DC Comics e o velho golpe das capas especiais

Por Sérgio Codespoti
Data: 8 agosto, 2013

Joker # 1O velho golpe da publicação de capas com efeitos especiais deu (quase) certo… na DC Comics.

Essas revistas usam um truque óptico em conjunção com um efeito 3-D para criar a sensação de uma imagem tridimensional em movimento num objeto bidimensional.

Como o processo de impressão dessas capas é lento e complicado, a DC produziu uma tiragem baseada na sua expectativa de vendas – muito antes da chegada dos pedidos das lojas – e que acabou sendo bem menor do que a necessária.

Existe uma demanda considerada “agressiva” para esses títulos e a editora anunciou que completará os pedidos das comic shops com revistas (primeiras edições) com capas tradicionais, em 2D, sem o efeito Lenticular 3-D Motion.

A decisão de quais lojas receberão as edições com capas especiais e quantas revistas desse tipo serão destinadas a cada ponto de venda será baseada na análise dos pedidos anteriores dos interessados. As revistas com capas em 2D serão vendidas por 2,99 dólares e as especiais por 3,99 dólares.

Se por um lado a DC acertou na estratégia para aumentar vendas e gerar interesse em seus títulos; por outro, errou nas tiragens e como será praticamente impossível satisfazer a todos os lojistas (e seus respectivos clientes), sem dúvida, decepcionará seus clientes, o que terá consequências em pedidos futuros.

Segundo um artigo publicado em junho no site Bleeding Cool, o processo de produção dessas capas com 3-D Motion é tão caro, que a editora está perdendo dinheiro em cada venda.

Dan DiDio admitiu, num evento exclusivo para revendedores, que a editora havia perdido o impulso inicial dos Novos 52, e que os crossovers Trinity War, Villains Month, Forever Evil e as capas das revistas com efeitos especiais eram uma estratégia para mudar essa tendência. Ele também disse que outras capas especiais, com efeitos diferentes (capas pôsteres, em acetato, com cortes e formatos diferentes etc.) serão produzidas.

A prática da publicação de capas especiais como recurso para vender mais revistas, muito comum na década de 1990, embora nunca tenha desaparecido por completo, foi substituída pelas capas alternativas (ou variantes). É mais barato e fácil de produzir uma edição com uma dúzia de capas alternativas (vide, por exemplo, X-Men # 1, de Brian Wood) do que criar uma revista com efeitos especiais.

Dentre as dezenas de truques e efeitos usados na enxurrada de capas especiais publicadas na década de 1990, estão incluídos: tons especiais (a chamada quinta cor, que não pode ser obtida com a impressão de apenas quatro cores e necessita de uma outra passagem na impressora); fosforescentes (brilhavam no escuro); efeito metalizado (nas cores cobre, bronze, prata e ouro); com hologramas com efeito tridimensional; com movimento lenticular; com vernizes especiais; em relevo; com recortes (um exemplo famoso é a capa que incluía um corte especial imitando “buraco de bala” no peito do personagem); capas pôsteres (de duas ou mais páginas); e até a combinação de diversos desses efeitos numa única capa.

A saturação do recurso foi tão grande – somado ao custo no bolso do leitor -, que ele é citado como uma das causas da implosão do mercado de quadrinhos estadunidense na metade daquela década.

O preço que o leitor paga por isso não é pequeno. As capas especiais do Villain Month com efeito 3-D motion custam um dólar a mais do que a edição normal, mas nada muda no conteúdo da revista. Parece pouco dinheiro, mas considerando que o fã terá que comprar várias revistas para ler o crossover, esse montante cresce rapidamente e pode se tornar um “tiro no pé” para a editora.

A DC Comics oferecerá em dezembro todas essas revistas num conjunto completo chamado Villains Month 3-D Motion Complete Set, que também incluirá uma edição de Forever Evil # 1, com uma capa 3-D Motion. As capas serão marcadas como sendo “Segunda Edição”. Esse pacote custará US$ 199,99.

Devido à lentidão do processo de produção, os lojistas interessados no pacote completo terão que fazer seus pedidos até 16 de agosto, algumas semanas antes das comic shops receberem um único exemplar das revistas originais do evento que começa em setembro.

Não é difícil entender que existe um problema grave com o processo de produção e venda de revistas no mercado direto de quadrinhos, nos Estados Unidos.

Para visualizar uma simulação do efeito de 3-D Motion clique nas imagens abaixo.

• Outros artigos escritos por

.

.

.