em sombras, e isso o faz ficar melhor visualmente. Por isso, tentei colocar mais preto nos desenhos, com mais sombras. Isso será notado a medida em que as edições forem saindo, e acho que por volta da sexta ou sétima eu encontrei o balanço ideal. As primeiras têm pouco preto, mas depois foi melhorando. Fica mais dramático e se encaixa melhor com o personagem”, analisou.

Sobre o que acontecerá nos próximos números, Lee não deu muitos detalhes. “Obviamente, muitas pessoas estão comentando o confronto com o Super-Homem. Estamos tentando terminar todos os números com suspense, um tipo de surpresa, algo que as pessoas não estejam esperando”, disse. “Mas, com o advento da internet, é difícil manter esses segredos. Os leitores sabem o que acontecerá mesmo se tentarmos esconder”.

Jim LeePara o futuro, mais projetos. “Tenho outros três ou quatro projetos em vista, isso me mantém animado. São algumas coisas bem legais, que não posso falar agora”, despista. Mas ele revelou que pretende voltar a trabalhar com os personagens do estúdio que criou, a WildStorm. “Claro, isso faz parte dos meus planos. Tenho dois projetos nesse sentido”.

Jim Lee também gostaria de trabalhar com outros personagens da DC Comics. “Na verdade, com todos os principais personagens. Tive a sorte de fazer vários projetos para a Marvel com personagens que cresci lendo. Gostaria de fazer o mesmo na DC. Tinha simpatia pela Legião dos Super-Heróis, e colecionava a Liga da Justiça. Obviamente, o Super-Homem, e também a Mulher-Maravilha”, terminou.


• Outros artigos escritos por

.

.

.