Joe, o Bárbaro e Hinterkind, novidades do selo Vertigo

Por Marcelo Naranjo
Data: 22 junho, 2017

A Panini Comics lançará em breve duas séries pelo selo Vertigo.

Hinterkind – Os Desterrados (formato 17 x 26 cm, 144 páginas, R$ 23,90) é uma fantasia pós-apocalíptica criada pelo escritor Ian Edginton e desenhada por Francesco Trifogli.

Após 300 mil anos no topo da cadeia alimentar, levou apenas sete meses para a humanidade se tornar uma espécie ameaçada. A Peste matou quase todo mundo e mudou tudo. Enquanto arranha-céus cedem espaço para florestas e animais selvagens ocupam as ruas abandonadas das cidades, os novos governantes do planeta saem de seus antigos esconderijos: elfos, trolls, fadas, faunos, centauros e sátiros – todas as raças perdidas por trás de incontáveis mitos e lendas retornam para reconquistar o mundo que perderam para a humanidade.

Agora, em uma pequena aldeia estabelecida onde antes foi o Central Park de Nova York, dois jovens rebeldes estão prestes a descobrir a verdadeira natureza do mundo além da pequena ilha que habitam, além do perigo oculto que ameaça tanto a humanidade quantos os Hinterkind, os desterrados.

Com roteiro de Grant Morrison e arte de Sean Murphy, a outra novidade é Joe, o Bárbaro (formato 18.5 x 27.5 cm, 224 páginas, preço não divulgado), HQ publicada na revista Vertigo e que agora é relançada em volume único.

Joe Manson não é um herói. Ele é apenas uma criança de 13 anos com um rato de estimação chamado Jack, uma mãe que trabalha duro pra manter a família bem, e diabetes – que é garantia de coma, se qualquer refeição for pulada. Ele tem um caderno cheio de desenhos, um quarto cheio de brinquedos, uma escola cheia de valentões e uma casa cheia de memórias. Ele não é nem um pouco especial.

Até aquela noite.

Nm certo entardecer, Joe é transportado para um incrível mundo repleto de perigos e aventuras – um mundo estranhamente familiar e, ao mesmo tempo, diferente de tudo que já viu. Nesse lugar, as escadas, corredores e portas da casa em que vive se transformam em montanhas cercadas por neblina, vastos reinos e portais proibidos que levam a lugares desconhecidos, enquanto os brinquedos e seu bicho de estimação são poderosos guerreiros, e Joe é o Menino que Morre – o aguardado salvador que vem para destronar o Rei Morte e restaurar a Luz.

O garoto não faz ideia se é mesmo um herói ou se está apenas alucinando. Mas sabe que precisa completar a jornada, ou a primeira aventura de Joe, o Bárbaro também será a última!

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • VAM!

    Olá Marcelo, td tranquilo?

    Lembro que o papel da Vertigo na época, não permitia uma reprodução que valorizasse mais a detalhada da arte do Murphy, que é cheia de hachuras e efeitos. Acredito que esse lançamento agora, irá permitir um maior deleite visual.

    Abs,
    VAM!

  • Miller

    Só de ver o nome Morrison já passo a hq.

    • KIT CARSON

      Passa com ferro?

    • Victor Vitório

      Engraçado, eu também. Desde Allstar Superman eu fiquei com a impressão de que ele apenas consegue fingir que é tão bom quanto os outros acham que ele é. Mas não é um dos grandes só porque gosta de ser mirabolante e está acima do escritor médio(cre) de super-heróis. Digo que é engraçado pensar isso porque só vejo o público elogia-lo.

  • Boa noite pessoal! O que houve com os reviews? Não teremos mais??? Já se vão seis meses… A sessão era muito útil na hora de decidir o que ler ou não em meio a tanta porcaria por aí! Abraços!

    • Daniel S. C. Silva

      também sinto falta.

    • Tiago Essashika

      Somos 3 então ='((

    • Pablo Leite

      Tragam de volta os Reviews! Apoiado! também não gostei de Joe, o Bárbaro. Como já tenho da extinta Vertigo, esse vou passar.

  • Gideão Pretto

    Joe O Bárbaro <3 *__*

  • Yuri

    Sou fã do Morrison, mas ‘Joe, o bárbaro’ é extremamente ruim. Só vale pela arte do Murphy.

    • Vigilante da Gota

      Concordo plenamente. A arte é bem bonita, mas a história é muito fraca.

    • James Howllet

      Xiii…

  • James Howllet

    Poderia ser num LWC

  • 0-Drix

    Me aprece que a Panini Brasil está presa em algum contrato que a faz publicar absolutamente tudo do Grant Morrison – e em capa dura! Para isso, contam com o apoio de uns garotos-propagandas que, tal qual carolas de igreja, fazem apologia fundamentalista do escocês careca em seu site de divulgação de quadrinhos!
    Aposto que este “Joe, O Bárbaro” ainda não tem o preço divulgado porque a Panini está se coçando para lançar esta série fraca e dispensável em capa-dura!

    • 0-Drix

      Opa! Já está em pré-venda! Capa dura, com preço cheio de 72 golpes.

      • É, 72 golpes é temeroso demais, sangue de Jesus tem poder…
        Mas é Morrison e eu não resisto!

    • Pablo Leite

      Tem coisa do Morrison que vende só pelo nome!

    • Eu compro Morrison pelo preço que for! Se isso for ser fundamentalista da igreja de Morrison EU SOU COM VONTADE! Ele vende porque é bom, até quando erra, nas poucas vezes que isso ocorre, é um erro de Morrison e a gente perdoa porque o ama de coração! Ele é grande.E uso esta palavras “perdoa” e outras de aparência religiosa porque você mesmo também o faz. Entenda, se Morrison não fosse um gênio não teria o reconhecimento que tem. Homem-Animal, Asilo Arkham, Grandes Astros: Superman! Meu Deus, este homem merece todo a nossa consideração e respeito. Sem falar em outras obras de igual quilate.

  • Wilson Pereira Jr.

    Alguma alma caridosa poderia me infomar se a Panini vai lançar os volumes que faltam de Providence, do Alan Moore?

    • marcelo miranda

      Não comentaram nada, mas eu acredito que vá sair. Já quando… Achei o lançamento do primeiro muito mal divulgado. E aquele preço abusivo…

  • Nuala

    Adorei Joe O Bárbaro quando li na Vertigo, é uma história apaixonante, na medida certa, com certeza vou pedir essa edição de luxo.

  • Sandmantj

    Gostei muito de Hinterkind. espero que nao parem de publicar no meio