A trajetória do Homem-Aranha nos quadrinhos

Por Sérgio Codespoti
Data: 29 abril, 2014

De Mulheres-Aranhas a Garotas-Aranhas

Marvel Spotlight # 32A primeira Mulher-Aranha, Jessica Drew, surgiu em Marvel Spotlight # 32, em 1977, antes de ganhar seu título próprio, em 1978. A personagem foi criada por Archie Goodwin, Sal Buscema e Jim Mooney, com o propósito explícito de proteger o nome e garantir o copyright antes que outras editoras o fizessem.

Em 1979, a Mulher-Aranha foi a estrela de um desenho animado que teve uma temporada de 16 episódios, produzidos pelo estúdio DePatie-Freleng.

Segundo Les Daniels, o nome da Mulher-Aranha foi criado por Marv Wolfman, o escritor de Spider-Woman # 1, como uma homenagem a sua filha, Jessica.

A heroína passou por diversas fases. Foi detetive particular (quando havia perdido seus poderes); fez parte da Hydra e da S.H.I.E.L.D.; lutou ao lado de heróis como Homem-Aranha, Capitão América e Wolverine; e fez parte dos X-Men e dos Novos Vingadores. Durante a saga Invasão Secreta, foi revelado que a personagem fora substituída pela rainha Skrull, Veranke.

A segunda Mulher-Aranha, Julia Carpenter, surgiu em Guerras Secretas # 6 (num detalhe de um dos quadros). De volta à Terra, atuou ao lado do grupo Força Federal – composto por vilões que pertenciam à segunda Irmandade de Mutantes -, ao lado de Mística.

Fez parte ainda dos Vingadores da Costa Oeste e da Força Tarefa. Posteriormente, assumiu as identidades de Arachne e, mais recentemente, ganhou os poderes de Madame Teia – a vidente das aventuras do Homem-Aranha – e adotou sua identidade.

Julia Carpenter, a segunda Mulher-Maravilha, em Secret Wars # 7

Mattie Franklin é a terceira Mulher-Aranha. A garota apareceu em Spectacular Spider-Man # 262, em 1998, mas só assumiu a identidade da heroína em The Amazing Spider-Man # 5 – Volume 2, ao ganhar os poderes no arco Gathering of the Five, usando um soro criando por Norman Osborn.

Ela perdeu os pais e foi criada por seu tio, o editor J. Jonah Jameson, e sua esposa, Marla Madison. Mattie teve um arco de histórias envolvendo as outras Mulheres-Aranhas na revista Alias.

A personagem foi capturada por Ana Tatiana Kravinoff, filha de Kraven, o caçador, e sacrificada por Sasha Kravinoff (esposa de Kraven), numa cerimônia para ressuscitar Vladimir Kravinoff, um dos filhos de Kraven, durante o arco The Grim Hunt (Caçada Sinistra, publicada no Brasil em Homem-Aranha # 120, pela Panini).

A quarta – e, por enquanto, última – Mulher-Aranha é a vilã Charlotte Witter, neta da Madame Teia, que ganhou suas habilidades originalmente graças ao Dr. Octopus e, posteriormente, roubou os poderes das outras Mulheres-Aranhas. A transferência foi temporária e seus novos dons foram absorvidos por Mattie Franklin.

The Amazing Spider-Man # 5 – Volume 2The Amazing Spider-Man # 6 - Volume 2

E se quatro Mulheres-Aranhas na vida do Homem-Aranha já não fossem o suficiente, ainda existem duas Garotas-Aranhas. A primeira delas, a Spider-Girl original, é May Parker. Ela surgiu na revista What If # 105 – Volume 2 (O que aconteceria se…), em 1998, criada por Tom DeFalco e Ron Frenz.

May Parker é a filha adolescente de Peter Parker e Mary Jane Watson. Suas aventuras foram expandidas no selo MC2 (Marvel Comics 2), um universo alternativo estrelado por filhos de vilões e heróis. As vendas de Spider-Girl, prevista para apenas 12 edições, foram tão positivas que a revista teve continuidade por mais de 130 números, embora fosse ameaçada de cancelamento diversas vezes.

A segunda Garota-Aranha, ou Araña, é Anya Sofia Corazon, uma adolescente com parentes mexicanos e porto-riquenhos. Ela estreou em 2004, na revista Amazing Fantasy # 1 – Volume 2, com enredo de Fiona Avery e arte de Mark Brooks, com base nas ideias de J. Michael Straczynski.

What If # 105 – Volume 2 Amazing Fantasy # 1 – Volume 2

Páginas: 1 2 3 4 5 6 7 8

• Outros artigos escritos por

.

  • Judd Cruz

    Dá prazer ler um texto assim, parabéns pelo ótimo trabalho! O homem aranha é definitivamente o herói mais humano e popular de todos e pra mim tem a melhor trajetória de vida entre todos os heróis.