Morreu Steve Ditko, um dos criadores do Homem-Aranha

Por Sérgio Codespoti
Data: 9 julho, 2018

Steve Ditko, que criou o Homem-Aranha com Stan Lee, foi encontrado morto em seu apartamento, em Manhattan, Nova York, no dia 29 de junho. A polícia acredita que o artista morreu dois dias antes, mas não confirmou a causa da morte, inicialmente identificada como um infarto provocado por uma doença vascular e pela hipertensão. Ele tinha 90 anos.

Nascido em 2 de novembro de 1927, em Johnstown, na Pensilvânia, nos Estados Unidos, Stephen J. Ditko começou sua carreira nos quadrinhos quando estava alistado no exército – na Alemanha Ocidental, após a Segunda Guerra –, desenhando para tiras para os jornais associados aos militares. Quando deu baixa, em 1950, estudou arte com Jerry Robinson, na Cartoonist and Illustration School, em Nova York.

Em 1953, trabalhou no estúdio de Jack Kirby e Joe Simon, como arte-finalista, sob a supervisão de Mort Meskin. Nesse período, passou a desenhar para a Charlton Comics, fazendo HQs, de horror, mistério e ficção científica, o mesmo tipo de material que desenhou para a Atlas e a Marvel Comics, antes de 1961.

Na Charlton, ele se destacou reformulando o Besouro Azul (Ted Kord), personagem que ilustrou por bastante tempo.

Steve Ditko

Em 1954, Ditko contraiu tuberculose e voltou para sua cidade natal para se recuperar da doença. Na época, parou de fazer quadrinhos por vários meses. Ele retornou a Nova York no ano seguinte, retomando os contatos e reingressou no mercado.

Em março de 1960, criou o Capitão Átomo, que surgiu em Space Adventures # 33, outra revista da Charlton Comics.

O maior sucesso de sua carreira, o Homem-Aranha, surgiu em Amazing Fantasy # 15, em agosto de 1962. Inicialmente, Stan Lee e Jack Kirby tentaram revitalizar um antigo personagem de Kirby chamado Silver Spider.

Lee não estava satisfeito com o material – era muito heroico –, e buscando algo diferente passou o trabalho para Ditko, que criou o visual e os aspectos clássicos do aracnídeo.

Juntos, Lee e Ditko criaram vilões como Homem-Areia, Doutor Octopus, Duende Verde, Lagarto e Electro, dentre muitos outros.

Mas a relação entre os dois foi ficando muito difícil. Ditko exigiu ser creditado como autor da trama, uma vez que fazia essa função dentro do chamado “método Marvel”.

Na Marvel, Ditko também criou o Doutor Estranho, em 1963, nas páginas de Strange Tales # 110.

Amazing Fantasy # 15Doutor Estranho, por Steve Ditko

Ditko deixou a Marvel em 1966, quando sua relação com Stan Lee já era quase inexistente, e, após um breve período na Charlton, passou a desenhar para a DC Comics.

Nessa fase, ele criou personagens como Questão, Rastejador e Rapina e Columba. Em 1977, deu vida a Shade, o homem mutável.

No ano de 1979, o autor voltaria a trabalhar com a Marvel, em revistas como Machine Man, Micronautas e Rom. Ele desenhou para a editora até quase o final da década de 1990. Um dos últimos personagens criados por Ditko, em parceria com Will Murray, foi a Garota Esquilo.

Muito introvertido, Ditko era interessado na filosofia objetivista de Ayn Rand, e permaneceu fiel aos seus ideais até o final da vida.

Em 2007, Jonathan Ross fez um documentário de uma hora sobre o artista, chamado In Search of Steve Ditko, para o canal BBC 4, com depoimentos de Neil Gaiman, Alan Moore, Mark Millar, Jerry Robinson e Stan Lee.

Além de ter recebido diversos prêmios, como Alley Awards, Inkpot e Inkwell, Ditko e faz parte do Jack Kirby Hall of Fame e do Will Eisner Hall of Fame.

No Twitter, Gaiman escreveu: “Sei que sou uma pessoa diferente porque ele existiu”.

Steve Ditko será para sempre lembrado como um dos grandes nomes dos quadrinhos.

