A trajetória do Homem-Aranha nos quadrinhos

Por Sérgio Codespoti
Data: 29 abril, 2014

Os maiores Inimigos

O Homem-Aranha é um dos poucos personagens da “Casa das Ideias” que já enfrentou todo mundo, de pequenos criminosos – como batedores de carteiras – a ameaças intergalácticas. Além dos inimigos tradicionais, que aparecem nas suas várias revistas, o “Cabeça de Teia” já lutou com muitos vilões de outros heróis.

Aliás, o Homem-Aranha também já enfrentou a maioria dos heróis, do Quarteto Fantástico aos Vingadores, passando pelos X-Men.

Por outro lado, também já lutou ao lado da maioria deles, de Manto e Adaga aos Vingadores. E até Sonja, a guerreira (graças à revista mensal Marvel Team-Up, cujas histórias eram dedicadas a essas parcerias diferentes, publicada de 1972 a 1985).

O primeiro inimigo do aracnídeo foi o ladrão Dennis Carradine, responsável pela morte de seu tio Ben. Muitos anos mais tarde, a filha do ladrão, Jessica Carradine, foi uma das namoradas do clone de Peter, Ben Reilly.

Marvel Team-Up # 79 Amazing Fantasy # 18, com o Supercharger

Em 1995, a Marvel relançou a revista Amazing Fantasy, dando sequência à numeração original. Ou seja, o primeiro número é o # 16. A série teve apenas três edições. Em Amazing Fantasy # 17 e # 18, publicados em 1996, surgiu o vilão Supercharger (Ronald Hillard), que, graças a esse retcon, tornou-se o primeiro supervilão a enfrentar o herói aracnídeo cronologicamente.

Nessa mesma história, escrita por Kurt Busiek e ilustrada por Paul Lee, é apresentada Josephine Pulaski, uma adolescente mutante com poderes energéticos, que trabalha para a máfia.

A lista de inimigos do Homem-Aranha é enorme: Rei do Crime (que muito antes de se tornar o principal inimigo do Demolidor, surgiu na revista do herói aracnideo), Homem-Areia, Abutre, Duende Macabro, Magma, Rino, Homem-Lobo, Caça-Aranhas, Lagarto, Besouro, Camaleão (o primeiro supervilão que o enfrentou na ordem cronológica original), Carniça, Mystério, Electro, Cabeça de Martelo, Morbius, Morlun, Puma, Escorpião, Shocker, Cabelo de Prata, Spencer Smythe, Lápide, Richard Fisk, Carniça, Carnificina, Kaine, Estrangeiro, Basilisco e Tarântula, dentre muitos outros.

Alguns desses personagens merecem destaque.

O Dr. Octopus, alter ego de Otto Octavius, apareceu em 1963, numa história de Stan Lee e Steve Ditko, publicada em The Amazing Spider-Man # 3 e, até a morte de Gwen Stacy, foi o principal inimigo do Homem-Aranha. Trata-se de um cientista nuclear que foi exposto à radioatividade e adquiriu a capacidade de controlar os tentáculos mecânicos que usava em seu laboratório.

Ele é o antagonista do arco Se esse for o meu destino, reeditado recentemente, uma das melhores histórias da dupla Lee e Ditko. Causou a morte do Capitão Stacy, foi o criador do Sexteto Sinistro, inquilino de Tia May, tentou se casar com ela (quando descobriu que May havia herdado uma ilha no Canadá, na qual existia uma usina nuclear e um enorme depósito de urânio) e deu poderes à vilã Mulher-Aranha (Charlotte Witter).

Foi dado como morto diversas vezes, mas a sua “morte verdadeira” ocorreu durante a Saga do Clone, nas mãos de Kaine. Ele foi substituído por sua assistente, Carolyn Trainer, que assumiu a identidade do vilão – e depois passou a se chamar Lady Octopus – até o seu retorno.

O Dr. Octopus foi ressuscitado pelo Tentáculo, com o auxílio de Carolyn Trainer e do Rosa (Richard Fisk, o filho do Rei do Crime). O personagem continua a infernizar a vida do aracnídeo com seus planos de conquista e destruição e é o principal responsável pelo plano de matar o herói e que ocasionou o surgimento do Homem-Aranha Superior.

