AVANTE, VINGADORES! # 14

Por Zé Oliboni
Data: 14 agosto, 2008

E HTML PUBLIC “-//W3C//DTD HTML 4.0 Transitional//EN”>







UNIVERSO HQ | QUADRINHOS | REVIEWS | AVANTE, VINGADORES! # 14












Universo HQ PEANUTS COMPLETO - 1950 a 1952 - DE R$ 68,00 POR R$ 54,40

Universo HQ no Twitter


Reviews de Quadrinhos

 

AVANTE, VINGADORES! # 14
Título: AVANTE, VINGADORES! # 14 (Panini
Comics
) – Revista mensal

Autores: Fugitivos – Brian K. Vaughan (roteiro) e Adrian Alphona (desenhos);

Heróis de Aluguel – Jimmy Palmiotti, Justin Gray (roteiro) e Francis Portela(arte);

Mulher-Hulk – Dan Slott (roteiro) e Rick Burchett (desenhos);

Homem de Ferro – Charlie e Daniel Knauf (roteiro) e Roberto de La Torre (desenhos).

Preço: R$ 6,90

Número de páginas: 96

Data de lançamento: Fevereiro de 2008

Sinopse: Fugitivos – Para salvar Chase, o grupo terá que enfrentar os Gibborim, que estão em seus últimos e desesperados instantes de existência.

Mulher-Hulk – Agora Jen é uma agente da S.H.I.E.L.D. e precisará aprender a se comportar como tal. Enquanto isso, Reed Richards e Tony Stark se preocupam se ela suprirá a ausência do Hulk no mundo.

Heróis de Aluguel – Misty e Collen reúnem seu grupo para um novo ataque contra a Ricadonna, que agora tem poderes graças a implantes de órgãos skrulls.

Homem de Ferro – Tony Stark assumiu a direção da S.H.I.E.L.D. e isso não está agradando a todos. Quem menos gostou de seus métodos pouco ortodoxos foi Dugan, o antigo braço direito de Fury. Ele se sentiu tão ofendido que foi direto ao Secretário de Defesa relatar a situação e pedir demissão.

Positivo/Negativo: Desde o início, Avante, Vingadores! teve um mix atrativo, apesar de, nos últimos meses, o nome da revista ter perdido um pouco o sentido, uma vez que não havia mais Vingadores.

Agora, com a entrada o Homem de Ferro liderando a S.H.I.E.L.D. e a Iniciativa, pelo menos a revista fica um pouco mais coerente. Mesmo com metade do seu mix não tendo relação com o principal supergrupo da Marvel.

Mas isso não diminui em nada as séries, uma vez que Fugitivos e Heróis de Aluguel são títulos ótimos.

Aliás, em Fugitivos é mostrado o final do arco em que Chase tenta ressuscitar Gert. Ele descobre que não pode dar sua vida para trazer de volta a garota que ama, e acaba sendo salvo pelo seu grupo, enquanto os Gibborim desaparecem.

O melhor da edição são os dois epílogos, um com o grupo encontrando Tony Stark no seu esconderijo e o outro com os Gibborim frente a frente com o filho de Wilder, num lugar que ele acredita ser o inferno.

O desenho de Adrian Alphona, como sempre, é um espetáculo à parte. Ele tem um traço expressivo, leve e ágil, mas sem grandes estilizações, que certamente é uma das razões do sucesso do título.

Heróis de Aluguel, se você não tiver grandes expectativas, diverte bastante. Traz uma boa história de ação, com ritmo excelente e divertido. Não acrescenta nada, mas funciona como um gostoso passatempo.

Mulher-Hulk também teria tudo para entrar na categoria de passatempo leve. Com um desenho estilizado e fluido e um roteiro cheio de humor, seria apenas mais uma série se não estivesse interligada com um evento maior.

Para quem não entendeu o que está rolando nos bastidores, o Homem de Ferro e o Sr. Fantástico, junto com um grupo autodenominado Iluminatti, enviaram o Hulk para outro planeta e quase ninguém sabe disso – e eles querem que continue assim.

Para tanto, Stark está usando a presença da Mulher-Hulk como uma distração para as pessoas não perceberem que, de repente, um dos heróis mais fortes da Marvel não está mais lá. Vale ainda aguardar para ver como a revista se interligará com o evento maior relacionado ao Hulk.

A grande mudança no mix ficou por conta da entrada de Homem de Ferro. Quem acompanhou a fase anterior do personagem, em Os Novos Vingadores, sabe que o trabalho de Charlie e Daniel Knauf estava ruim demais. As histórias eram chatas, não fluíam e, pra piorar, estavam nas mãos de desenhistas fracos.

Essa nova fase do personagem ao menos começa bem. De cara nota-se a melhora nos desenhos, agora feitos por Roberto de La Torre. Além disso, a estrutura narrativa da primeira edição, contada por Dugan para o Secretário de Defesa como um relatório, ficou muito funcional.

É apenas a primeira edição de uma nova fase, explorando diversas oportunidades que se abriram. Se os roteiristas estarão à altura para continuar com a história neste nível é difícil prever, contudo, um bom começo eles já conseguiram.

Classificação:
Zé Oliboni, responsável pelo Pop Balões

 



• Outros artigos escritos por

.

.

.