Tintim completa 80 anos de aventuras

Por Sérgio Codespoti
Data: 12 janeiro, 2009

Mesmo sem uma aventura inédita há décadas, criação máxima do belga Hergé continua em alta no mundo todo

 

Tintim surgiu em 10 de janeiro de 1929, no suplemento juvenil Le Petit Vingtième, do jornal belga Le Vingtième Siècle, pelas mãos de Hergé (pseudônimo de Georges Remi).

O herói, portanto, completou 80 anos no dia 10 de janeiro de 2009. Durante essas oito décadas, o personagem foi publicado em quase 60 idiomas (inclusive vários dialetos como alsaciano, occitano e valão), virou filme com marionetes, desenho animado, seriado de TV, peça de teatro, comédia musical, dois filmes (na década de 1960, com Jean-Pierre Talbot no papel principal) e deve voltar aos cinemas no século 21, pelas mãos de dois mestres da aventura: Steven Spielberg e Peter Jackson.

Tintim e sua turma

O jovem repórter também já passou por diversos museus, incluindo: exposição permanente no Museu de Quadrinhos de Bruxelas; mostra permanente no castelo de Cheverny, no vale do Loire (que foi usado como referência para o castelo de Moulinsart, a residência do capitão Haddock) e até no Centro George Pompidou, em Paris, na França.

Hergé, o “pai” de Tintim, ganhou um museu próprio em 2007, que deverá abrir as portas em maio deste ano.

Além disso, Tintim e Hergé já foram alvo de diversas homenagens, incluindo estátuas, moedas comemorativas, dezenas de selos e até relógios da Swatch.

Hergé cristalizou, com Tintim, o estilo de desenho conhecido como linha clara (que já era utilizado por alguns artistas como Alain Saint-Ogan) e se tornou o símbolo e o principal exemplo desta vertente popular até hoje. Por isso, Hergé é conhecido como o “pai” da linha clara.

Tintim e Milou Selo do Tintim

Para dar uma ideia da importância de Tintim dentro não só dos quadrinhos europeus, mas mundiais, o catálogo enciclopédico das HQs franco-belgas, Trésors de la bande dessinée BDM, dedicou 78 páginas a livros e álbuns de Tintim e Hergé. Incluindo não apenas os oficiais da série, mas todos os especiais, livros teóricos (que são centenas) e até publicações piratas.

Os álbuns da série podem ser divididos em duas partes: na primeira, Tintim se aventura apenas acompanhado de seu cachorro Milu, e ocasionalmente dos detetives Dupont e Dupond. Na segunda, está acompanhado do capitão Haddock, um velho marinheiro beberrão, e de outros coadjuvantes, como o professor Girassol e o mordomo Nestor.

Relógio do TintimTintim é uma evolução da primeira série de Hergé, sobre Totor um escoteiro líder da patrulha dos Hannetons, lançada em julho de 1926. Paul Remi, irmão de Hergé, que era um oficial do exército belga, também serviu de inspiração para Tintim.

Segundo uma teoria atual, o nome Tintim teria sido uma homenagem de Hergé ao álbum Tintin Lutin, de 1897, de Benjamin Rabier e Fred Isly.

Tintim foi a primeira série de Hergé cujos diálogos saíam das bocas dos personagens, como já acontecia nos quadrinhos norte-americanos da época.

Sua aventura inicial, Tintim no País dos Sovietes, foi lançada em 10 de janeiro de 1929, como uma história seriada na edição número 11 do suplemento Le Petit Vingtième.

O repórter Tintim é enviado à então União Soviética, e tem de lidar com os bolchevistas. Hergé publicava duas páginas por semana, ligando-as aos episódios anteriores, mas não tinha muita certeza do que fazer com a história. A jornada terminou em 8 de maio de 1930.

