Marcelo Echeverria dá detalhes sobre o Sywork, o novo serviço de transmissão ao vivo gratuito para ilustradores

Por Zé Oliboni
Data: 22 julho, 2015

Uma novo site chamado Sywork lançou um serviço de transmissão ao vivo para ilustradores e quadrinistas. O sistema é gratuito e permite que qualquer artista faça uma transmissão em Full HD do seu processo de trabalho. Fundado pelos brasileiros Marcelo Echeverria, 30, e Felipe Latif, 32, com base na Califórnia o novo site pretende se diferenciar de outros serviços oferecendo também um sistema de rentabilização que permite aos artistas ganharem dinheiro ao fazer um transmissão ao vivo.

Segundo Marcelo Echeverria, 30, um fundadores do site, o serviço vem na contra-mão do que existe no mercado. “Estamos fazendo justamente o contrário do que os outros sites de livestream fazem. Não queremos cobrar nada pelas transmissões, nosso objetivo é fornecer uma ferramenta que possa auxiliar os artistas a monetizarem sua arte”, afirma. O sistema de rentabilização está programado para entrar no ar em cerca de duas semanas.

Hoje qualquer pessoa já pode fazer o seu cadastro e realizar uma “Live”, como são chamadas as transmissões ao vivo entre os ilustradores e quadrinistas. Um dos diferencias do site é o sistema de chat em tempo real onde quem está assistindo pode interagir com o artista.

Os vídeos das “Lives” também ficam gravados no site podendo o usuário deixar o vídeo publicado em seu canal para ser assistido após a transmissão ao vivo.

A empresa desenvolvedora do site está atualmente na Califórnia onde recebeu investimento de um grupo americano para levar o serviço de transmissão ao vivo para o mundo. Segundo Marcelo Echeverria o site pretender ser um ponto de encontro de pessoas talentosas. “Além das transmissões ao vivo a Sywork também oferece uma rede social para artistas”, completa. De fato no site é possível seguir os canais dos artistas, ver quais são suas habilidades e fazer agendamentos de futuras transmissões.

O Universo HQ conversou com Marcelo Echeverria sobre o novo serviço. Confira abaixo a entrevista.

Marcelo Echeverria e Felipe Latif

Universo HQ: A tecnologia do Sywork parece bem útil para todo tipo de curso, palestra, demonstração etc., mas vocês estão lançando com um foco nos artistas e quadrinhistas? Por que esse foco? A plataforma será exclusiva para esse seguimento?

Marcelo Echeverria: A Sywork foi criada para qualquer pessoa criativa mostrar o seu trabalho. Estamos focando nos artistas e quadrinistas pois, desde o primeiro momento, eles foram o público que mais demonstrou interesse. Vimos também que existia uma grande necessidade dos artistas terem uma comunidade de vídeos só para eles.

UHQ: Publicar vídeos e receber por isso não é exatamente uma novidade. Várias pessoas hoje em dia dizem viver do Youtube, tanto por conta do retorno via adsense quanto por patrocínio de empresas. O próprio Google tem ferramentas que permitem você transmitir ao vivo e conversar com seu público e depois deixar o conteúdo gravado disponível. Qual o diferencial do serviço de vocês?

Marcelo: O principal diferencial da Sywork é que ela é um lugar criado especialmente para artistas. Costumamos dizer que no Youtube os artistas são apenas uma pequena gota de água em um oceano enorme. Ou seja, é difícil você atingir um ponto em que realmente vai conseguir ter uma renda com isso. Na Sywork o retorno financeiro é muito maior, pois geralmente o artista está fazendo uma transmissão para um público que já é fã do seu trabalho e quer continuar colaborando diretamente com ele.

UHQ: O serviço oferece uma qualidade Full HD. Terá aplicativos para assisti-lo em SmartTV, tablets e outros suportes além do computador? Qual a previsão para esses aplicativos?

Marcelo: Sim, a qualidade Full HD é uma das nossas preocupações desde o início. Os artistas se preocupam muito em mostrar o seu trabalho na melhor qualidade possível e nós nos preocupamos com isso também.

A maior parte dos outros serviços de transmissão ao vivo não oferece essa opção. Quando oferecem, cobram caro por isso. Nós não cobramos nada do artista.

Já estamos em fase de desenvolvimento de um aplicativo que deve ficar pronto nas próximas semanas. Além de assistir em Full HD por meio de tablet ou celular, você também poderá utilizar o próprio celular para iniciar uma transmissão. Isso vai ser especialmente útil para artistas que não fazem trabalhos digitais.

UHQ: Uma das preocupações de quem produz conteúdo é a proteção dos direitos autorais. No caso da Sywork, o conteúdo produzido continua sendo de propriedade do autor?

Marcelo: Absolutamente! Todo o conteúdo produzido ao vivo – ou mesmo os vídeos gravados dos canais – é de propriedade dos artistas. A Sywork é só uma janela que eles podem utilizar para mostrar esse trabalho para o mundo.

