Marvel usa artes de Jim Lee para promover 29 revistas em julho

Por Sérgio Codespoti
Data: 4 julho, 2017

A Marvel Comics vai usar 29 desenhos de Jim Lee, criados na década de 1990, para a série X-Men Trading Cards, como capas alternativas nos seus títulos de julho.

As ilustrações foram ampliadas – dá para perceber que o traço está “grosso” – e recoloridas por Jesus Aburtov, Israel Silva e Chris Sotomayor.

Veja abaixo a lista das revistas que terão capas alternativas de Jim Lee:

  • All-New Wolverine # 22 (Arcanjo);
  • Amazing Spider-Man # 30 (Bishop);
  • Avengers # 9 (Mística);
  • Black Panther # 16 (Tempestade);
  • Cable # 3 (Cable);
  • Captain America – Steve Rogers # 19 (Gambit);
  • Champions # 10 (Ciclope);
  • Daredevil # 23 (Domino);
  • Deadpool # 33 (Deadpool);
  • Defenders # 3 (Rei das Sombras);
  • Doctor Strange # 23 (Mr. Sinister);
  • Generation X # 4 (Jubileu);
  • Gwenpool – The Unbelievable # 18 (Rainha Branca);
  • Invincible Iron Man # 9 (Colossus);
  • Iron Fist # 5 (Dentes de Sabre);
  • Jean Grey # 4 (Fênix Negra);
  • Mighty Thor # 21 (Sentinela);
  • Ms. Marvel # 20 (Lady Letal);
  • Old Man Logan # 26 (Professor X);
  • Peter Parker: The Spectacular Spider-Man # 2 (Psylocke);
  • The Punisher # 14 (Forge);
  • Royals # 5 (Magneto);
  • Spider-Man # 18 (Lince Negra);
  • Thanos # 9 (Fortão);
  • Uncanny Avengers # 25 (Vampira);
  • Venom # 152 (Polaris);
  • Weapon X # 5 (Apache);
  • X-Men Blue # 7 (Jean Grey);
  • X-Men Gold # 7 (Mojo).

Na década de 1990, Jim Lee era um dos grandes artistas da Marvel, que deixou a editora – com Marc Silvestri, Todd McFarlane, Rob Liefeld, Erik Larsen, Jim Valentino e Whilce Portacio – para criar a Image Comics. Hoje, ele é um dos chefões da DC Comics, junto com Geoff Johns e Dan Didio.

• Outros artigos escritos por

.

  • Jotape Ferreira

    Só arte topzera!

  • Henrique Brum

    por mais que critiquem a ‘era image’, a arte anos 90 era bem mais legal que as de hoje em dia. Tem poucos artistas ainda fazendo um ‘estilo quadrinhos’, Hoje só se vê as fotonovelas do Greg Land e cia, que o desenho fica mais realista só que bem menos dinâmico ou artes com estilo mais limpo, europeu, manga, cartoon ou qualquer outro estilo… menos o clássico quadrinho de heróis.

    • Diogo Andrade

      Era um inferno. Todos copiavam o Jim Lee, depois o Joe Madureira. E só estilo pin up, sem apuro narrativo nenhum. Hj pelo menos é mais ecletico.

  • James Howllet

    Bom desenhista, mas extremamente superestimado. Nada contra…quem é fã vai adorar. Mas numa comparação com o seu ídolo Barry Smith, fica para trás.

    • Paulo Fernandes

      Para mim é o melhor de todos os tempos. John Byrne fica um pouco abaixo (o Byrne dos anos 80, é claro…)

      • James Howllet

        O Que?!
        Vc diminuiu Byrne diante do Lee?!?!

        Volte três casas e fique duas rodadas sem jogar. He he he…

    • Sarah Oliveira

      Nessa época ele era meia boca, mas hoje, não tem discussão. O cara é foda. A evolução dele é tipo igual ao do Mike Deodato, anos 90 era muito meia boca, hoje, foda demais.

      • Pablo Leite

        Olha, vou discordar. Deodato realmente deixou de ser uma das várias cópias do Jim Lee que existiam nos anos 90, mas a melhora dele não foi apenas estilística, ele melhorou em basicamente tudo, como texturas, design, diversidade e diferenciação dos personagens e, principalmente, na narrativa, que hoje é muito melhor que a do Lee e uma das melhores dos quadrinhos americanos.

        • Sarah Oliveira

          Mas isso eu também concordo. Não disse que o Jim Lee é melhor que o Deodato, só disse que ele evoluiu demais ao longo desses anos…

        • Diogo Andrade

          Concordo. O Deonato virou um monstro com o tempo (a mulher maravilha q consagrou ele era bem ruinzinha). O Jim Lee produziu o melhor dele nos anis 90. Hj é inconstante. Tem coisas como o Batman, é meia boca como o Superman e a liga.

      • Paulo Fernandes

        Gostava mais do Deodato quando ele começou na Mulher-Maravilha.

  • VAM!

    Olá Codespoti, td na Paz?

    Se a moda pega, teremos a volta dos cards noventistas!

    Os ilustrados pelo Jusko, propiciariam belíssimas capas!
    Pois se as suas pinturas já impactavam no diminuto formato, imagine no 21×17?

    “Taquí” a Jennifer que não me deixa mentir:
    https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/736x/a9/c5/e8/a9c5e8f3ecfb5a49940c59c93ea9a487–comics-toons-she-hulk.jpg

    Abs,
    VAM!

