Biografia em quadrinhos de Jack Kirby quer destacar a importância do autor para o grande público

Por Samir Naliato
Data: 27 julho, 2020

Jack Kirby também é conhecido pelos leitores norte-americanos como “O Rei”. Entretanto, poucas pessoas do público em geral o conhece ou sabe de sua importância para os quadrinhos e para a criação do Universo Marvel, enquanto a figura de Stan Lee ficou ainda mais forte com as aparições nos filmes das últimas duas décadas.

Esta foi uma das razões para o quadrinhista Tom Scioli  produzir a graphic novel Jack Kirby – The Epica Life of the King of Comics (Jack Kirby – A épica vida do Rei dos quadrinhos, em tradução livre), que acaba de ser lançada pela editora Ten Speed Press.

A edição pode ser encontrada também na Amazon Brasil.

Em 208 páginas, o autor cobre toda a vida de Kirby, desde sua infância em Nova York, passando pelo início da carreira, a época em que serviu ao exército na Segunda Guerra Mundial, a criação dos super-heróis da Marvel, o método de trabalho com Stan Lee, as brigas por não ter seus créditos reconhecidos, a ida para a DC Comics e outros trabalhos, até a sua morte, em 1994.

“O papel de Kirby não era o de seguir ordens de Stan Lee quando criava os personagens. Ele trazia pelo menos 50% das ideias, ou mais, para as histórias e aquele mundo”, disse Scioli  em entrevista ao site Polygon. “Ele era um um gênio.”

Veja abaixo um preview da edição.

.

Jack Kirby - The Epic Life of the King of Comics

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • brunoalves65

    Quem vai trazer essa para o Brasil, hein?

  • Henrique Brum

    que estranho ele com olhão de mascote e os outros em desenho realista

  • Marquito Maia

    A Editora Aleph publicou o belíssimo “A História de Joe Shuster”, de Julian Voloj e Thomas Campi, então bem que poderia pensar neste também, já que segue a mesma linha!!

  • Heberton Arduini

    Kirby é o verdadeiro Deus dos Quadrinhos. Rei é muito pouco pra ele. Tem que sair aqui também.

  • Henrique Brum

    ele basicamente criou o desenho ‘estilo heróis’. Os quadrinhos nos anos 40…e digo isso incluindo os trabalhos dele mesmo, tinham o mesmo estilo de desenho das tiras westerns/terror/crime ou qualquer outro gênero…mas o estilo dele foi evoluindo, as poses dinâmicas, o escorço exagerado nas cenas de ação,o estilo do traço definiu pros heróis um estilo diferente dos outros gêneros. Eu entendo que pode achar meio feio, mas é como o McFarlane no Aranha, não é que o desenho dele seja coisa mais linda do mundo, mas o cara se torna uma ponte que os artistas que vieram depois dele seguiram, passando do aranha que todos ainda desenhavam como nos anos 60 pros desenhos modernos que vieram depois.