Eaglemoss lança coleção de graphic novels do Batman em seis volumes

Por Samir Naliato
Data: 5 julho, 2016

Após começar a publicar DC Comics Coleção de Graphic Novels, no final do ano passado, a Eaglemoss lança mais uma coleção em quadrinhos, desta vez focada no Batman.

Ao todo, serão seis volumes de capa dura, compilando as sagas Cataclismo e Terra de Ninguém.

O primeiro terá 464 páginas e será dedicado ao arco Cataclismo (originalmente batizado de Terremoto no Brasil, quando publicado pela Editora Abril, em 1999). As edições seguintes terão mais de 300 páginas com Terra de Ninguém na íntegra.

Esses dois arcos de histórias têm consequências devastadoras para Gotham City. No primeiro, um terremoto atinge a cidade, deixando-a quase completamente destruída. A tragédia é tão grande que os Estados Unidos a isolam do país, considerando-a uma Terra de Ninguém. Fica a cargo do Batman a tarefa de impedir que o crime se espalhe e gangues com suas próprias leis tomem o controle da área.

Esta coleção não será distribuída em bancas, como DC Comics Coleção de Graphic Novels, e está disponível para venda pela internet. Apenas algumas poucas receberão o primeiro volume.

A assinatura pode ser paga em cinco parcelas de R$ 97,00, e tem frete grátis. Veja todos os detalhes aqui.

Coleção Batman

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • Samir Naliato

    É verdade, deve haver algum equívoco.

  • Matheus Nahkur

    Não cabem nesses volumes anunciados, André. “Road to No Man’s Land” são mais 500 páginas. O mesmo número em Contagion.

  • José Maria Menezes

    Acho que Contágio foi antes de Terremoto, neste caso não entraria na coleção.

    • Ricardo Malta

      Isso mesmo, Contágio foi antes. E entre esta e Terremoto/Cataclismo teve ainda O Legado do Demônio, com Bane se unindo ao Ra’s Al Ghul.

  • d_grayson

    comecei a acompanhar HQs justamente com Terra de Ninguém. Mais especificamente comprando a Batman Premium #4 da Editora Abril (capa de Alex Ross, com Arlequina e Coringa) =)

  • 0-Drix

    Oba! Vou comprar só o primeiro volume por R$9,90! SQN.

  • Saia Jeans

    Muito caro, sem condições pra mim. #chegadecapadura

    Sem contar que esse formato é terrível para ler, seja no ônibus, em filas e até mesmo em casa. Com o tempo despenca tudo, eu não sei quem é que acha agradável ler omnibus.

    • Luiz Silva

      Concordo. Gostaria de ver esse material pela Panini, no mesmo formato que Massacre e Era do Apocalipse, custando uns 30 reais por volume.

      • Saia Jeans

        O problema desse lançamento, é que a Panini não republicará esse material por um longo tempo. O Levi já disse em diversas entrevistas que eles não dão preferência para materiais publicados pela Eaglemoss/Salvat.

        • Luiz Silva

          É uma pena. Comecei a ler no formatinho, mas parei quando migrou para as Premium.

        • Alvacir Lopes Albino

          Isso não é de todo verdade. Ela não tem interesse quando é material com Falcão, Harpia, ou seja, personagens secundários.A Panini tem relançando muito material da Marvel que há tempos estava esgotado depois que a Salvat lançou em sua coleção, o que eu até considero sacanagem, pois o material da Salvat não tem tantos extras e nem o requinte gráfica das capas quanto a Panini. Seria justo se relmente não houvesse o interesse deles pelo material das “outras”, pois assim não correriamos o risco de comprar algo com menos qualidade editorial e depois ver o mesmo encadernado na banca, mas agora com menos dinheiro no bolso.Hoje mutas sagas estão a cargo de Salvat e Eeglemoss, mas quanto tempo não imploramos pelo lançamento de Contrato de Judas, por exemplo? O preço cobrado pela Eagle talvez esteja caro, mas veja bem cada página sai a 0,20 centavos, num total de 464p., enquanto o novo encadernado dos Vingadores: Guerra Civil, que não é a GC encadernada sai a 0,26 centavos e tem 288 p.Além do mais, temos a oportunidade de rever Tim Drake como Robim, Caçadora, Oráculo, não essas versões dos Novos 52. Terremoto e Terra de Ninguém foram marcos na cronologia de Ghotam e não só uma história divertida.

          • Saia Jeans

            Entendo seu ponto, mas discordo em partes. Pode até ser assim com a Marvel, mas na DC isso não ocorre.

            Vide:

            Batman – Silêncio
            Liga da Justiça: Torre de Babel
            Superman – O Homem de Aço
            Liga da Justiça: Terra 2
            Batman: O Nascimento do Demônio (completa)
            Liga da Justiça – O Prego

            Todas sem previsão pela Panini.