UHQ: Um dos atrativos do serviço é um sistema que permitirá que o artista tenha um retorno financeiro pelos seus vídeos. Pode dar mais detalhes de como isso vai funcionar? Tem uma expectativa média de renda/visulizações?

Marcelo: Na Sywork nós aproximamos a relação entre o artista e o seu fã. Assim que o sistema de monetização estiver no ar, dentro de duas semanas, o artista poderá oferecer recompensas para quem assinar o seu canal. É como um sistema de financiamento coletivo com recompensas.

O artista define os valores e as recompensas. As recompensas podem ser desde enviar uma arte digital com dedicatória por e-mail, até enviar um print ou uma revista quando pronta. Vamos fornecer a ferramenta, aí vai da criatividade do artista: quanto mais interessantes as recompensas, mais assinaturas ele terá no seu canal.

No final das contas, queremos que todos ganhem. O artista ganha com as assinaturas e o fã ganha conteúdo de qualidade. Seja para aprender técnicas, para se divertir falando com o seu artista preferido ou mesmo recebendo a recompensa deste.

UHQ: A Sywork está sendo desenvolvida na Califórnia, mas o foco inicial parece o público brasileiro. Por que o foco aqui? Será aberto para canais do mundo todo?

Marcelo: A Sywork está atualmente sendo desenvolvida na Califórnia, no Vale do Silício. Recebemos um investimento de um grupo americano que acreditou no nosso projeto. Desde o início pensamos em uma ferramenta para ser utilizada em todo o mundo.

Atualmente, temos vários artistas brasileiros, pois somos brasileiros e conhecíamos muito mais artistas do Brasil. Mas temos tido uma ótima aceitação mundo afora, hoje já temos pessoas de mais de 70 países que participam da Sywork.

UHQ: Além do vídeo de alta qualidade, o chat para interagir com o expectador e a opção de rentabilização, o serviço terá outros recursos? Quais?

Marcelo: Além de todas as funcionalidades dos vídeos, chat e monetização, a Sywork oferece um networking online. Isso porque por trás da Sywork existe uma verdadeira rede social de artistas. Você pode acessar o perfil do artista, solicitar uma amizade, ver os contatos profissionais dele. Estúdios podem ir até a Sywork para conhecer não só o trabalho final de um artista, mas também todo o seu processo de criação que estará registrado em vídeo.

UHQ: Um dos atrativos para o internauta é o conteúdo do site. A Sywork fechou parceria com alguns artistas para ter um conteúdo de maior qualidade logo na estreia?

Marcelo: Sim, fechamos uma parceria com um blog do qual uma ilustradora fazia parte. Ela foi uma das primeiras artistas na Sywork. De lá para cá, todos os artistas chegaram de forma orgânica, ou seja, quem viu gostou e contou para seus amigos.

UHQ: Muitos serviços começam pequenos, ganham corpo e acabam sendo comprados por uma das empresas maiores já existentes. Qual sua opinião sobre essa hegemonia de empresas como Google e Facebook? Existem perspectivas para iniciativas como a Sywork ou o grande ápice é pertencer a um desses conglomerados?

Marcelo: Por enquanto não pensamos nisso. Nosso objetivo agora é criar a melhor ferramenta para os artistas de forma que eles possam utilizar a Sywork como uma fonte de renda. Se conseguirmos impactar a vida de alguns artistas e ajudá-los a continuar a fazer o que amam, já estaremos satisfeitos. Além disso, recebemos um investimento que nos permite focar só no desenvolvimento da plataforma.

UHQ: Para fechar, o pessoal da equipe da Sywork desenha? Já tem vídeo de algum de vocês no serviço? E quadrinhos? O que vocês curtem?

Marcelo: Sim, eu e meu sócio Felipe desenhamos, mas nem perto do que os artistas da Sywork conseguem fazer. Talvez por isso acabamos seguindo o rumo da tecnologia. Meu sócio já tem mais habilidades, mas nunca se profissionalizou, ele ainda faz ilustrações para pessoas próximas.

Meu maior orgulho até hoje é um sketchbook que fiz há alguns anos, lá desenhei várias invenções. Eu havia até criado uma espécie de celular com acesso à internet, parecido com o Iphone, antes mesmo desse ter sido criado. Pena que na época não coloquei as invenções na prática (risos).

Como grande parte das crianças brasileiras, eu comecei lendo Turma da Mônica. No início da adolescência, virei fã inveterado da revista Herói e dos Cavaleiros do Zodíaco. Sempre curti muito Marvel e hoje gosto muito de quadrinhos independentes.

O Felipe, novamente teve mais sorte do que eu. O pai dele era colecionador de quadrinhos, até no almoço liam gibis. Eles tinham de tudo em casa, até quadrinhos de western. Ele é fã de Homem Aranha e X-Men. A paixão pelos quadrinhos o levou a trabalhar com design gráfico.

Sywork

• Outros artigos escritos por

.

.

.