Pela primeira vez, Troféu HQ Mix será entregue em meio a uma polêmica

Por Samir Naliato
Data: 10 setembro, 2015

Cartazas da polêmica campanha do HQ MixA entrega do 27º Troféu HQ Mix (veja a lista dos vencedores) acontecerá no próximo sábado, dia 12 de setembro, no Sesc Pompeia (Rua Clélia, 93 – Lapa), em São Paulo/SP. Para divulgar o evento, no dia 3 de setembro, uma campanha publicitará foi postada no Facebook, contendo diversos cartazes com o slogan “Venha bombar!”.

A frase é um trocadilho com a logomarca da premiação (uma bomba), e a gíria que significa tornar uma festa um sucesso.

Junto com a frase, os cartazes mostravam fotos com os diferentes tipos de “bombas”: de chocolate, de posto de gasolina, para encher pneu de bicicleta, contra asma e um homem “bombado”, uma flatulência “explosiva” e outras.

Mas um em especial chamou atenção e criou uma grande polêmica.

Nesta peça específica, foi utilizada uma foto da modelo Renata Molinaro de biquíni, o que rendeu diversas e imediatas acusações de machismo. Afinal, o “bombar”, nesse caso, ganharia uma conotação sexual. Devido à repercussão negativa crescente, o HQ Mix retirou a campanha do ar algumas horas após tê-la publicado.

Pelo Facebook, Aninha Costa, da loja Gibiteria, se posicionou contra a campanha, assim como a desenhista e artista plástica Ana Koehler, a roteirista Rebeca Puig e as mulheres que cuidam da fanpage Minas Nerds, que divulgaram uma carta aberta de repúdio, depois transformada em uma petição pública (clique nos respectivos links para ler os depoimentos).

A repercussão foi ainda maior porque, na última semana, um debate sobre o machismo no mundo nerd estava em alta. Entretanto, mesmo tirando a campanha do ar, o HQ Mix não se pronunciou sobre o assunto até o final daquele mesmo dia, quando o cofundador do prêmio, José Alberto Lovetro (o Jal), se posicionou a respeito da polêmica (leia o texto na íntegra aqui).

Apenas na segunda-feira, dia 7 de setembro, a fanpage da premiação divulgou uma declaração oficial com pedidos de desculpas (leia aqui).

O Universo HQ entrou em contato com pessoas dos dois lados – Ana Koehler e Jal – para falar sobre o assunto.

Sobre a propagação da imagem em questão, Ana acredita que a resposta gerada contra ela foi importante. “Creio que a carta aberta das autoras e autores que se pronunciaram contra o uso desta imagem na campanha é que foi vital para a resposta da organização do prêmio. A imagem foi reproduzida para fundamentar os questionamentos colocados, como deve ser feito em qualquer discussão séria”, afirmou a quadrinhista.

Cartaz que motivou a polêmica

Jal explicou as desculpas oficiais da premiação quatro dias após o ocorrido. “Logo que vimos que a campanha estava levando a outras interpretações fora de nossas intenções, tiramos ela toda do ar. Foi rápido. Essa ação demonstra que sacamos que houve um problema. A disseminação continuou não por nós. Na sequência, publiquei um texto meu, de desabafo, nos defendendo da acusação de machismo, citando exemplos do nosso passado. Várias pessoas entenderam e aceitaram. Mas, vendo que mesmo assim uma parte das pessoas não se acalmou, conversarmos com a comissão organizadora do HQ Mix pelo fim de semana todo e resolvemos, pela terceira vez, admitir nosso erro. Em frase direta”, explicou.

O HQ Mix é considerado o mais importante prêmio da área, e está perto de completar 30 anos. Este fato poderá afetar a relevância da iniciativa no futuro?

“Não saberia dizer. Mas creio que, a partir deste episódio, o futuro e a relevância do prêmio dependam da sua compreensão do modo como as sensibilidades dos autores e leitores de quadrinhos estão mudando”, analisou Ana Koehler.

“Nesses 27 anos, o prêmio já conquistou uma relevância que não se perde. Um troféu sem relevância não teria essa reação acalorada, para dizer pouco, que tivemos. Achei que foi além do normal. Estamos todos do mesmo lado, pelo quadrinho brasileiro. Mas pisadas de bola sempre acontecem. Somos humanos”, ponderou Jal.

Para a equipe do Universo HQ, a campanha toda foi muito ruim e mal planejada e executada, houve, sim, machismo na peça e o pedido de desculpas do HQ Mix demorou demais. Mas também entendemos que extremismos mais acalorados, como a sugestão de extinguir ou boicotar o prêmio, não sejam o caminho para fortalecer o mercado.

• Outros artigos escritos por

.

.

.