NonNonBa, de Shigeru Mizuki, está em pré-venda

Por Marcelo Naranjo
Data: 1 março, 2018

NonNonBa (formato 17 x 24 cm, 424 páginas, R$ 89,90), publicado originalmente no Japão em 1977, é a obra-prima de Shigeru Mizuki, um importante autor de mangá. Parte biográfica, parte fantástica, a obra é um trabalho tocante sobre a infância e o amadurecimento, inspirado em grande parte no próprio Mizuki, quando criança, e sua avó, uma fonte inesgotável de conhecimento sobre os youkais (espíritos-monstros do folclore japonês).

Neste mangá, os personagens caricatos e expressivos contrastam com cenários detalhados e realistas, resultando em um trabalho que é, ao mesmo tempo, delicado e expressivo. O mangá está firmemente enraizado em um contexto social e histórico, e passeia pelo mundo sobrenatural.

Em 2007, NonNonBa foi o primeiro mangá vencedor na categoria de Melhor Álbum do Festival de Angoulême. E, em 2013, foi indicado ao Prêmio Eisner de Melhor Edição Norte-Americana de Material Estrangeiro (Asiático).

Este é o segundo título da coleção Tsuru, da Devir, que reúne obras de autores japoneses, clássicos e contemporâneos, historicamente importantes para os quadrinhos e para a cultura japonesa – o primeiro foi O Homem que passeia.

NonNonBa está em pré-venda na Amazon Brasil.

NonNonBa

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • Felipe Lima

    Esse não conheço, mas se for tão bom quanto O Homem que Passeia, então a Devir está de parabéns com esse selo Tsuru.

  • Eu tenho a edição importada. É excelente. Demorou para termos Mizuki aqui.

  • Rodolfo Souza

    Mizuki é um dos mangakás mais importantes da história do Japão, ele é um dos pais do mangá moderno, e responsável por resgatar muita coisa do folclore japonês traduzindo-o para a cultura pop (como no seu clássico GeGeGe no Kitarō). Até hoje me perguntava por que nunca tinha saído nada dele aqui.

    • Gabarito

      e ainda mais ele tinha apenas um braço, sua mulher ajudou muito ele.

  • Rafa

    Compra certa.

  • Márcio dos Santos

    Essa obra, e por esse preço, tinha que ser em capa dura igual Ayako e Fragmentos do Horror.

  • Mizuki também usou o Saci num mangá chamado Akuman-kun lançado em 1963, não sabe como ele teve contato com o personagem.