Ases do Humor apresenta: Mortadelo e Salaminho

Por Marcelo Naranjo
Data: 5 julho, 2016

Museu dos Quadrinhos

Existe uma dupla de atrapalhados espiões que deixou divertidas lembranças na memória de muita “gente grande”. E ela é formada pelos inimitáveis Mortadelo e Salaminho.

 

Os engraçados personagens, criados pelo espanhol Francisco Ibáñez Talavera, nascido em 1936, em Barcelona, eram, inicialmente, uma paródia de Sherlock Holmes e Dr. Watson. Tiveram sua primeira história publicada em 1958, na revista Pulgarcito, da Editorial Bruguera.

Mortadelo e Salaminho são dois agentes secretos da T.I.A (Técnica em Informações Avançadas). A história da dupla começa quando nasce uma criança estranha. Por lembrar muito uma mortadela, seus pais lhe dão o nome de… Mortadelo!

Quando cresce, ele passa a adorar se disfarçar e assustar a todos. Por isso, Mortadelo e sua família são expulsos de onde moram, indo para outra cidade.

E nesse local nasceu outro garoto complicado. Chamado Salaminho, ele demonstra não ter aptidão para nada que não seja aprontar grandes confusões.

Mortadelo, já um jovem, arruma seu primeiro emprego como assistente do Professor Bactério, que desenvolve um experimento com um novo tipo de tônico capilar. O problema é que deixa Mortadelo completamente careca e revoltado!

Quando os dois jovens estão desesperados por um emprego, encontram o anúncio de uma agência que precisa de um chefe e assistente. Ambos mal se encontram pela primeira vez e já saem “na mão”, disputando o cargo de chefia, que fica, em definitivo, com Salaminho.

Mortadelo e Salaminho - O sultafo atômicoMortadelo e Salaminho - Safari na avenida

Após falir a agência e destruí-la literalmente, encontram outro classificado: A T.I.A (Técnicos de Informação Avançada) está realizando um vestibular para agente secreto. Embora sejam reprovados em todos os testes, como só os dois se apresentaram, conseguem os empregos.

Assim, passam a executar as mais impossíveis missões, sempre fazendo tudo da maneira errada, em meio aos engraçados e originais disfarces usados por Mortadelo, dentre eles borboleta, caracol, cavaleiro, polvo, avestruz, ginasta, pescador, músico, árabe, enfim, uma lista que tende ao infinito.

A grande rival dos nossos “heróis” e, por tabela, da T.I.A., é a agência S.O.G.R.A., que significa Secreta Organização de Gatunos, Raptores e Assassinos.

Importantes ainda são os malucos inventos do Professor Bactério, que, salvo raríssimas exceções, nunca funcionam a contento, e a participação do Super, o chefão com pouca paciência da T.I.A, outro que adora, literalmente, socar os heróis.

Uma personagem de sucesso introduzida posteriormente foi a Dona Ofélia, uma gorda secretária da agência, completamente apaixonada por Mortadelo, que não retribui esse amor. Por essas e outras, ela normalmente está correndo atrás da dupla, na tentativa constante de espancá-los.

Dentre as boas tiradas das histórias, em diversas missões as mensagens são entregues das maneiras mais absurdas possíveis, sempre se autodestruindo de um modo diferente, logo após serem transmitidas.

Mortadelo e Salaminho - Contra a quadrilha do torresmoMortadelo e Salaminho - Touradas em Madri

Por exemplo, um rádio de pilha japonês, após passar a mensagem secreta ao agente, tem uma portinhola por onde sai um… japonês, que destrói o aparelho a machadadas e vai embora!

Um dos méritos da obra é a impressionante capacidade do autor de criar gags visuais, uma atrás da outra, em sequências hilariantes. Embora ele se declare fã de Abott e Costello e de Chaplin, é difícil não comparar suas tramas também com séries como O Gordo e o Magro e Os Três Patetas.

Outro ponto divertido é que não faltam participações famosas nas histórias. Dentre outros, o Príncipe Charles e o General Pinochet já deram as caras. Super-heróis também costumam fazer rápidas aparições, como o Superman e o Tarzan.

Por tudo isso, os personagens extrapolaram os limites de sua terra natal e são conhecidos em paises como Finlândia, Itália, Dinamarca, Alemanha e Holanda.

No Brasil, a dupla foi publicada pela RGE (atual Editora Globo), numa coleção mensal que saiu em bancas, primeiro em formato grande e depois em formatinho, e também pela Editora Cedibra, em belíssimos álbuns, que causam acirradas disputas comerciais de colecionadores em sebos e sites de leilões virtuais.

E é essa última coleção o destaque desta coluna.

Mortadelo e Salaminho - O caso do bacalhauMortadelo e Salaminho - Ladrões da pesada!