Tintim havia se tornado um personagem muito popular e entraria para a história como um dos clássicos dos quadrinhos. Para celebrar o término da primeira aventura, em 8 de maio de 1930, ocorreu o retorno triunfal do repórter na Gare du Nord, de Bruxelas (estação norte, dos trens vindo de Colônia, na Alemanha).

A ideia foi do padre Wallez, editor do suplemento. Hergé selecionou e vestiu um jovem para interpretar Tintim, que foi acolhido como herói por centenas de fãs em seu retorno de trem, supostamente da União Soviética. Esta relação entre Tintim, os trens e a ferrovia belga é celebrada até hoje, com um grande painel na estação central de Bruxelas.

Em 1930, foi lançado o primeiro álbum encadernado de Tintim, compilando a aventura recém-publicada pela Éditions du Petit Vingtième. Uma edição dessa época foi vendida num leilão em 2007, por 7 mil euros, no câmbio atual, o equivalente a R$ 21.630,00.

Ainda em 1930, Tintim começou a quebrar fronteiras e passou a ser publicado na França. No total, foram lançados 24 álbuns. Os primeiro nove volumes saíram originalmente em preto e branco e, atualmente, a Casterman disponibiliza não apenas as versões coloridas e modernas dessas histórias, mas também as edições fac-símilesdos originais, que são reproduções fiéis de como o material foi publicado na época.

Selo do Capitão Haddock Selos com personagens criados por Hergé

Estes nove álbuns são:

1- As Aventuras de Tintim repórter do “Petit Viengtième” no País dos Sovietes (publicado em tiras no jornal Le Petit Vingtième em 1929, e como álbum em 1930);

2- As Aventuras de Tintim – Tintim no Congo, volume lançado anteriormente no Brasil com o títuloTintim na África (publicado em tiras no jornal Le Petit Vingtième em 1930, e como álbum em 1931);

3- As Aventuras de Tintim – Tintim na América (publicado em tiras no jornal Le Petit Vingtième em 1931, e como álbum em 1932);

4- As Aventuras de Tintim – Os Charutos do Faraó (publicado em tiras no jornal Le Petit Vingtième em 1932, e como álbum em 1934);

5- As Aventuras de Tintim – O Lótus Azul (publicado em tiras no jornal Le Petit Vingtième em 1934, e como álbum em 1936);

6- As Aventuras de Tintim – O Ídolo Roubado (publicado em tiras no jornal Le Petit Vingtième em 1936, e como álbum em 1937);

7- As Aventuras de Tintim – A Ilha Negra (publicado em tiras no jornal Le Petit Vingtième em 1937, e como álbum em 1938);

8- As Aventuras de Tintim – O Cetro de Ottokar (publicado em tiras no jornal Le Petit Vingtième em 1938, e como álbum em 1939);

9- As Aventuras de Tintim – O Caranguejo das Pinças de Ouro, volume lançado anteriormente no Brasil com o título O Caranguejo das Tenazes de Ouro (publicado em tiras em 1940, noLe Soir Jeunesse, e como álbum em 1941);

As Aventuras de Tintim - Tintim no Congo As Aventuras de Tintim - O Lótus Azul

O livro Tintin – Noir sur Blanc, da Casterman, de Marcel Wilmet, é um índice muito minucioso do trajeto editorial e de todas as versões em variantes dos álbuns em preto e branco, com detalhes de publicação, tiragens, diferenças de capa e conteúdo etc.

Um detalhe importante dessa época se deve à Segunda Guerra Mundial e à chegada do nazismo. Com a Bélgica e a França ocupada pelos nazistas, Hergé teve dificuldades crescentes para publicar as aventuras de Tintim nos jornais, não apenas devido à censura, mas também por causa da escassez de papel.

Em 10 de maio de 1940, os alemães fecharam o jornal Le Vingtième Siècle, consequentemente cancelando Tintim. Em 1939, Hergé havia começado a publicar a história Tintim no País do Ouro Negro, que foi interrompida bruscamente em 1940, e só foi retomada em 1948. E no seu lugar começou a aventura O Caranguejo das Pinças de Ouro.