  • Gabriel

    Entendo quem goste por motivos nostálgicos, mas acho essa arte do Jim Lee/anos 90 muito ruim.

  • Stephan

    De meados dos anos 60 até o início dos anos 80 havia o incentivo, tanto da parte dos leitores quanto das editoras, de cada artista ter o seu estilo próprio de desenho; foi justamente a partir da Era Image que tudo começou a se padronizar em demasia…

  • Tiago Azêdo

    arte suja. Jim lee não respeitava padrões de corpo (braço, pernas, tronco…). Um dos desenhistas q denegriram os quadrinhos de heróis nos anos 90.

    • Henrique Brum

      como assim denegriram? o pessoal da image foi o que fez mais sucesso na decada. Uma editora nova desbancou marvel e Dc…voltaram atenção para direitos dos personagens ficar com seus criadores…os X-men do Jim Lee bateram recorde historico da hq mais vendida de todos os tempos e hj o cara é chefão na Dc…..bem que eu queria denegrir os quadrinhos desse modo….

      • Tiago Azêdo

        Não tiro o mérito dele ser um excelente homem de negócio. Jim lee como capista ou desenhista de pôster podia valer, agora sua arte tinha problemas qd tinha q ser historias de 22 ou 24 paginas. Ele tem uma arte sequencial péssima. Personagens estáticos, arte suja, corpos desproporcionais…basta ver as mulheres desenhadas por ele, pareciam que tinham escoliose.

  • Henrique Brum

    da pra ver diferenças entre artistas sempre ..mas tem a tendencia da época…’o que ta na moda’ de forma geral…e a arte de hoje em geral é outra…é mais realista, com cores mais escuras, mais sombras..ritmo mais parado…aquele Marvel Way de fazer poses dinâmicas e movimento em paginas coloridas quase não existe mais…juntei algumas imagens aqui…foi procurando por coisa boa, titulo grande e listas de ‘melhores artistas do ano’ …da pra ver a diferença nas tendencias…e como falei…acho a arte da década de 90 muito melhor que isso http://i.imgur.com/UReFngb.jpg

  • James Howllet

    Hum…Acredito que não foi bem assim. Quando ocorreu a debandada da Marvel para a criação da Image o que mais estimulou a contratação de artistas brasileiros e demais locais era o fato deles serem bons em emular os artistas da casa do Spawn.
    Não podemos esquecer que os anos 60, embora marcado pela influência gigante de um Jack Kirby (não era apenas o estilo Marvel ) possuía caras como Romita Pai,Wally Wood e Steve Ditko que possuíam estilos influentes até os dias de hoje.

    Além disso, o final dos mesmos anos 1960 e início dos anos 1970 acompanhou uma explosão de artistas com abordagens tão distintas quanto inovadoras. Como esquecer de Neal Adams, Barry Smith, Jim Steranko? E John Buscema se estabelecendo como a 2° força criativa da Marvel com seus soberbos Surfista Prateado e Conan (ok.. não é comics mas… ) E isso para citar os mais famosos e que me vem logo a mente mas garanto que uma lista dos 50 mais do gênero possuirá provavelmente Michael Golden, José Luiz Garcia Lopez, Gil Kane, Marshall Rogers, Jim Starlin, Jim Aparo… etc,etc…

    • Jackson Good

      Concordo em relação aos anos 90, havia ainda um padrão na indústria. Mas minha comparação foi década de 60/70/80 X HOJE. O que eu quis dizer foi em sentido mais amplo, pensando em estilo de traço, anatomia, composição de cena, enquadramento, cores, etc. Se analisar décadas anteriores, tudo isso era de fato dentro de um padrão, tanto que o colega Henrique falou em “estilo quadrinhos” – vejo isso como o “estilo super-heroi”, provavelmente com o Kirby como inspiração maior, que perdurou durante muito tempo como UNICO ESTILO que havia, ainda que cada artista tivesse suas particularidades. Os que voce citou são grandes artistas, claro, com traços identificáveis, mas aí também fica fácil, falar em mestres. Me referi ao padrão da indústria, e a seus “operarios padrao” cujos nomes talvez nem sejam tao lembrados. Indo além e sendo ousado, questiono se há de fato uma diferença tão brutal entre Ditko e Romita no Aranha, por exemplo, Pense em quadros na página, anatomia, cores. Peça pra um leigo/não leitor experiente no genero pra analisar. Depois peça pra fazer o mesmo com trabalhos de, por exemplo, Alex Maleev e Ivan Reis. Hoje (no sentido de 2000 pra cá), há uma diferenciação muito maior de estilos, muito mais notável.

      • James Howllet

        Hum…O ritmo de produção era muito pegado e os recursos técnicos eram exíguos pra dedéu. Chega a ser milagroso aquilo que Steranko e Neal Adams faziam m, convenhamos. Mas…Tanto lá como agora existia isso.
        Mas isso ainda existe: Não faz muito tempo o Mark Bagley se consolidou neste estilo. Enquanto isso, coisa de mais de uma década, os X-Men de Morrison definharam enquanto o gênio (e meu desenhista favorito contemporâneo) Frank Quitely foi substituído pelos Kordeys da vida.
        Ou seja, sempre existiu essa coisa de operários e “artistas” no gênero.Acho que deveríamos relativizar o contexto.

        Agora, é inevitável que exista uma troca de técnicas, estilos, mídias e artistas muito maiores. Além do citado aumento de recursos técnicos que facilitam demais a vida dos narradores gráficos. Deodato numa entrevista citou um programa que facilita ou renderiza enormemente a vida dele…