Morreu o desenhista Russ Heath

Por Sérgio Codespoti
Data: 27 agosto, 2018

O desenhista estadunidense Russ Heath faleceu na noite do último dia 23 de agosto, em Long Beach, na Califórnia, Estados Unidos, aos 91 anos, após uma longa luta contra um câncer. A informação foi divulgada por Lee Kosa, neto do artista.

Heath nasceu em 29 de setembro de 1926, em Nova York. O faroeste foi uma de suas primeiras influências artísticas, em função de seu pai, que durante alguns anos foi um caubói. Ilustradores como Will James e Charles Russell marcaram sua juventude.

Sua carreira nos quadrinhos começou na Holyoke Publishing. Durante as férias de verão, no ensino médio, ele desenhou algumas das aventuras navais de Hammerhead Hawley em Captain Aero Comics vol. 2 # 2, de setembro de 1942; e Captain Aero Comics vol. 3 # 12, de abril de 1944.

Em 1945, foi recrutado pela força aérea, antes de terminar a escola, e serviu por um período curto, nos Estados Unidos, antes de retornar aos estudos.

Russ Heath

Após o término dos estudos, começou a trabalhar para agências de publicidade. Em 1947, conseguiu um emprego na Timely Comics – hoje Marvel Comics -, desenhando suas primeiras histórias de faroeste, HQs de Two-Gun Kid, personagem que é conhecido no Brasil por nomes como Defensor Mascarado, nas revistas da Editora Abril, ou Kid Ducolt, em algumas histórias lançadas pela Ebal.

Além disso, ele desenhou para Wild Western, All Western Winners, Arizona Kid, Black Rider, Western Outlaws e Reno Browne, Hollywood’s Greatest Cowgirl.

Na década de 1950, quando a Timely se transformou na Atlas, Heath ilustrou Marvel Boy, Venus, Journey into Unknown Worlds, Men’s Adventures, Justice, Adventures into Terror, Marvel Tales, Menace, Mystic, Spellbound, Strange Tales, Uncanny Tales e Wild e fez a capa de Journey into Mystery #1, revista que anos depois seria conhecida pela estreia de Thor.

Os dois gêneros no qual sua atuação foi marcante são horror e guerra. Heath desenhou diversas HQs de guerra da Timnely, Atlas, E.C. Comic – incluindo uma HQ na primeira edição de Frontline Combat-, e finalmente DC Comics.

Ele passou mais de duas década desenhando histórias para a DC, particularmente títulos de guerra, como Our Army at War, Star Spangled War Stories, All-American Men of War, Sgt. Rock e G.I. Combat. Ele é o cocriador de Haunted Tank (Tanque Mal-Assombrado), junto com Robert Kanigher, que estreou em maio de 1961 em G.I. Combat # 87.

Heath também foi o primeiro desenhista de Os Perdedores (The Losers) e cocriador de Sea-Devils.

Para desenhar suas HQs de guerra ele visitava lojas que vendiam equipamento militar usado e comprava armas, equipamentos e uniformes para ter como referência, ou montava maquetes, soldados e modelos militares.

Várias de seus desenhos de All-American Men of War foram usados sem permissão, créditos ou compensação financeira para a criação das famosas pinturas de Roy Lichtenstein, Whaam!, Blam, Okay Hot-Shot, Okay! e Brattata. Aliás, ele não foi o único a ser copiado por Lichtenstein, que também usurpou material de Jerry Grandenetti, Irv Novick e John Romita Sr.

Em 2014, Heath fez uma HQ, Bottle of Wine (Garrafa de Vinho), satirizando essa situação.

Na década de 1960, ele contribuiu com as tiras de Little Annie Fanny, de Harvey Kurtzman e Will Elder, publicada na revista Playboy, chegando até a morara na Mansão Plaboy durante alguns meses.

No final década de 1980, chegou a desenhar algumas aventuras do Justiceiro. Um das suas últimas HQs foram The Immortal Iron Fist # 20, de 2009; e algumas ilustrações da série Glamourpuss. Ele se aposentou definitivamente em 2011.

Durante sua carreira, recebeu diversos prêmios, incluindo: Inkpot, em 1997; entrou para o Will Eisner Comic Book Hall of Fame, em 2009; Comic Art Professional Society Sergio Award, em 2010; e o Prêmio Milton Caniff, da National Cartoonists Society, em 2014.

Heath é um artista frequentemente subestimado ou esquecido pelos leitores. Ele desenhava num estilo realista e tinha um traço sofisticado, cheio de detalhes.

Segundo Joe Kubert, Russ Heath era tão bom que outros artistas usavam seu trabalho como referência.

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • Alessandro Souza

    Um dos grandes artistas americanos, sem dúvida. Deveria citar a contribuição dele para os quadrinhos underground (teve uma história publicada na saudosa Circo) e seu trabalho com Jonah Hex.

  • Stephan

    Não bastasse termos perdido Steve Ditko, outro gigante da Nona Arte agora se junta à Constelação dos Novos Deuses! Russ Heath estava entre os melhores da velha guarda que ainda davam o ar de suas preciosas graças entre nós. Entre suas obras magistrais, estão algumas histórias dos Demônios do Mar que foram publicadas – a cores – pela Editora O Cruzeiro na década de 60. Destaque também para as histórias de terror que ilustrou para a Marvel e para a Warren nos anos 70.

  • Emerson Penerari

    Gosto muito do trabalho de arte final que ele fez com Mike Kaluta na graphic novel do Sombra escrita por Denny O’Neil. Que descanse em paz e que outros artistas se inspirem com sua belíssima obra.

  • Enoch

    Essa capa de All-American Men of War é incrível em como os aviões praticamente saltam pra fora da imagem. O trabalho de Heath para o terror tb é digno de nota. Talvez por ele ter enveredado por uma linha que não é tão popular quanto a de super-heróis nas hqs, o artista não tenha recebido o merecido reconhecimento. Que descanse em paz.

  • Rafael Soares Duarte

    Vi no dia de sua morte essa página que ele fez sobre o roubo de sua arte pelo Roy Lichtenstein. Triste pracas.