Levoir lança, em Portugal, coleção com todas as HQs de Torpedo

Por Sidney Gusman
Data: 31 janeiro, 2018

Começa amanhã, em Portugal, mais uma bela coleção da Levoir, em parceria com o jornal Público. Trata-se da publicação integral de Torpedo 1936, um clássico dos quadrinhos espanhóis. Serão cinco volumes (formato 19,5 x 26 cm, capa dura) em preto e branco e um sexto apresentando Torpedo 1972, lançado em 2017, com desenhos e cores do argentino Eduardo Risso. Os quatro primeiros álbuns terão 160 páginas; o quinto, 128; e o último, 64. Os leitores poderão adquirir as edições semanalmente, sempre às quintas-feiras, por € 11,99, cada uma.

As lombadas dos livros, como é comum nessas coleções, formará uma imagem do personagem.

Torpedo 1936 foi criado em 1981, pelo roteirista Enrique Sánchez Abulí (veja a entrevista do Universo HQ fez com ele em 2001), na revista Creepy. O primeiro desenhista da série foi o norte-americano Alex Toth. O artista, aliás, foi quem batizou a série, pois Torpedo era o nome dado, nos Estados Unidos dos anos 1930, aos pistoleiros de aluguel.

A parceria, no entanto, durou pouco. Toth abandonou o título após duas histórias apenas, incomodado com o sexo, a violência e a amoralidade dos argumentos de Sánchez Abulí. E as tramas sempre foram recheadas disso tudo, pois o protagonista é o gângster Luca Torelli, mais conhecido como Torpedo, um siciliano que chegou aos Estados Unidos nos anos 1930, em busca do sonho americano. Só que ele é um homem amargo, duro, cruel, truculento, sórdido, amoral e rancoroso, e que não dá nenhum valor à vida dos outros.

Coleção Torpedo

No lugar de Toth, assumiu o catalão Jordi Bernet, que deu o visual definitivo ao mafioso cínico e inescrupuloso, que só revela um pouco de sua humanidade lentamente, quando o seu passado começa a ser mostrado.

Com Abulí e Bernet, Torpedo 1936 se tornou uma das mais populares séries europeias do final do Século 20, e em 1985 ganhou o Prémio Alph-Art de Melhor Álbum Estrangeiro do tradicional Festival de Angoulême, na França.

A dupla produziu 15 álbuns da série. O último, devido a divergências entre os autores, saiu em 2000. No entanto, com o sucesso de Torpedo 1936 – Integral, em 2014 (na Espanha, o volume – de 720 páginas – já teve três reimpressões), Abulí decidiu trazer Luca Torelli de volta, bem mais velho e com desenhos e cores de Eduardo Risso (100 Balas,  Parque ChasNoite de Trevas).

No Brasil, Torpedo 1936 teve quatro álbuns lançados pela Martins Fontes, na década de 1980, e teve algumas histórias curtas publicadas na revista Animal, da VHD Diffusion.

Clique na galeria abaixo para ver as capas dos volumes da coleção, e páginas do primeiro álbum.

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • Marcelo Mainardi

    Torpedo é bom demais. O traço do Bernet é coisa de louco.
    Conheci na ANIMAL. Assim como muita, muita coisa que me fez ver além do universo dos super-heróis.
    Aliás, a história editorial da ANIMAL merecia um Confins só dela. Vocês não acham?

    • LEONARDO BRITO SILVEIRA

      E chamando o Rogério de Campos pra participar!

  • silas.

    Bichão bonito.

  • Henrique Rezende

    Sidney dá para comprar em algum site europeu?
    Abs,

    • Marcelo Pignatari Rosa

      Excelente pergunta.

  • Hugo Samsa

    Alguém sabe me dizer como faço para comprar álbuns portugueses?

    • Alexandre Pinto Harich

      Também gostaria de sabre sobre uma boa livraria portuguesa.

  • Guilherme Guimarães de Almeida

    Sidão, eu só tenho 4 álbuns do Torpedo da Martins Fontes. Mas de acordo com o Guia dos Quadrinhos são 5.
    Nº1 Matar é Viver
    Nº2 Morte sob Encomenda
    Nº3 Nem Coroa, Nem Flores
    Nº4 Frente Quente
    Nº5 Amigo é para essas coisas
    Como eu só não tenho o 4, imagino que todos tenham sido realmente lançados. E que como esse 4 tem uma mulher nua na capa, ele deve desaparecer dos sebos mais rapidamente que os outros…

  • Silvio César

    Essa publicação me deixou deprimido.