Panini incia publicação de histórias inéditas de Vagabond

Por Samir Naliato
Data: 10 janeiro, 2018

Vagabond, aclamado mangá de Takehiko Inoue, já foi publicado em quatro versões diferentes no Brasil. Atualmente saindo pela Panini Comics, a edição número 23 é uma marca importante, pois começa a trazer histórias até então inéditas por aqui.

Em Vagabond # 23 (formato 13,6 x 19,8 cm, 216 páginas, R$ 18,90), quem aparece justo na hora em que Matahachi está em apuros é Sasaki Kojiro. No meio da neve que cai, com ambição e muita dificuldade, Matahachi consegue, finalmente, alcançar o espírito de Kojiro.

Já está à venda nas bancas e também online, como na Amazon Brasil.

Quando o título estreou, pela Conrad, durou 44 números entre 2001 e 2006. A série tinha formato meio tanko, o que significa que cada edição trazia metade de um volume original. Desta maneira, a publicação terminou ao equivalente a 22 edições da coleção japonesa.

A própria Conrad voltaria a publicar o material, desta vez rebatizada de Vagabond – A História de Musashi. O novo formato reproduzia o original tanko, e durou 14 números entre 2005 e 2007.

Em 2014, foi a vez da editora Nova Sampa lançar sob o título Vagabond – A Lenda de Musashi, mas a empreitada durou apenas quatro edições.

Desde 2016, o título é publicado ininterruptamente pela Panini.

Vagabond # 23

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • Quantas edições são ao todo?

    • Carlus Alexandre

      37 mas ainda não finalizou no Japão.

      • Leandro Silva

        Era minha dúvida tbm. Não sou assíduo leitor de mangás, meu forte, há 30 anos sempre foi leitura ocidental (o mais diferente foram leituras e coleções de hqs européias), mas assim que foi anunciada a reimpressão de “Lobo Solitário”, achei que seria minha chance e comecei a me aventurar comprando inicialmente a tão falada hq de um tal “Vagabond”; não me arrependi, sou abismado pela qualidade artística e principalmente qualidade da história e me fisgou. Hoje, acompanho, mas não vendo a hora de chegar ao final desta, afinal de contas, por onde leio dizem que todos os mangás sempre tem começo, meio e término (coisa que infelizmente não posso dizer da Marvel e principalmente da minha favorita DC, pois mesmo que com outra roupagem, mas eles sempre dão um jeito de revisitar ou mesmo reintroduzir histórias há muito tempo finalizadas – como aconteceu com a pra mim história máxima “Crise nas Infinitas Terras” ou mesmo “Watchmen”, pois os plots sempre voltam em novas tramas).
        Bem, tomara que a número 37 seja o final, mesmo!

    • Gabriel Fernandes

      A última lançada no Japão foi a Nº37 e está em hiato a dois anos… De acordo com o Autor ele está fazendo pesquisa para terminar coerentemente a série.

  • Rogerio Araujo Ferreira

    Finalmente, agora é ficar na espera de material inédito de Berserk que já está enchendo linguiça há um tempão.

    • Thiago A.

      Material inédito de Berserk? A Panini está publicando o meio-tanko conforme os capítulos estão sendo lançados no Japão.

      • Rogerio Araujo Ferreira

        Exatamente disso que estou falando, o autor está enrolando há um tempão pra produzir novos capítulos, o que a Panini está lançando já havia sido lançado antes.

  • Era só o autor adaptar a obra de mais de 2 mil páginas do Eiji Yoshikawa (excelente livro) que já pesquisou muito sobre Musashi. Eu tinha comprado da primeira vez que foi publicado em 2001, mas na época eu estava com o romance fresco na cabeça e não curti o mangá, vendi todos. Resolvi dar uma segunda chance nessa republicação da Panini, e lembrei que a única coisa que presta é a arte de Inoue. Ele escreve um Musashi histérico, muito diferente do estrategista do livro. Fora a enrolação com aquela velha e seu filho… Vendi novamente.

    • Ricardo Rodriguez

      Amigo, esse mangá é baseado justamente nesta obra, mas assim como o original, este também possui bastante liberdade artística tanto sobre a obra original quanto na história real dos personagens, por isso o autor está pesquisando (o que pra mim é desculpa, pois pra quem já está trabalhando na obra há quase 20 anos ter que parar por 2 anos pra pesquisar é no mínimo estranho), mas com certeza ele pensa em concluir o mangá de forma diferente do livro, o que aprovo por não ser tão previsível.