Le Journal Tintin Les Aventures de Tintin - L'ile Noire

É por isso que a participação do capitão Haddock nesta aventura é um pouco estranha e abrupta. O personagem não havia sido criado quando a aventura começou, em 1939, mas já tinha participado de várias histórias em 1948, quando o álbum foi retomado na revista semanal Journal de Tintin.

Curiosamente, neste período a história também foi interrompida entre julho e outubro de 1949, devido a uma depressão de Hergé.

Todos esses volumes, exceto Tintim no País dos Sovietes, foram relançados em cores. Alguns sofreram pequenas modificações e um deles acabou sendo completamente redesenhado: Tintim no Congo, que teve seu conteúdo modificado devido ao tom colonialista do original, algo comum na época, mas que nos dias atuais é visto como racismo, particularmente quando examinado fora de seu contexto histórico.

A Ilha Negra, lançado em cores em 1943, foi completamente redesenhado quando chegou o momento de publicar esta aventura na Inglaterra pela primeira vez, em 1966. O responsável por esta atualização, principalmente de cenário, roupas, veículos e objetos, da década de 1930 para 1960 foi Bob de Moor, um dos assistentes de Hergé.

As Aventuras de Tintim - A Ilha Negra Exposição Tintim

As aventuras seguintes, que já tiveram seus álbuns publicados em cores são:

10- As Aventuras de Tintim – A Ilha Misteriosa (publicado em tiras – em preto e branco – no jornal Le Soir Jeunesse em 1941, e como álbum colorido em 1942);

11- As Aventuras de Tintim – O Segredo do Licorne (publicado em tiras – em preto e branco – no jornal Le Soir Jeunesse em 1942, e como álbum colorido e reformatado em 1943);

12- As Aventuras de Tintim – O Tesouro de Rackham, o Terrível (publicado em tiras – em preto e branco – no jornal Le Soir Jeunesse em 1943, e como álbum colorido e reformatado em 1944);

13- As Aventuras de Tintim – As Sete Bolas de Cristal (publicado em tiras – em preto e branco – no jornalLe Soir Jeunesse em 1943, e como álbum colorido e reformatado em 1948);

14- As Aventuras de Tintim – O Templo do Sol (publicado em tiras coloridas na revista Jornal de Tintin em 1946, e como álbum colorido e reformatado em 1949);

15- As Aventuras de Tintim – Tintim no País do Ouro Negro (publicado em tiras coloridas na revista Jornal de Tintin em 1948, e como álbum colorido em 1950);

16- As Aventuras de Tintim – Tintim Rumo à Lua (publicado em tiras coloridas na revista Jornal de Tintin em 1950, e como álbum colorido em 1953);

17- As Aventuras de Tintim – Tintim Explorando a Lua (publicado em tiras coloridas na revista Jornal de Tintin em 1952, e como álbum colorido em 1954);

18- As Aventuras de Tintim – O Caso Girassol (publicado em tiras coloridas na revista Jornal de Tintin em 1954, e como álbum colorido em 1956);

19- As Aventuras de Tintim – Perdidos no Mar (publicado em tiras coloridas na revista Jornal de Tintin em 1956, e como álbum colorido em 1958);

20- As Aventuras de Tintim – Tintim no Tibete (publicado em tiras coloridas na revista Jornal de Tintin em 1958, e como álbum colorido em 1960);

21- As Aventuras de Tintim – As Jóias da Castafiore (publicado em tiras coloridas na revista Jornal de Tintin em 1962, e como álbum colorido em 1963);

22- As Aventuras de Tintim – Vôo 714 para Sidney (publicado em tiras coloridas na revista Jornal de Tintin em 1966, e como álbum colorido em 1968);

23- Tintim e os Pícaros (publicado em tiras coloridas na revista Jornal de Tintinem 1975, e como álbum colorido em 1976);

24- Tintim e a Alfa-Arte (aventura incompleta publicada postumamente como álbum em 1986);

Tintim no país do ouro negro Tintin - Le Temple du Soleil

A exemplo dos álbuns em preto e branco, estes volumes também foram alterados em maior ou menor grau. Os volumes O Segredo do Licorne e O Tesouro de Rackham, o Terrível foram relançados em duas edições fac-símilesespeciais, mostrando o formato pequeno, em preto e branco, original das aventuras publicadas durante a Segunda Guerra Mundial.

