Opera Graphica é acusada pela Mythos de plagiar Conan

Por Sidney Gusman
Data: 8 março, 2002

Por Sidney Gusman

Brakan, o Bárbaro VingadorNos primeiros dias de março, chegou às bancas de São Paulo e Rio de Janeiro a revista Brakan – O Bárbaro Vingador (48 páginas, formato 20,5 x 27,5 cm, R$ 3,90), da Opera Graphica. O personagem principal era muito similar fisicamente ao clássico Conan, que está voltando ao mercado nacional pela Mythos Editora. Além disso, a edição trazia na capa três menções ao nome do cimério.

Por isso, a Mythos acusou a Opera Graphica de plágio, e solicitou o recolhimento da revista das bancas. Essa informação chegou, inclusive, a ser confirmada no site da editora de Conan. Confira:

“Recentemente, foi colocada à venda nas bancas, uma revista chamada Brakan.

Informamos que trata-se de um plágio por outra editora e que a edição não está autorizada a levar a marca ou a imagem de Conan na capa. Só a revista Conan, O Bárbaro, publicada pela Mythos Editora, pode publicar as aventuras do Cimério criado por Robert E. Howard.

A Mythos Editora agradece aos leitores que expressaram sua preocupação sobre o assunto e aproveita para informar que a revista Brakan já está sendo recolhida.

Conan, O Bárbaro #2 chega às bancas em março, trazendo as historias publicadas originalmente em Conan The Barbarian 22 e 23. E ainda, a sensacional estréia da seção de cartas da revista”.

No entanto, em contato com o Universo HQ, o editor da Opera Graphica, Franco de Rosa, disse que Brakan – O Bárbaro Vingador não será recolhida, porque a editora quis prestar uma homenagem a Conan; e não plagiá-lo.

A Espada Selvagem de Conan #205Ele lamentou o incidente e a publicidade negativa resultante, afirmando que a Opera Graphica tem procurado fazer um bom trabalho, com diversos lançamentos, principalmente de artistas nacionais. “Não quisemos prejudicar ninguém. A editora pretendia apenas aproveitar o vácuo deixado com o cancelamento da revista A Espada Selvagem de Conan, da Editora Abril, para publicar este material, que atingiria o mesmo tipo de leitor”, disse. “Além disso, o lançamento deveria ter acontecido em janeiro, para coincidir com o aniversário de 70 anos de publicação de Conan, tanto que foi preparada uma matéria especial sobre o personagem, com a chamada de capa que causou toda essa confusão”.

O problema é que a revista atrasou e chegou às bancas junto com o novo título de Conan. Franco disse que não sabia que a Mythos Editora voltaria a publicar o personagem, até porque a Marvel não estava mais produzindo material inédito. Posteriormente, quando os editores da Opera Graphica souberam do anúncio (em matéria publicada pelo Universo HQ), não imaginaram que a revista sairia tão cedo.

Franco de Rosa informou ainda que a Opera Graphica possui um contrato com a Conan Properties, empresa que detém alguns direitos do personagem (várias outras companhias podem negociar o bárbaro para mídias diversas, como livros, cinema e TV), para a publicação de um álbum (formato 21 x 28 cm) com tiras clássicas do bárbaro. A maioria delas escrita por Roy Thomas e com desenhos de artistas consagrados. O lançamento está programado para o segundo semestre deste ano.

Segundo o editor, este contrato era uma das razões pela qual não imaginava que a menção de Conan na revista Brakan pudesse gerar tamanha confusão.

O ponto de tamanha discórdia, Brakan, era o personagem principal de uma série criada por Mozart Couto para a Press Editorial, em 1986, que ficou inédita, e que foi apresentada para a Editora Abril, no início de 2001 para ser publicada justamente na revista A Espada Selvagem de Conan, que foi descontinuada.

Brakan é um guerreiro ankhoriano que luta contra os bruxos da Seita Negra, liderada por Drustas, um feiticeiro que transforma seus guerreiros em poderosas criaturas monstruosas. No primeiro combate apresentado na revista, Brakan é ferido gravemente no rosto, perdendo a visão do olho esquerdo. Ao voltar para casa, o herói vê sua mulher Helga ser seqüestrada por uma criatura alada, a mando do vilão.

Logo, Brakan é contatado por Danna, uma maga inimiga do bruxo, que quer se vingar de Drusdas porque ele faz uso do Cetro Negro, importante artefato mágico que o vilão tomou do pai da feiticeira ao matá-lo.

Os dois caem em várias armadilhas preparadas pelo poderoso bruxo e defrontam-se com grandes perigos e monstruosidades até o final surpreendente desta aventura de estréia.

O editor da Mythos, Hélcio de Carvalho, disse ao UHQ que, caso Brakan – O Bárbaro Vingador realmente não seja recolhida, a editora deverá buscar as medidas judiciais cabíveis para o caso.

• Outros artigos escritos por

.

.

.