Editora Lumus estréia com Priest e Planet Blood

Por Sidney Gusman
Data: 24 fevereiro, 2006

Planet BloodO
mercado de quadrinhos ganhou mais uma editora. Trata-se da Lumus,
que estreou com dois manhwas (quadrinhos sul-coreanos): Priest
e Planet Blood, ambos no formato 12,5 x 19 cm, 192 páginas em preto-e-branco
e custando R$ 10,00. As séries já foram publicadas na Ásia, na Europa
e nos Estados Unidos.

Apesar da semelhança com os mangás, especialmente no estilo do desenho,
a principal diferença está na leitura, que segue o sentido ocidental.

Em Priest, escrito e desenhado por Hyung Min-Woo, a trama gira
em torno do ex-padre Ivan Isaacs, que foi morto ao lado de Gena, seu amor proibido,
após libertar acidentalmente o anjo caído Temozarela. No entanto, ele
acaba ganhando uma inesperada segunda chance de vida: o demônio Belial
lhe oferece poderes sobrenaturais, em troca da sua alma. Ivan aceita a
permuta e inicia sua saga de vingança e redenção.

A trama mescla ação e terror num cenário inusitado, que lembra o Velho Oeste. Devido
ao sucesso internacional – é publicado em países como Estados Unidos,
França, Alemanha, Japão, além, óbvio, da Coréia – Priest deve virar
filme em Hollywood. As gravações estão previstas para começar em julho,
sob direção de Andrew Douglas (Terror em Amitville). O roteiro
será adaptado por Cory Goodman.

Planet Blood, de Kim Tae-Hyung, tem como cenário um planeta
em conflito, mesmo após o fim da 5ª Guerra Mundial. Depois de ser apanhado
numa enorme explosão, o piloto Sinan acorda num lugar fora de seu tempo,
a medieval Horai, um continente de ar puro, águas limpas e vegetação preservada
– mas também em guerra. Começa, então, uma trama que alia ação e magia
para contar as aventuras do protagonista.

O diretor e editor da Lumus, Renato Torelli, negociou os títulos
numa viagem à Coréia do Sul, diretamente com os representantes da Daiwon.
Segundo ele, a nova empresa pretende trabalhar com os públicos adolescente
e jovem e deve lançar outros quadrinhos em breve.

PriestPlanet Blood

• Outros artigos escritos por

.

.

.