História em quadrinhos no Instagram relembra 14 anos da chacina de Unaí

Por Sidney Gusman
Data: 15 fevereiro, 2018

A chacina de Unaí, em Minas Gerais, é um triste marco no combate ao trabalho escravo no Brasil. No dia 28 de janeiro de 2004, três auditores fiscais do trabalho e um motorista foram assassinados enquanto iam fiscalizar uma fazenda da região. Mesmo condenados a penas que chegam a 100 anos de prisão, os mandantes do crime seguem soltos, 14 anos depois.

Na luta pela punição dos responsáveis, o Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho (Sinait) decidiu aliar a estética das histórias em quadrinhos e o impacto das redes sociais. Criados por Alexandre De Maio, um dos principais nomes do jornalismo em quadrinhos no Brasil, os desenhos e diálogos dão forma e cores a um crime que não pode cair no esquecimento.

Pensada pela 8 Total Brand para aproximar quadrinhos e Instagram, a série foi publicada em três capítulos, por meio dos stories do sindicato, com conteúdos complementares no perfil do Sinait (@sinaitbr), além de um trailer e conversas em vídeo com o autor.

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • CadoCal

    Alguém já disse que o Código Penal brasileiro parece ter sido escrito por advogados de defesa,porque tem tantas brechas a fim de garantir os direitos humanos dos acusados que na prática,quem grana pra pagar bons advogados quase nunca vai para trás das grades.
    O fato do nosso sistema judiciário ter 4 instâncias(caso único no mundo),só torna o problema ainda pior.Apenas quando isso for mudado é que as coisas começarão a mudar pra melhor.

    • Rodolfo Gasparetto Manzoli

      Nesse caso, o que manda é o dinheiro e o poder na região de quem assassinou.

      • CadoCal

        Concordo!E além do nosso Código Penal,também temos gente como o ministro do TSF Gilmar Mendes,que adora mandar soltar os pilantras graúdos a pretexto de “proteger as pessoas” e impedir que “se instale um Estado autoritário no Brasil.”
        Comentário que li a respeito disso:”Eu acredito que o ministro Gilmar Mendes está sendo sincero quando diz que quer proteger as pessoas. Mas alguém deveria lembrá-lo de que proteger as pessoas é trabalho do advogado de defesa,e não do juiz.”