The Amazing Spider-Man # 3, com a primeira aparição do Dr. Octopus The Amazing Spider-Man # 406, com a nova Dra. Octopus

O Duende Verde, o alter ego de Norman Osborn, apareceu pela primeira vez em The Amazing Spider-Man # 14, em julho de 1964. Aos poucos, se tornou um dos maiores inimigos do Homem-Aranha.

Inicialmente, a questão das identidades secretas, tanto do Homem-Aranha quanto do vilão, era um dos principais temas das aventuras, com o Duende tentando desmascarar o herói e vice-versa.

Isso finalmente ocorreu em The Amazing Spider-Man # 39, um clássico de Stan Lee e John Romita, lançado em 1964, quando o Duende descobre o segredo de Peter Parker e o captura. Durante o confronto entre ambos, o vilão tira a máscara e confessa ser Norman Osborn, pai de Harry, um dos colegas de escola de Peter.

Na edição seguinte, Osborn revela a origem do Duende Verde e o envolvimento de Mendel Stromm na criação da fórmula do soro mutagênico que criou o vilão. Os dois se enfrentam e a luta termina com a vitória do Aranha. Osborn perde a memória e esquece tanto a identidade do Aranha quanto o fato de que ele é o Duende Verde.

The Amazing Spider-Man # 14, com a primeira aparição do Duende Verde The Amazing Spider-Man # 39

Essa amnésia foi bastante explorada nos anos seguintes, criando suspense com a possibilidade de que, um dia, ele poderia se lembrar dos fatos e ameaçar a vida de Peter Parker, o que aconteceu em The Amazing Spider-Man # 96.

Peter confronta o Duende usando Harry, que estava à beira da morte, para forçar a Osborn a encarar a realidade. Com o choque, ele novamente esquece de seu alter ego criminoso.

A rixa entre ambos atinge o ápice em The Amazing Spider-Man # 121, quando o Duende Verde joga Gwen Stacy da ponte George Washington. Após a morte da moça, Peter quase mata o vilão, que ironicamente acaba falecendo empalado no seu próprio planador, vítima de seus próprios atos traiçoeiros.

Osborn ficaria morto durante 23 anos e só voltaria em 1996, no final da Saga do Clone.

Peter Parker Spider-Man # 75

O seu retorno surgiu como uma solução meio apressada entre escritores e editores, para resolver outro problema: a Saga do Clone, que avançava de maneira descontrolada por diversos títulos do Homem-Aranha e ninguém mais sabia como terminá-la de maneira lógica.

Para tanto, foi preciso criar flashbacks, modificar histórias anteriores, “desmentir” fatos e fazer diversos retcons relativos à história original de Miles Warren, o Chacal, e seus clones.

Foi por isso que o Alto Evolucionário, personagem que normalmente não é visto nas aventuras do Homem-Aranha, ganhou um arco no qual declarava que o clone de Gwen Stacy era uma farsa, que era uma pessoa modificada por uma espécie de vírus genético.

Uma década mais tarde, essa segunda versão foi novamente desmentida, o que não é exatamente uma surpresa para os leitores. Com Osborn como o vilão que manipulou todos os eventos em segredo, os editores concluíram a Saga do Clone e restabeleceram o personagem como o arqui-inimigo do herói.

Norman Osborn não foi o único personagem a usar a máscara do Duende Verde. Antes de se transformar no vilão, ele usou a fórmula de Mendel Stromm em Nels Van Adder, que virou o vilão Proto-Goblin.

Proto-Goblin

Harry Osborn, filho de Norman, assistiu à luta do Homem-Aranha contra o Duende Verde, que resultou na morte de seu pai. Ele enfrenta o herói pela primeira vez, como o segundo Duende Verde, em The Amazing Spider-Man # 136.

O Dr. Bart Hamilton, psicólogo que estava tratando a psicose de Harry, é o terceiro homem a usar a roupa do Duende Verde. Ele morreu num confronto com Harry.

O legado de Osborn foi resgatado por Roderick Kingsley, ao virar o vilão Duende Macabro. Kingsley fez uma lavagem cerebral em Arnold Donovan e Ned Leeds, transformando-os temporariamente no Duende Macabro. Flash Thompson também foi acusado de estar por trás dos crimes do Duende.