            Também entendo que o custo não é exorbitante pelo número de páginas, mas o que eu questiono é: Existe uma real necessidade de ser capa dura? Você acha confortável e prático ler algo desse tamanho?

            E outra, eu não defenderia Eaglemoss e Salvat como nossas salvadoras. Elas só vendem pq dá lucro, ninguém se importa com as nossas coleções incompletas, são apenas negócios.

            Abs.

          • Álvaro Filipe

            Se a panini lançase no formato de “Massacre” iria sair por uns 60 reais. Afinal, são quase 500 páginas e a saga dos x-men tem 252 páginas, por volume +-.

      • José Maria Menezes

        Acho impossível um arco deste tamanho sair em encadernados menores, é muito material. Acho vantagem essa da Eaglemoss por ser mensal, se fosse pela Panini também seria em capa dura e lançando uma a cada 6 meses ou 1 ano, como estão fazendo com Y.

        • Saia Jeans

          Temos aqui um milionário, senhores.

    • joao helio

      Exatamente, quadrinho é pra ler, não é pra ficar de enfeite na estante não. Os caras querem lançar qualquer porcaria em formato de luxo, tudo bem que um Reino do Amanhã da vida merece um tratamento impecável, mas essa saga do Batman nem é essa coisa toda pra ter esse luxo.

    • Marco1964

      Acho que as edições omnibus gringas (tenho pouquíssimas: CRISE NAS INFINITAS TERRAS; VINGADORES VERSUS LIGA DA JUSTIÇA; WATCHMEN; A NOVA FRONTEIRA; HOMEM-ARANHA/Lee & Ditko; HULK/Lee, Kirby & Ditko; FABULOSOS X-MEN/Claremont & Byrne) e as edições definitivas brazucas (REINO DO AMANHÃ, GRANDES ASTROS SUPERMAN, JUSTIÇA etc.) são verdadeiros colírios para os olhos! Artes maravilhosas tamanho gigante! Essa coisa de que o formato é isso ou aquilo é conversa mole.
      E não, não sou um milionário, mas, às vezes, cometo os famosos “pecados de culpa”! :)

  • [Better Call Harvey]

    “Terra de Ninguem” é a história onde o Batman passa o Rodo em todos os machos de Gothan?

  • KJr.

    Parece que as primeiras edições de ‘Terra de Ninguém’ já estão cadastradas no ISBN com mais de 400 páginas. Ainda assim a conta não fecha.

  • Tiago Salviatti

    Eu vejo essas coleções e me faz perguntar duas coisas: Será que sou eu que sou muito pobre, ou foi esse pessoal que perdeu a mão nos preços?
    Noventa reais por edição de uma saga, que na melhor das hipóteses, é ‘divertida’?

    • Luiz Silva

      É o efeito Salvat/Eaglemoss, que criou uma bolha especulativa, inflacionou o mercado e fortaleceu a tendência de que qualquer série deve sair em formato luxo, Independente da qualidade…

      • O Gato Socialista

        a tendência é decair.

        pois é. na década de 80 quadrinho para ser bom precisava de roteiro no mínimo excelente, aí tivemos Moore, Morrison, Gaiman e etc. na DC; na década de 90 quadrinho tinha músculos e formas exageradas e impossíveis com homens e mulheres tão bombados que explodiriam caso prendessem um peido, então temos a Marvel dos x-men de jim lee e a Image.

        agora a questão é só a aparência externa do quadrinho. tem que ter capa-dura, tem que ter papel couché, e geração mimimi comprando para colocar na estante e fingindo que ler,

        • Alvacir Lopes Albino

          Os bombados não surgiram por causa da DC e sim por causa da Image que na época surgiu como uma surpresa no mercado criando tendência. Quem seguiu isto muito de perto foi a Marvel, principalmente com o famigerado “estilo mangá”, não a DC.

      • Alvacir Lopes Albino

        Concordo, mas ai cabe ao leitor selecionar o que quer, agora como no caso da coleção vermelha da Salvat, se aqueles histórias já tivessem sido publicadas antes pelas editoras que as ignoraram, hoje saberíamos se têm qualidade ou não.

  • Nightwing

    Realmente tem erro. Todas serão 464. Terra de Ninguém saiu em 12 edições aqui,reunindo 24 partes,excluindo o Terremoto (Cataclismo). Se fizer a conta juntando com o Terremoto, 464×6, não dá 3 mil.

  • Nightwing

    Cometi um erro na resposta anterior. Terra de Ninguém saiu em 55 partes em 12 edições. De qualquer forma,ainda realmente não bate.

  • Marco Martins

    e uma pena que a ealgemoss atrasou a entrega do material esta ainda na edicao 4 faltando 2, era para ter terminado esse ano

  • Saia Jeans

    E um desocupado, lendo comentários de um ano atrás. haha
    Vai viver, Paulo.