Mort Walker, criador do Recruta Zero, falece aos 94 anos

Por Marcelo Naranjo
Data: 27 janeiro, 2018

Faleceu neste sábado, 27 de janeiro de 2018, aos 94 anos, o quadrinhista Mort Walker, famoso pela criação do personagem Recruta Zero, dentre outros. A causa do morte foi uma pneumonia. A informação é da agência The Associated Press.

Nascido em 3 de setembro de 1923, o autor teve uma infância pobre. Seu pai era inventor, músico, pintor e poeta. Sua mãe fazia ilustrações para jornais. Desde cedo, Walker desenhava. Na escola, chamava a atenção com seus cartuns. Em sua biografia, afirma que “Desde minha primeira respiração, sempre quis ser um cartunista”. Com 11 anos, recebeu pela primeira vez um pagamento por um cartum publicado. Aos 12, começou a colecionar desenhos originais de cartunistas famosos. Com isso, conseguiu um grande acervo, que posteriormente daria início ao International Museum of Cartoon Art, criado por ele.

Em 1942, entrou para o exército, onde ficou por quase quatro anos, passando por diversas patentes, de soldado a tenente. Depois, estudou e formou-se jornalista na universidade. Foi para Nova York em 1948, decidido a ganhar a vida vendendo cartuns e revistas. Em 1950, criou o personagem Spider, posteriormente mudando seu nome para Beetle Bailey (no Brasil, Recruta Zero). Com esse título, conseguiu publicar a tira pelo King Features Syndicate.

De inicio, a tira abordava a vida universitária. Mas, apesar de ter sido publicada em apenas alguns jornais, não fez o sucesso esperado. Walker não sabia, mas o King Features estava estudando terminar seu contrato. No entanto, com o início da Guerra da Coreia, ele decidiu fazer o jovem Beetle ingressar no Exército. Foi então que o sucesso chegou.

O fator decisivo, que impulsionou em definitivo o personagem, foi o jornal do exército Stars & Stripes ter banido suas histórias, por considerar que elas ridicularizavam os oficiais em geral. O fato teve grande repercussão na imprensa e a tira disparou em publicação.

Com o final da guerra da Coreia, Walker estava preocupado que o Recruta perdesse leitores. Decidiu, então, inventar uma tira de família, e surgiu Hi and Lois (no Brasil, Zezé), um autêntico spin-off (termo usado quando uma obra gera “filhotes”). Ele criou uma família para Zero e o fez voltar para casa. Mas, devido a protestos dos fãs, em duas semanas o personagem retornou para o exército.

Só que a ideia não morreu. E Walker continuou com a tira, em parceria com um desenhista muito especial, Dik Browne, que posteriormente criaria a tira Hagar, o Horrível. Foi o inicio de uma grande amizade.

Walker criou outras tiras. A de maior sucesso, assinada com seu primeiro nome, Addison, foi publicada no Brasil com o nome de Arca de Noé e contava as trapalhadas em um navio cheio de animais engraçados, com um capitão não muito respeitado pelos seus subordinados, tampouco pela esposa.

Mas o grande sucesso de sua carreira foi mesmo o preguiçoso Recruta Zero e sua turma, que incluía o ingênuo Dentinho, o simpático e autoritário Sargento Tainha (contraponto e cara-metade de Zero), o ranzinza General Dureza, sua esposa Martha, o irritante Tenente Escovinha, a Dona Tetê e tantos outros que fazem parte desse divertido panteão, como Quindim, Cuca, Capelão, Roque, Platão, Otto, Martha, Ky, Lorota, Mironga e Capitão.

No Brasil, o famoso recruta teve suas histórias publicadas por diversas editoras (Saber, RGE, Nova Sampa, Globo, L&PM, Opera Graphica, Pixel Media), além de marcar presença em diversos jornais espalhados pelo País.

Uma triste notícia para os fãs da nona arte, que perdem um dos grandes nomes de sua história.

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • stefanobahia

    Luto…😭

  • Laércio de Souza Santos

    Uma grande perda, sem dúvida, para os Quadrinhos. A bandeira do Quartel Swamp está a meio mastro!!! Descanse em paz, Mort!!!

  • Agent Cooper

    Li muitas tirinhas do Recruta Zero no Diário do Nordeste e adorava o desenho que a Record exibia no final dos anos anos 90 e inicio dos anos 2000.

    Obrigado e descanse em paz, mestre. :'(

  • Fernando Amaral

    Sempre foi um dos meus prediletos na época que eu lia jornal impresso, junto de Hagar, Urbano e Fradim.

  • Triste notícia. Um ícone vivo q parte. Mas no mundo dos quadrinhos é assim, morre o criador, vive a criação… para a alegria de muitas gerações.

  • Daniel Saks

    Lamentável. Perda irreparável.

  • Val Fonseca

    Juntamente a outros gibis, Recruta Zero fez parte da minha infância nos anos 80, e só voltei a acompanhar agora lançado pela Pixel. O autor se foi, mas deixou seu legado de boas histórias.

  • Stephan

    Perde-se mais um gênio cujo talento jamais será igualado. O desenho animado também marcou a minha infância, Que ele merecidamente descanse em paz!

  • marcio monteiro

    Triste notícia quando um autor de talento e importância desse nível se vai do nosso meio. Recruta Zero é bom demais! Como dito aqui: o autor morre e a obra fica, mas um pedaço da história se perde um pouco, pois as próximas gerações não conhecerão a vida do artista e sua importância. Por falar em história, o Evaldo Oliveira (Norteriograndense) chegou a roteirizar e desenhar, por alguns anos, o Recruta Zero no Brasil quando trabalhava na RGE. Fala-se que seu desenho estava tão bom que ninguém sabia mais qual era o desenho do Evaldo e o do Mort Walker.

  • Tadeu Olivetti

    Um grande talento dos quadrinhos do século XX. Todos aqueles que amam a nona arte estão muito tristes. Descanse em paz grande Walker.

  • Alessandro Souza

    Um gigante. Esse cara (sem esquecer os outros desenhistas do Zero) me deu muitas alegrias. Só tenho a agradecer.

  • André Luciano Maria

    Continência e todas as honras possíveis.

  • Sarah Oliveira

    RIP =(

  • Jotape Ferreira

    Que Descanse em Paz.

  • Dyel Dimmestri

    Descanse em paz, velho soldado…

  • Adriano Leonardo Ribeiro Lima

    Uma referência que não deixaremos de incluir na pesquisa com Tiras em Quadrinhos!