Durante um curto período, quando Kingsley estava foragido, Jason Macendale (criminoso conhecido como Halloween) vestiu a roupa do Duende Macabro. Ele foi transformado no Duende Demoníaco durante o crossover Inferno.

The Amazing Spider-Man # 136, na qual Harry Osborn se transforma no Duende Verde The Amazing Spider-Man # 238, com a estreia do Duende Macabro

Após a morte de Harry Osborn, quem assume a identidade do Duende Verde, mas como herói, é Philip Benjamin “Phil” Urich, sobrinho do repórter Ben Urich. Posteriormente, se tornaria um criminoso usando o uniforme do Duende Macabro.

Gabriel Stacy, filho de Gwen Stacy e Norman Osborn, é o herdeiro mais recente da “herança” do vilão, usando a identidade de Duende Cinza.

Após os eventos de Um dia a mais, quem descobre o segredo do Duende Verde é Lilly Hollister, uma das namoradas de Harry Osborn, que se transforma na vilã Ameaça.

Kraven, o caçador, também conhecido como Sergei Kravinoff, é o meio-irmão do vilão Camaleão (Dmitri Smerdyakov). O personagem surgiu em The Amazing Spider-Man # 15, em 1964, numa HQ escrita por Stan Lee e ilustrada pro Steve Ditko, e logo se tornou um dos grandes inimigos do Homem-Aranha.

Seu principal objetivo como caçador era derrotar o Aranha. Isso foi atingido no arco de histórias A última caçada de Kraven – envolvendo as revistas Web of Spider-Man # 31 e # 32, The Amazing Spider-Man # 293 e # 294, e Spectacular Spider-Man # 131 e # 132 –, de J. M. DeMatteis e Mike Zeck, publicada em 1987.

Nessa saga, Kraven captura o aracnídeo e o enterra vivo. Depois, ajuda o herói a derrotar o vilão Ratus e termina cometendo suicídio. O personagem retorna como um fantasma na graphic novel Amazing Spider-Man – Soul of the Hunter.

The Amazing Spider-Man # 15 teve a primeira aparição de Kraven A última Caçada de Kraven

Após a morte de Kraven, foi revelado – via retcons e flashbacks – o passado do personagem, sua família e até a sua participação numa equipe dos Vingadores criada por Nick Fury, na década de 1950, que incluía Dominic Fortune, Dum Dum Dugan, Namora, Silver Sable, Dentes de Sabre e Ulysses Bloodstone.

Kraven teve quatro filhos: Anastasia “Ana” Tatiana Kravinoff e Vladimir Kravinoff, com Aleksandra “Sasha” Kravinoff (o nome correto, em russo, seria Kravinova); Alexei Sergeevich “Alyosha” Kravinoff e Nedrocci Tannengarden.

“Alyosha”, Anastasia e o Camaleão já usaram a identidade de Kraven, o caçador (ou a caçadora).

E como morte de vilão dura pouco, o Kraven original foi ressuscitado durante o arco Grim Hunt, no qual Kaine (um dos clones de Peter Parker), Madame Web e Mattie Franklin (uma das mulheres-aranha) são mortos pela família Kravinoff.

Grim Hunt The Amazing Spider-Man # 129, com as primeiras aparições do Justiceiro e Chacal

O professor Miles Warren, o Chacal, surgiu na mesma história que Gwen Stacy, em The Amazing Spider-Man # 31, das mãos de Stan Lee e Steve Ditko. Ele era o professor de biologia de Peter Parker, apaixonado pela namorada do herói e enlouqueceu quando soube que Gwen havia morrido numa luta entre o Duende Verde e o Homem-Aranha.

Ao ser informado por seu assistente, Anthony Serba, de que havia conseguido clonar um sapo, Warren usa amostras do DNA de Gwen e Peter para criar clones. Confrontado por Serba, ele estrangula o assistente. Warren se recusa a aceitar o que fez e desenvolve uma segunda personalidade, o Chacal, a quem responsabiliza por suas atitudes monstruosas.

O Chacal apareceu pela primeira vez em The Amazing Spider-Man # 129, numa HQ de Gerry Conway e Ross Andru – a mesma edição em que surge o Justiceiro –, publicada em 1974. O vilão é tão oportunista quanto o animal carniceiro que lhe dá nome. Ele prefere ficar nos bastidores, manipulando eventos para conseguir seus resultados.

