Moby Dick, de Chabouté, será lançado pela editora Pipoca & Nanquim

Por Samir Naliato
Data: 7 julho, 2017

Após os lançamentos de Espadas e Bruxas e Cannon, a editora Pipoca & Nanquim anuncia o terceiro título de seu catálogo. Trata-se de Moby Dick (formato 20,8 x 27,8 cm, 256 páginas, capa dura, R$120,00), graphic novel do autor francês Christophe Chabouté, baseado no clássico livro de Herman Melville.

A edição já está em pré-venda na Amazon Brasil, com 18 % de desconto.

A trama, fiel ao livro original, é uma emocionante caçada à maior das criaturas do mar, ao lado do narrador Ismael, do misterioso aborígene Queequeg e de uma tripulação que oferece o próprio sangue para seu capitão, em troca da promessa de glória e ouro, sem saber que, na verdade, o que os aguarda é a desgraça e o infortúnio!

Esta versão de Christophe Chabouté marca também a primeira vez que o quadrinhista é publicado no Brasil. Com uma carreira sólida de mais de duas décadas de produção, o autor é bastante premiado na Europa, inclusive no consagrado Festival de Angoulême, por seu álbum Quelques jours d’été (Alguns Dias de Verão, em tradução livre). Ele também assinou a espetacular Un peu de bois et d’acier, que foi resenhado pelo Universo HQ.

Escrito por Herman Melville (um ex-marujo da marinha mercante norte-americana) em 1851, o romance Moby Dick foi recebido com pouco entusiasmo por público e crítica em seu lançamento. Mas, ao longo do tempo, se tornou um grande clássico da literatura. Chegou a ganhar versões para diversas mídias, como rádio, televisão, teatro e cinema. Nos quadrinhos, teve a história contada também por outros artistas como Will Eisner, Bill Sienkiewicz e Roy Thomas.

Clique na galeria abaixo para ampliar um preview da edição.

.

Moby Dick

• Outros artigos escritos por

.

  • Inspetor Tequila

    Meu Deus do céu. P&N tá melhor q Devir, Mythos e Panini. Só os preços continuam salgados, mas……
    Acho q essas três poderiam dar tudo oq tem pra P&N para eles distribuírem e escolherem os melhores lançamentos.

  • Marck Antenado

    É QUADRINHO OU MANGÁ? CADÊ AS CORES? PQP!!!!!!!

    • Bruno Leite

      Mangá também é quadrinho, e não é regra quadrinhos serem coloridos

    • helio

      Quer quadrinhos coloridos???? Vai comprar historinhas do homem-aranha ou superman e seja feliz. ou você pode simplesmente pegar seus lápis Faber Catell e colorir você mesmo.

  • Claudio Gomes Silva

    Caro por uma edição não colorida.

  • Enoque

    Sério que tem gente que reclama de quadrinhos preto e branco … ?
    Preço está alto mas é um título para um público bem pequeno, de uma editora iniciante. Prefiro ter o livro original, adaptações literárias em hqs não me atraem tanto, mas é uma ótima iniciativa da editora.

    • Pedro Bouça

      Acredite que ESSA adaptação vale muito a pena!

  • Felipe Lima

    Carai, e esse preço ai??

  • Juarez Ulhôa

    Cadê as cores?!?!?! Eta geração merthiolate indolor mimimi do caramba!

  • Kevin Melo Accioly

    17 dolares a edição americana…
    Passo reto.
    Realmente, essa nóia de colecionismo no meio de HQs fez dar margem pra essa febre de edições de luxo.
    Agora qualquer coisa com capa dura já pode por seus 100 reais que o pessoal vai achar bom demais.

  • Dimas Mützenberg

    Lindo material. A editora provando que veio com tudo mesmo. Vida longa!

  • Reginaldo Costa

    O Pipoca tem dado uma bola dentro depois da outra. Dos lançamentos deles até agora este foi o que mais me empolguei. Tomara que continue assim. Tem gente reclamando de colorização, mas até agora nenhum dos títulos deles foi colorido. E cá para nós, acho um pecado colorir a arte do Esteban Maroto e desse cara ai. Quanto ao preço não há muito o que se fazer, já que a tiragem é pequena e será vendida apenas pela amazon. Não quer gastar isso tudo? Espera uma promoção. Mas que essa obra merece seus reais, ah, merece sim.

    • Dimas Mützenberg

      Isso aí, Reginaldo. Sempre bato nessa tecla dos PB vs colorido. Tem uma quantidade impressionante de leitores que ainda acha que quadrinhos em PB são uma arte inacabada, como se tivessem parado o processo no caminho para economizar alguns trocados. Tem algumas artes que são muito mais impressionantes em preto e branco. Vai colorir os Breccia? Ou Victor De La Fuente, Tony de Zuñiga ou o próprio Esteban Maroto citado? Um pecado mesmo. Basta pegar os exemplares da ESC em cores e ver quanto a arte de John Buscema + Alfredo Alcala perde seu impacto. Cor tem um propósito (ou deve ter) muito maior numa HQ que apenas um indicador de preço do produto final.

  • Ricardo Ferreira

    Belo trabalho vem fazendo o pessoal do Pipoca & Nanquim.

    Edições muito bem acabadas, boa revisão, materiais de qualidade indiscutível até agora. Que continuem assim.

    O único senão continua sendo o preço. Tá caro. Mas se o leitor tiver paciência para esperar uma promoção com desconto, ele poderá comprar a edição a um preço justo.

  • Rogerio Araujo Ferreira

    Vale lembrar que eles estão lançando os dois volumes num só e levando em conta que é uma editora pequena o preço está justo, á propósito o original é em preto e branco.

  • Josival Fonseca

    Para os leitores que não entendem direito: mangá, comics, fumetti, tebeo, gibi… todos são histórias em quadrinhos, seja P&B ou colorido. Chamamos de mangá por pura convenção a hq japonesa, diferenciando das demais. Tex em geral é P&B e é um fumetti, mas chamamos de gibi ou hq e não de mangá. E esse Moby Dick é P&B por escolha dos autores e/ou editores, o mesmo caso poderia ser aplicados aos super-heróis caso fosse escolha dos editores. P&B e colorido tem apelos diferentes em cada mercado, e isso associa-se também a cultura e na indústria de cada povo. O mais importante de tudo não é se prender a um tipo só de coisa. Tenho na minha coleção de Turma da Mônica a Druuna, um pouco de cada coisa. E recomendo que os leitores explorem essa variedade, e irão descobrir que cada uma tem sua individualidade em boas histórias.
    Gosto muito muito de Moby Dick, tenho três livros diferentes e duas em hqs, pretendo ter essa, mas vai ter que ser numa senhora promoção.