Novo álbum de Conan traz o retorno de Roy Thomas

Por Marcelo Naranjo
Data: 2 agosto, 2017

A Mythos Editora apresenta uma “dobradinha” hiboriana, reunindo dois épicos inéditos do bárbaro aventureiro criado por Robert E. Howard, na mesma edição. O primeiro é a nova adaptação de um conto original do autor texano: O Povo do Círculo Negro, com texto do roteirista Fred Van Lente (Cowboys & Aliens, X-Men Noir) e arte de Ariel Olivetti (Space Ghost, Demolidor, Justiceiro).

Em seguida, uma jornada na mais longa e perigosa via hiboriana: A Estrada dos Reis. Além de iniciar uma nova etapa na epopeia do Gigante de Bronze, esta saga marcou também o retorno do lendário Roy Thomas, o escritor que trouxe Conan para os quadrinhos.

Este volume inclui as capas originais e as indispensáveis tiras biográficas de Bob Cano-Duplo, nas quais são retratados episódios marcantes da vida de Robert E. Howard.

Conan – O Povo do Círculo Negro – A Estrada dos Reis (formato 18,5 x 27,5 cm, capa dura, 264 páginas, preço não divulgado) será lançado no mês de setembro.

• Outros artigos escritos por

.

  • James Howllet

    Boa!
    No aguardo da reedição “Pregos Vermelhos” com direito a muitos extras. Já possuo tanto a edição original em P&B como aquela colorizada, mas esse material do cimerio é daqueles para se ter na estante.

  • Saia Jeans

    Naranjo, onde posso encontrar a cronologia desses encadernados?

    Quero começar a ler Conan, mas não quero ficar perdido.

    Abs!

  • Stephan

    Infelizmente, depois da morte de John Buscema, Conan perdeu o seu brilho. Os novos artistas que cuidam do título não chegam perto do que ele e o Barry Smith fizeram…O mesmo pode-se dizer da Sonja, que virou uma patricinha da Era Hiboriana, bem diferente da visão de Frank Thorne!

    • Leandro Silva

      Pois olha que diferença não faz o primeiro contato, heim!!! Eu conheci o quadrinho do Conan atravez da história “Nascido no Campo de Batalha” e me apaixonei pelas histórias; daí segui para a Edição Histórica onde tive meu contato com o traço de John Buscema para o personagem e daí segui procurando demais quadrinhos do personagem, adquirindo tanto as edições antigas da Abril quanto as atuais da Mytho$, e vou confessar: acho todos os trabalhos do personagem de igual primor, não vejo diferença de qualidade, somente diferença criativa, de contexto e de época, só isso!!!

    • Chico Milk

      Pra mim é um absurdo a Sonja ter aquela aparência limpinha, com cabelos esvoaçantes e uma roupa q não protege nem de uma brisa. Ela devia ter cabelo ruim, cara de psicótica sangue no zóio e uma armadura rústica.

      • Eugênio Furtado

        Mas aí não rola a punhetinha!

    • Sim. Conan pra mim só da da época do Roy Thomas/Barry Smith/Buscema/Chan/DeZuniga/Alcala. até o Rudi Nebres eu encaro….

      • Stephan

        Também gostava do Rudy. E, se não me engano, o genial Alex Niño ilustrou algumas histórias do Conan!

        • Foram vários artistas nesta época. Os que citei foram mais prolíficos.

          • Stephan

            Sem dúvida! Eles também foram os melhores.

    • Isaura Luiza Machado dos Santo

      Tem sido comum ver críticas que o Conan de hoje é ruim e o que vale é do Roy Thomas e etc.
      Ao meu ver, muitas vezes ficamos reféns de nossas memórias afetivas, aos detratores sempre recomendo ir atrás dos contos originais do Howard para se ter um parâmetro de comparação.
      Por exemplo, o sempre saco de pancanda “Queen of the Black Coast” do Wood e da Cloonan, que ainda se encontra (poucas unidades na Amazon), ao meu ver foi extremamente fiel ao conto do Robert E. Howard.
      Mas… é de praxe os fãs de quadrinhos críticar o Batman do Morrison falando que o que vale é o do Alan Grant, criticar o Superman de sei lá quem e falar que o vale é o do Curt Swan, mas poucos são os que (re)visitam o Batman do Bill Finger e o Superman do Simons & Shuster. Então porque seria diferente com o Cimério, né?

      • Stephan

        Eu já li as obras do Robert Howard, e não critico por criticar as obras atuais, só acho que elas não chegam próximo do que foi feito antes. Há exceções sim, mas são poucas face à grande quantidade de material bom que havia anteriormente,

  • Alguém tem que tirar o Temer do poder, e o Conan da Mytho$.

    • Leandro Silva

      Apoiado! Apoiado!

    • Homem Simpson

      Mais fácil o Aécio ser Presidente ou, na atual conjuntura, Steve Rogers!

  • Silvio César

    Vou separar meu outro rim para poder comprar isso…ops! Só tenho um…que m…!

  • Lucas Pimenta

    Esse será qual volume? 11°?

  • Renan Rhapsody

    Por que não lançam Espada Selvagem?

  • Ricbbraga

    100 paginas – R$89,90
    Mythos

    Rick BragaHQ
    https://youtu.be/g8sVxaP8iHM

  • Isaura Luiza Machado dos Santo

    Stephan, aí entra o importante papel da mltimídia, claro que o Conan vai cair no ostracismo nos dias atuais quando as mídias fortes é (ainda) cinema e tv, além dos videogames.
    Se não sai filme (bons) do Conan ou jogos de videogame, não tem como a “nova geração” conhecer, fora raras exceções, e aí entra o que o Sidney Gusmam fala com tanta propriedade, formação de mercado consumidor.
    Nós da velha guarda tivemos uma penca de coisas do Conan (e até derivados e similares) que nos ajudaram a conhecer o cimério.
    Por isto eu tenho a esperança que o Swazernegger (sic) venha a fazer o filme do Conan Rei.

    • Stephan

      O problema todo é essa dependência excessiva das mídias visuais, antes os quadrinhos eram valorizados independentemente de haver filmes ou não baseados em determinados títulos…

  • Tenho que começar a colecionar Conan.

  • José Beluci

    Estou feliz com o lançamento mas a Mythos esta fazendo um trabalho porco, lançando o Conan a contra gotas, lançar o volume 11, sem lançar os volumes 3, 4, 5, 6, sem falar no Cronicas que esta no volume 01, acho dessa forma a Mythos não nos deixa alternativa se não for o SCAN, valeu