Dentre os personagens manipulados pelo Chacal contra o Homem-Aranha – na primeira Saga do Clone – estão o Justiceiro, o Cabeça de Martelo, que se envolve numa guerra contra o Dr. Octopus e o aracnídeo, Urso Cinzento, Escorpião e Tarântula.

No confronto final entre o Chacal e o Homem-Aranha, também estavam envolvidos, como vítimas, o clone de Gwen Stacy, o repórter Ned Leeds e, como comparsas, o Tarântula e o clone de Peter Parker, que posteriormente ficou conhecido como Ben Reilly.

O clone de Gwen se rebela contra o Chacal e o confronta com suas atitudes criminosas. Então, o vilão acaba se sacrificando para salvar a todos de uma explosão, que aparentemente o mata juntamente com o clone de Peter.

Chacal The Amazing Spider-Man # 149, a primeira saga do clone

Até aquele momento, esses eram os dois únicos clones criados por Miles Warren. Posteriormente, essa situação mudou e mais de uma dezena surgiram e foram inseridos na cronologia, via retcons e flashbacks.

De acordo com a cronologia atual, o primeiro clone criado por Warren foi um baseado em Gwen Stacy, conhecido como Abby-L (em Spider-Island Deadly Foes # 1, história escrita por Fred Van Lente), que possuía um defeito genético e era portadora do vírus do Carniça.

Outra versão clonada de Gwen foi usada em algumas histórias e morreu de degeneração genética em The Amazing Spider-Man # 399, em 1995.

Warren criou diversos clones de si mesmo. Dentre eles, o do personagem que morre na explosão mencionada acima. Outro virou o vilão Carniça, que viveu com Gwen Stacy e morreu de degeneração genética. Vários outros foram vistos recentemente, no arco Spider-Island.

O primeiro clone de Peter Parker é o vilão conhecido como Kaine (ou Kaine Parker), que também já morreu, ressuscitou e até foi transformado numa tarântula humana. O segundo, que enfrentou o herói na saga original, é Ben Reilly, o Aranha Escarlate, que assumiu o manto de Homem-Aranha durante alguns anos.

Além desses, existiram outros, como o clone cujo cadáver foi ocultado por Peter Parker no final do confronto com o Chacal e os diversos clones do Aranha vistos na segunda Saga do Clone.

O Miles Warren original ainda está vivo, atuando como o Chacal, e sofreu mutações que lhe deram poderes.

The Amazing Spider-Man # 399 marca o retorno do Chacal The Amazing Spider-man # 2, a estreia do Abutre

O Abutre é mais um dos vilões clássicos do Homem-Aranha, criado por Stan Lee e Steve Ditko para a revista The Amazing Spider-Man # 2 (1963). Seu nome é Adrian Toomes, um engenheiro elétrico que conseguiu seus poderes por meio de asas artificiais.

Ele é um dos membros originais do Sexteto Sinistro. Ao longo dos anos, outros personagens assumiram a identidade de Abutre, como Raniero “Blackie” Drago, ex-companheiro de cela de Toomes, Dr. Clifton Shallot e Jimmy Natale.

Esse vilão tem perdido importância frente a outros, mas foi um dos principais antagonistas do herói aracnídeo durante a década de 1960 e continua sendo apresentado sempre que o herói ganha versões alternativas, como as de Homem-Aranha 2099Ultimate Homem-Aranha ou das séries animadas.

O Electro será um dos principais adversários do Homem-Aranha no filme que estreia neste ano e seu nome, inclusive, faz parte do título oficial: O Espetacular Homem-Aranha 2 – A ameaça de Electro.

Criado por Stan Lee e Steve Ditko em The Amazing Spider-Man # 9, seu alter ego é Maxwell Dillon, que ganhou habilidades de controlar a eletricidade depois de ser atingido por uma descarga, enquanto trabalhava com cabos de alta tensão. Entã

Páginas: 1 2 3 4 5 6 7 8

• Outros artigos escritos por

.

  • Judd Cruz

    Dá prazer ler um texto assim, parabéns pelo ótimo trabalho! O homem aranha é definitivamente o herói mais humano e popular de todos e pra mim tem a melhor trajetória de vida entre todos os heróis.