Relembrando a alegria da Circo

Por Marcelo Naranjo
Data: 1 dezembro, 2001

revista ainda tinha charges e notícias sobre quadrinhos. Marcou, sem sombra de dúvida, um grande momento do quadrinho nacional.

Embora as histórias estrangeiras fossem de alta qualidade (basta ver os autores publicados), foram as nacionais que “arrebentaram a boca do balão”. A seguir, comentários sobre três delas em especial, mas muitas outras também mereceriam destaque:

A Insustentável Leveza do Ser: Numa história onde nada é o que parece ser, Laerte vai fundo nas aparências, numa narrativa que nos faz parar para pensar.

O Poeta e os Piratas: Uma história diferente e maravilhosa, com a presença do poeta Fernando Pessoa, que é atacado pelos Piratas do Tietê. Ele resiste, e, ao som de seus versos, os Piratas levam uma dura lição dos poetas.

Circo #6Perdidos no Espaço: Um módulo espacial avança em viagem de exploração, mas passa por diversos perigos. O módulo nada mais é que um tatu-bola, tripulado. Uma fantástica viagem pela imaginação de Luiz Gê, com destaque também para a arte.

O final da revista foi decretado principalmente pela falta de tempo dos editores, pois Luiz Gê foi para o exterior, e Toninho Mendes, juntamente com Laerte, não tiveram tempo hábil para tocar a publicação, devido também ao crescimento da editora. Uma pena.

Finalizando, a revista era uma publicação que merecia o título, pois era um show à parte. Pena que a temporada de exibição deste Circo se encerrou em definitivo, deixando “na mão” o seu respeitável público.

* Agradecimentos a Toninho Mendes, pela atenção e informações.

Marcelo Naranjo, quando conseguiu completar sua coleção da Circo nos sebos da capital paulista, ficou tão feliz quanto uma criança na primeira vez em que vai a um circo.

 
Circo #7 Circo #8 Circo Especial Laerte

• Outros artigos escritos por

.

.

.