Superexposição de uniformes de heróis agita Nova York

Por Adilson Thieghi
Data: 12 maio, 2008

Superheroes: Fashion and Fantasy
Não foi com pouco bafafá que foi inaugurada, na semana passada, a mostra
Superheroes: Fashion and Fantasy (Super-Heróis: Moda e Fantasia),
que fica em cartaz até 1º de setembro no Metropolitan Museum of Art,
em Nova York.

A concorrida vernissage da exposição teve até confronto de celebridades:
a modelo Gisele Bündchen, ao lado do namorado, o jogador de futebol americano
Tom Brady, teve que se esquivar do ex, o ator Leonardo DiCaprio.

Além dos três, outras celebridades passaram pelo museu, entre elas, as
gêmeas Mary-Kate e Ashley Olsen, as atrizes Claire Danes (Stardust)
e Julia Roberts, David Beckham e sua esposa, a ex-Spice Girl Victoria,
o ator George Clooney, a cantora Fergie e o estilista Giorgio Armani,
patrocinador da mostra. Diz a imprensa especializada na fuzarca nova-iorquina
que a noite foi uma das mais agitadas dos últimos tempos na cidade.

O encontro dos superfamosos teve como pretexto a celebração de outra reunião
de velhos conhecidos: a moda e os super-heróis.

A exposição, montada pelo Costume Institute (Instituto de Vestuário)
do Met, é tida como uma revolução no departamento, mais habituado
a focar em pesquisas históricas do que apelar para o mundo da fantasia.
A mudança de rumo, pelo visto, deu certo.

Homem-Aranha
A mostra parte do velho pressuposto que os super-heróis forneceram, ao
longo dos anos, muita inspiração para estilistas. Mas vai além: o conceito
central força o visitante a se lembrar que vestir uma boa roupa deixa
qualquer um com a sensação de se estar mais poderoso.

“Compre um vestido sexy ou um par de Jimmy Choos e veja se você não se
sente curiosamente invencível na próxima festa”, definiu a jornalista
Cathy Horyn, do jornal New York Times.

Taxonomia das capas

A curadoria dividiu os uniformes e as criações dos estilistas em oito
categorias. Elas não são estanques e, muitas vezes, se sobrepõem.

Na seção The Graphic Body (O Corpo Gráfico), ficam os uniformes
de grande poderio icônico, como o de Superman (com o emblemático S do
peito) e o do Homem-Aranha, recoberto por teias.

Mulher-Maravilha
Em The Patriotic Body (O Corpo Patriótico), localizam-se
aqueles super-heróis que se cobrem com a bandeira de seus países. Nessa
categoria, são exemplos notáveis o Capitão América e a Mulher-Maravilha.

The Virile Body (O Corpo Viril) mostra corpos que exacerbam
sua masculinidade. É nessa categoria que se enquadram os seres supermusculosos
que exaltam a potência masculina. Hulk e Coisa são dados como exemplos.

The Paradoxal Body (O Corpo Paradoxal) é o setor dedicado
a heroínas contraditórias, que oscilam entre a oferta e a negação da própria
sexualidade. A Mulher-Gato é o exemplo mais clássico: ora é boa, ora,
má. A heroína-vilã felina, por sinal, é tratada como forte fonte de inspiração
para vários criadores de moda: Thierry Mugler, John Galliano, Dolce &
Gabbana, Gianni Versace, Jean Paul Gaultier e Alexander McQueen têm criações
inspiradas na fantasia de Selina Kyle.

Homem de Ferro
Em alta por conta do longa-metragem, o Homem de Ferro é o inspirador de
The Armored Body (O Corpo com Armadura). Mas o uniforme
lotado de apetrechos de Batman também se enquadra na categoria, que realça
o fim da distância entre corpo e tecnologia – tema que, na moda, inspirou
Thierry Mugler, Dolce & Gabbana, Pierre Cardin, Nicolas Ghesquiere, Rudi
Gernreich e Gareth Pugh.

The Aerodynamic Body (O Corpo Aerodinâmico) tem como personagem-símbolo
o Flash, cujo uniforme apreende elementos da própria velocidade. É um
tema que Jean Paul Gaultier utilizou na coleção Femmes Amazone,
do outono-inverno 1995-1996. Os uniformes de velocistas também inspiram
marcas esportivas como Nike e Speedo.

The Mutant Body (O Corpo Mutante) se baseia nos mutantes
da Marvel Comics. A seção trata da aceitação de corpos diferentes,
fora dos padrões normais de perfeição, que desafiam limites dos gêneros
sexuais. Há uma atenção especial à mutante Mística, cujo corpo pode assumir
outras formas.

Por fim, há o segmento The Postmodern Body (O Corpo Pós-Moderno).
É nela que estão as criações que se inspiram na dissolução dos heróis
vista em obras como Justiceiro, Motoqueiro Fantasma, Watchmen
e O
Cavaleiro das Trevas
. Em vez de apontar para um futuro brilhante,
esses personagens (e essas criações) se apóiam em uma visão dark
para revelar o terror dos nossos dias.

Superheroes: Fashion and Fantasy
Ambiente de laboratório

A exposição, que tem catálogo do escritor Michael
Chabon
, reúne cerca de 60 peças.

Além das criações de estilistas como Walter van Beirendonck , Alexander
McQueen e John Galliano, há muitos figurinos de filmes e séries de super-heróis
– como o uniforme negro de Homem-Aranha 3 e o traje que Linda Carter
usou no seriado da Mulher-Maravilha.

Mas a relação com o cinema vai além: Nathan Crowley, consultor criativo
da mostra, é designer de produção dos dois longas de Batman
dirigidos por Christopher Nolan.

Eduardo Nasi garante que entende muito mais de quadrinhos do que
de moda…

 

• Outros artigos escritos por

.

.

.