Coronel Telhada em Quadrinhos traz ocorrências policiais à nona arte

Por Samir Naliato
Data: 25 junho, 2014
Coronel Telhada em QuadrinhosCoronel Telhada em Quadrinhos

Está chegando às bancas de São Paulo e Rio de Janeiro uma nova revista nacional com uma proposta um pouco diferente: a de contar histórias em quadrinhos com policiais como protagonistas.

Coronel Telhada em Quadrinhos (formatinho, 32 páginas, R$ 5,00) busca atingir um público com interesse em histórias policiais. A revista é desenhada por Carlos Sneak, da Atreyu Studios, com um traço inspirado tanto no mangá quanto nos comics norte-americanos.

O sucesso do personagem Capitão Nascimento nos cinemas, com os filmes Tropa de Elite 1 e 2, chamou a atenção do idealizador do projeto, Paulo Adriano Lopes Lucinda Telhada, famoso comandante da Rota, atualmente vereador de São Paulo. As tramas são baseadas em fatos vividos por ele, que foi ainda consultor da produtora Medialand em programas de televisão e é o autor de dois livros.

As histórias foram revisadas por policiais militares, o que garante frases criveis e diálogos que remetem à realidade das ruas.

O Universo HQ conversou com o Coronel Telhada sobre o lançamento da revista.

UHQ: Como surgiu a ideia de lançar esta biografia em formato de quadrinhos?

Telhada: Sempre gostei de quadrinhos, mas sou das antigas. Lia Fantasma, Flash Gordon, Tex, mas o que eu mais gostava era do Sargento Rock. Um dia, meus filhos me presentearam com um boneco do Superman, que mantenho na mesa do meu gabinete; mas este Superman tem os cabelos já brancos, mostrando que os heróis também envelhecem. E sempre senti falta de uma revista que mostrasse os heróis do dia a dia, os policiais que mantêm a ordem das nossas cidades. Dá para contar nos dedos os que possuem alguma importância nas HQs. Talvez no Batman, em que existem diversos policiais honestos e trabalhadores, apesar de clichês como o gordo que sempre come rosquinhas e a mulher durona.

Faltava algo brasileiro, e soube que uma editora tentou lançar o gibi do Capitão Nascimento, na época do sucesso do filme Tropa de Elite, mas que não deu certo devido aos direitos autorais do longa-metragem, do livro que o inspirou e das características físicas dos atores. O mercado editorial nacional precisava de uma revista deste seguimento e resolvi investir.

Como existiam planos de lançar minha autobiografia, estávamos estudando uma editora e que tipo de texto usar. Neste momento, o meu assessor, David Denis Lobão, que já tinha escrito quadrinhos do universo do evento Anime Friends para a Revista OhaYO!, veio com a ideia de fazermos a minha vida em quadrinhos.

UHQ: Como foi o processo de criação da história e a busca por um artista?

Telhada: A busca por um artista começou em fevereiro de 2013, quando solicitamos para uma escola de mangá um esboço de como seria meu rosto no formato dos quadrinhos japoneses. Recebemos algumas versões que acabamos não aprovando. Depois, foi feito outro desenho, desta vez por um policial militar, que acabou ficando com um visual meio infantil, ligeiramente Turma da Mônica. Este não aprovamos para a HQ, mas não descartamos, pois usaremos em outros projetos.

Em 2014, veio a proposta de um estúdio, que fez um bom trabalho, mas não entregaria no prazo que desejávamos e não ficou o traço exatamente como imaginávamos. David, então, postou em seu Facebook que procurávamos desenhistas e recebemos umas dez propostas. Aprovamos uma, o traço do Carlos Sneak, que misturava o mangá com os comics. Creio que ficou um ótimo resultado.

Coronel TelhadaCoronel Telhada

UHQ: Quais os desafios de lançar um título de forma independente, cuidando da impressão e distribuição?

Telhada: Fizemos uma parceria com a Gráfica K9, que fez uma boa impressão, com uma capa mais resistente do que as revistas americanas que estão em bancas e com verniz. Quanto à distribuição, será feita em parceria com uma editora que lança diversos mangás.

UHQ: A história cobre quais momentos da sua vida e carreira?

Telhada: Os meus amigos querem saber histórias da minha rotina na Rota, mas estas são ocorrências complicadas, que exigiriam mais tempo de trabalho e páginas. Resolvemos, então, começar com histórias de quando eu estava no Tático Móvel. São ocorrências que envolvem crimes como roubo e sequestro e mostram bem como funciona a rotina policial. Elas se passam em três tempos: há páginas comigo criança, nos anos 1960, assistindo a um desfile da Guarda Civil; cenas minhas nos dias atuais, em plenário, como vereador; e as duas ocorrências policiais em si, que se passam nos anos 1990.

UHQ: A distribuição será em bancas do Rio de Janeiro e São Paulo. Como leitores de outros lugares podem adquirir a revista?

Telhada: Fechamos distribuição em bancas de jornais do Rio de Janeiro e São Paulo. Moradores de outros estados poderão adquirir a revista em sites da internet. Estamos, neste momento, fechando uma lista de quais estarão disponíveis e publicarei links em meu site e no meu perfil do Facebook.

UHQ: Há planos para novos projetos neste mesmo formato?

Telhada: Tudo dependerá da venda da revista. Estamos colocando um preço de custo, cinco reais. Com este valor, pagaremos o essencial e digno para o desenhista e a impressão. O problema é que quase 60% do preço de capa já fica com a distribuidora e as bancas. Além disso, teremos de vender pelo menos 15 mil reais, ou seja, 3 mil exemplares, para não termos que pagar uma multa para a distribuidora.

É muito complicado, trabalhoso e caro lançar quadrinhos no Brasil. Não imaginei que seria tão difícil quando surgiu a ideia. Espero, sim, que tenha uma segunda edição, para contarmos ocorrências da Rota, e possamos valorizar mais artistas nacionais, divulgando novos desenhistas e fazendo um bom pagamento para cada um deles. 

Páginas de Coronel Telhada em Quadrinhos

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • Vinicius De Sousa

    Vejo uma série de críticas ao HQ devido aos ossos do ofício do Telhada, mas me pergunto pq esta mesma reação não acontece com heróis americanos que fazem guerra no país dos outros, destroem prédios, são justiceiros que aniquilam tanto inimigos nas ruas quantos policiais, servidores públicos do Estado, etc.

    Dois pesos, duas medidas? Pq louvam heróis que estão sempre agindo acima da lei e da ordem mas metem o pau no Telhada por ele ser militar, The Punisher também não é um justiceiro veterano do vietnã que MATA os inimigos? Inclusive falando para o DareDevil “Você derruba esses caras e eles se levantam, eu derrubo eles e nunca mais retornam”. Gostei do traço e vale a pena sim.

  • Hiper Game Boy

    Só deve ter mentira nessa HQ