Blue Beetle # 1Showcase # 75

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • Stephan

    Steve Ditko é um daqueles seres humanos extraordinários que, queiram ou não, já estava inscrito no Panteão dos Imortais da Arte Sequencial desde os anos 60, não só por ter sido um dos pilares da então nascente Marvel Comics(ex-Atlas Comics, nome que ironicamente iria reassumir importante papel em sua vida através do romance de Ayn Rand, “Atlas Shrugged” – A Revolta de Atlas) mas também pela coerência em suas atitudes e pensamentos, ainda mais em um meio que encontra-se atualmente contaminado por egos gigantescos e talentos medíocres. O seu auge se deu até os anos 70, década em que criou um dos personagens mais incomuns – e menos aproveitados – da DC Comics, “Shade, the Changing Man”(ou “O Mutante”, de acordo com a Ebal) cuja história final só foi publicada recentemente, em Preto-e-Branco, em um Omnibus ainda inédito por aqui. Para os fãs brasileiros que acompanharam o Mestre via Ebal e/ou Bloch, ficam as lembranças de um tempo em que cada desenhista tinha o seu estilo característico, muitas das vezes acompanhado por roteiros inteligentes que, ao mesmo tempo em que divertiam, faziam-nos pensar. Aos que só ouviram falar em seu nome, há as reedições de algumas de suas melhores histórias que permitem que se tenha contato com a sua arte que, embora não agrade a todos, é unicamente dele, e somente dele, não tendo sido copiada literalmente do estilo do momento que mais agradar à galera, conforme é ditado pelo Mercado nesta Era do Lixo. Fará muita falta, mas, por outro lado, seu legado não será apagado jamais, nem mesmo pelo mais poderoso Meteoro(Looter).
    Muitíssimo obrigado, Mr. Ditko, pelas milhares de horas de entretenimento que você deu ao mundo todo!

  • Jotape Ferreira

    Mito dos quadrinhos. Que Descanse em Paz.

  • Henrique Brum

    me deu um mal estar tremendo saber que demoraram 2 dias pra encontrar ele. E demorou mais uma semana pra noticia vir a publico. Muito curioso e triste o modo de vida do Ditko, um ermitão. Produzia até hoje quase sem atenção. Se tivesse interesse teria uma vida de fama – convenções de quadrinhos, entrevistas, filmes, best-sellers – É difícil de entender as escolhas dele…só nos resta respeitar e curtir o trabalho do gênio. Já tive planos para construir a versão BR do blog dele, traduzir o material em domínio publico e divulgar o material novo por aqui. Mas como muita coisa, acabou ficando de lado pela correria do dia a dia…Pra quem gosta dos quadrinhos dos anos 50 tem material disponível para leitura aqui – http://ditko.blogspot.com/1990/01/it-stalks-public-domain-ditko-1953-1955.html

  • W. W. Barros

    Lembro de uma matéria sobre o Ditko (mas não lembro onde saiu, talvez na Wizard) que o jornalista conseguiu uma entrevista com o já recluso artista nos anos 90, e quase teve um ataque ao vê-lo usar seus originais dos anos 60/70 como apoio na mesa para cortar papel com estilete. O jornalista escreveu algo como: “aqueles originais poderiam valer milhares de dólares, mas não importava para Ditko”

    • Fco Portela Lima

      Foi na Wizard, essa matéria!

  • Alexandre Viana

    Só uma correção: a data da morte é dia 29 de junho! No post está Julho.

    • codespoti

      Corrigido.

  • marcelo miranda

    Codespoti, uma correção: Ditko foi encontrado no dia 29 de JUNHO.
    Parabéns pela matéria, muito legal!

    • codespoti

      Putz, bobagem minha. Passou batido. Vou corrigir

  • anderson Santos

    dia 29 de julho?! Então ainda ta vivo! kkkk

    • codespoti

      Erro de digitação . Vou corrigir.

  • Dyel Dimmestri

    Mais um dos GIGANTES das HQs se vai… Ditko era um autor excepcional,sem similar até hoje.Para aqueles que queiram conhecê-lo,recomendo que leiam STRANGE AND STRANGER: THE WORLD OF STEVE DITKO,de autoria de Blake Bell,publicado pela competente Fantagraphics Books,que,infelizmente,permanece inédito em português,até hoje(ALÔ,EDITORAS NACIONAIS!!!)…
    Também estão disponíveis,nos EUA,os álbuns THE CREATIVITY OF STEVE DITKO,e THE ART OF STEVE DITKO,ambos publicados pela IDW,e a coleção de histórias curtas THE STEVE DITKO ARCHIVES,em 6 volumes,editada também pela Fantagraphics.

  • Enoch

    Esta matéria foi um justo retrospecto sobre a vida de Ditko, que hoje é alguém que certamente representa uma contribuição para a nona arte que é comparável somente a perda por sua partida.

    Sem querer sensacionalizar mas ironicamente, acabei de perceber que os heróis criados por ele acabaram morrendo em alguma mídia: Homem-Aranha, Rapina, Besouro Azul, Dr. Estranho, Questão e Shade. Os que não voltaram ainda, certamente o farão, mas penso que seria uma bela homenagem trazer de volta a vida o Besouro Azul.

    Em tempo, parabéns pela metéria, Codespoti !