Já As Sete Bolas de Cristal, que deveria se prolongar, foi interrompida devido à libertação da Bélgica pelos aliados. Na época, Hergé foi impedido de publicar e forçado a se explicar, pois havia trabalhado – lançando as tiras de Tintim – no jornal Le Soir, que colaborava com os alemães.

Esta história teve sua sequência na revista Journal de Tintin, em 1946, na aventura O Templo do Sol. Em 2006, a Casterman lançou uma edição especial de O Templo do Sol no formato horizontal, como a história foi publicada originalmente na revista Journal de Tintin, em episódios semanais de página dupla.

Tintim no País do Ouro Negro foi modificado outra vez em 1972, alterando partes da história que lidavam com o contexto político da criação de Israel, quando a Palestina ainda estava ocupada por tropas inglesas, mudando a história para o estado árabe fictício de Khemed. Como se pode ver nos noticiários atuais, o assunto continua polêmico e gerando novos conflitos no Oriente Médio.

A revista semanal Journal de Tintin, fundamental para contar as histórias do repórter Tintim, surgiu em 1946 e foi publicada (com algumas interrupções no final da década de 1980) até 1993. Por ela passaram artistas e séries importantes, além deTintim, como Blake e Mortimer (de Edgar Pierre Jacobs), Alix(de Jacques Martin), Michel Vaillant (de Jean Graton), Ric Hochet (de Tibet), Oumpah-pah (de Goscinny e Uderzo), Bruno Brazil (de William Vance) e Bernard Prince (de Hermann).

Álbuns do Tintim

Para comemorar, a revista a Éditions Moulinsart lançou o volume Le Journal de Tintin, celebrando não apenas o título, mas os 60 anos da editora Le Lombard, que começou com Tintim.

Um volume que não pertence à série oficial é Tintim e o Lago dos Tubarões, uma adaptação para os quadrinhos do desenho animado de mesmo nome lançado em 1972 e dirigido por Raymond LeBlanc, com roteiro original de Greg (Michel Regnier). O álbum usa como arte os originais do desenho animado.

No Brasil, Tintim começou a ser publicado na década de 1960 e 1970, pelas editoras Flamboyant e Record. Atualmente, quem detém os direitos da série é a Companhia das Letras, que recentemente completou a coleção com os 24 álbuns oficiais.

Quem tiver alguma dessas antigas edições poderá encontrar certas diferenças em relação aos álbuns lançados pela Companhia das Letras, particularmente no volume Tintim no País do Ouro Negro.

Já Tintim e o Lago dos Tubarões foi lançado no Brasil pela Record, e não foi republicado pela Companhia das Letras.

Depois de 80 anos e há décadas sem uma aventura inédita (o que não deve acontecer nunca mais), Tintim permanece um personagem extremamente popular no mundo inteiro, e as aventuras do jornalista continuam a despertar o interesse de milhares de fãs.

Sérgio Codespoti confessa que o primeiro personagem de quadrinhos que cativou seu interesse foi Tintim, quando ainda tinha cinco anos de idade e lia as histórias de Tintim e Milu junto com seu pai.

Tintin - Le Licorne

Rackham le rouge

Tintim_As_Joias_Castafiore_teatro

Tintin - Et les oranges bleues Tintin - Et le mystére de la Toisin D'or

Hergé Hergé

Hergé Archives Le Figaro sobre Tintim

The Adventures of Tintin - In the Congo

• Outros artigos escritos por

.