A série Ases do Humor (Magos Del Humor, no original) teve 29 álbuns publicados no Brasil, entre 1969 e 1975. A última edição foi lançada em 1978 (com o título Na Copa 78) e com uma tarja escrita “Especial” na capa. Confira:

1 – O Sulfato Atômico;
2 – Safári na Avenida;
3 – Contra a Quadrinha de Torresmo;
4 – Touradas em Madri;
5 – O Caso do Bacalhau;
6 – Ladrões da Pesada;
7 – Contra Xapô, o Pirado;
8 – A Máquina do Contratempo;
9 – Contra Magin, o Mago;
10 – Como Caçar um Quadro;
11 – A Caixa das Dez Chaves;
12 – A História de Mortadelo e Salaminho;
13 – Os Agentes da T.I.A.;
14 – O Outro “Eu” do Professor Bactério;
15 – Operação Bomba;
16 – Os Diamantes da Grã-Duquesa;
17 – Os Invasores;
18 – O Elixir da Vida;
19 – Deu a Louca no Circo;
20 – As Máquinas Envenenadas;
21 – O Antídoto;
22 – Os Monstros;
23 – Nas Olimpíadas;
24 – Os Inventos do Professor Bactério;
25 – Ombro, Armas;
26 – A T.I.A. contra a S.O.G.R.A.;
27 – Inferno no Zôo;
28 – Espiões e Trapalhões;
29 – Na Copa 78.

Mortadelo e Salaminho - Contra Xapô, o piradoMortadelo e Salaminho - A máquina do contratempo

Em 1996, a Editora Manole lançou o álbum Mortadelo e Salaminho – Terroristas, número 92 da série espanhola Olé!, com o selo do Gran Premio Salon Del Comics 1994, dedicado ao conjunto de sua obra.

Os personagens continuam fazendo grande sucesso na Espanha, sendo considerados da mesma importância de Tintim ou Asterix. Tanto que, em 2003, foi lançado o filme La Gran Aventura: Mortadelo y Filemón; em 2008, Mortadelo y Filemón. Misión: salvar la Tierra; e em 2014, a animação Mortadelo y Filemón contra Jimmy el Cachondo.

Um marco das HQs para tantos leitores e colecionadores que acompanharam a saga desses agentes nada secretos em sua passagem pelo Brasil.

Marcelo Naranjo comprou os álbuns da Cedibra há pouco tempo, numa disputa quase a tapa com outro colecionador, sem saber que o “oponente” era um amigo! E que esse amigo, provavelmente, tem vontade até hoje de estrangulá-lo – de preferência, no melhor estilo Mortadelo e Salaminho.

• Outros artigos escritos por

.

  • Rogerio Araujo Ferreira

    Saudosos albúns, alguém podia relançar isso. Lembrando que já chega a quase 200 volumes já lançados na Espanha. A animação Mortadelo y Filemón contra Jimmy el Cachondo que estreia em breve por aqui é excelente conseguindo captar o espírito dos albuns muito mais que as animações do Asterix conseguiram. Os outros dois filmes são com atores.

    • CadoCal

      Quase 200 álbuns lá na Espanha,e aqui apenas 29?Sacanagem!

      • Pedro Bouça

        Heh, na verdade levando em conta as compilações de histórias curtas pré-T.I.A. e os álbuns “apócrifos” (de outros autores), são BEM MAIS de 200 álbuns publicados na Espanha. Ibáñez está próximo é de completar a sua 200ª aventura longa dos personagens.
        No seu auge, Ibáñez produzia confortavelmente seis álbuns por ano. Hoje, com 80 anos de idade, produz “apenas” dois por ano. Ele escreve e desenha a lápis todos os álbuns (o arte-finalista Juan Maria Muñoz faz o resto), exceto as capas, que também arte-finaliza. O homem é uma máquina!
        Como pode se esperar de uma série tão longeva, porém, a qualidade anda um pouco variável nesses últimos tempos.

  • Dyel Dimmestri

    ALÔ,EDITORAS NACIONAIS!!!!
    Quando Teremos Esta Série Clássica De Volta Ás Livrarias Brasileiras????

    • Pedro Bouça

      Uma dúvida que sempre tive. É certo que esses personagens têm um grande potencial, os álbuns são sempre muito procurados em sebos até hoje.
      Também não falta material inédito lá fora, com uns bons 200 álbuns à disposição de um editor potencial.
      Até há uns anos atrás não havia muitas editoras que publicassem em livraria – e elas geralmente preferiam material mais alternativo. Mas mesmo isso mudou. Então não sei por que essa hesitação.
      Se algum editor potencial estiver interessado, eu conheço a série e posso oferecer um plano de publicação inteligente. Já fiz isso para o Dredd, então por que não para Mortadelo e Salaminho?

    • Quem sabe, com o longa-metragem, alguma se anime… #oremos

  • Alexandre Pinto Harich

    Seria ótimo encadernados tipo tijolão mais de 400 paginas capa dura, ou mesmo uma coleção em banca como as da Salvat e Englemoss

  • Formigão

    Não sei das editoras nacionais, mas no editorial da edição
    nr. 3 do fanzine Replicoide consta o seguinte:

    “Eles estão de volta!

    Após uma longa ausência nas bancas do nosso país, Mortadelo e Salaminho, os agentes da T.I.A., iniciam a sua jornada no Replicoide. Com 206 aventuras longas publicadas até agora na Espanha, a dupla teve apenas 27 delas publicadas no Brasil (não estamos contando três dos álbuns publicados pela Cedibra na década de 70, pois continham apenas a reunião de algumas histórias curtas seriadas e não as chamadas “aventuras longas” de 44 páginas). Nossa intenção é
    a de publicar todas estas aventuras. Todas?! Isso mesmo, devagar e sempre, desde a primeira aventura, tudo em ordem cronológica.”

    O fanzine tem formato 21×28 cm. O problema é a tiragem. Parece que são apenas 30 ou 40 exemplares.