HQ Tungstênio, de Marcello Quintanilha, será adaptada para o cinema

Por Marcelo Naranjo
Data: 12 agosto, 2016

O cineasta Heitor Dhalia se prepara para começar as filmagens de Tungstênio, seu novo longa-metragem. Com produção da Paranoid e coprodução da Globo Filmes, o filme é baseado no livro homônimo de história em quadrinhos de Marcello Quintanilha, publicado pela editora Veneta, o qual já foi premiado no Festival Internacional de Quadrinhos de Angoulême, na França.

Tungstênio trará quatro personagens para o centro da narrativa: um policial, que atua movido por seus instintos; sua esposa, que está decidida a separar-se; um pequeno traficante, cujo principal interesse é sobreviver mais um dia; e um ex-sargento do exército, saudoso de sua vida na caserna.

Diante desse cenário, os protagonistas se verão imersos em uma trama aparentemente banal, mas cuja escalada em tensão os conduzirá à negação dos próprios sentimentos. Em uma busca desenfreada por escolher os caminhos que lhes pareçam mais corretos, os personagens inevitavelmente enfrentarão conflitos pessoais diante da impossibilidade de seguir à risca suas escolhas racionais.

A previsão do início das filmagens é no mês de novembro deste ano e locações serão na Bahia, onde se passa a história original.

Tungstênio

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • Rogerio

    É uma história perfeita pra ser adaptada pro cinema.

  • wesley

    O cinema do Brasil pode se dar bem se souber explorar esse filão de nossas hqs. Tem o live action da mônica, estão vendo a possibilidade de levar as telas a hq do doutrinador,É uma boa oportunidade pra sairmos um pouco do lugar comum. Torço para que dê certo!

    • RenanSP

      tem muita hq boa daria ótimos filmes se feito com qualidade, Bando de Dois é uma delas.

      • wesley

        Bem lembrado! Bando de dois já é cinematográfica em seus enquadramentos e roteiro enxuto, falta alguém do meio bater o olho nela.

  • Heberton Arduini

    HQ excelente e um diretor de primeira. Não gosto de criar expectativas, então tomara que seja bom.

  • Tudo é exercício de linguagem. A questão é se ele funciona ou não. Depende da pessoa que lê, de tudo o que ela já assimilou culturalmente falando. Eu li o Tungstênio numa livraria e não me impressionou nem um pouco.