Prêmio Jabuti cria categoria para histórias em quadrinhos

Por Samir Naliato
Data: 3 maio, 2017

No início deste ano, um movimento que reuniu autores, editores, jornalistas e fãs pediu ao Prêmio Jabuti (o mais importante prêmio literário do Brasil) a criação de uma categoria para Histórias em Quadrinhos. Inclusive, um abaixo-assinado on-line foi realizado (veja aqui), e contou com o apoio de mais de duas mil pessoas.

Hoje, o novo curador do prêmio, Luiz Armando Bagolin, anunciou mudanças que incluem a criação de duas novas categorias, sendo uma delas Histórias em Quadrinhos. A outra será Livro brasileiro publicado no exterior.

Assim, o número total de contemplados subirá para 29.

“A mobilização foi muito importante para a sedimentação dessa categoria, que passa a vigorar a partir deste ano, mas já havia uma compreensão dentro da Câmara Brasileira do Livro e do Jabuti a respeito da inclusão dela. Recentemente, li um artigo na New Yorker que defendia, com todo vigor e argumentos muito claros e racionais, que HQ é, sim, uma categoria literária. Não é algo que deva ser marginalizado, embora andar à margem seja uma das possibilidades do mundo das HQs. Essa discussão foi amadurecendo aqui dentro e achamos que esse seria o momento adequado para incluí-la”, explicou Bagolin, em depoimento reproduzido pela Publish News.

Anteriormente, quadrinhistas foram indicados e ganharam o troféu, mas em outras categorias, como Capa, Adaptação e Ilustração de livro infantil ou juvenil. Jamais houve uma específica para celebrar as publicações da Nona Arte.

O Prêmio Jabuti foi criado em 1959 e, em 2018, realizará sua 60ª edição.

• Outros artigos escritos por

.

  • Fernando Leal

    Demorou…

  • Kimberly

    Ótimo!

  • Cristiano Cruz

    Até que enfim.

  • Josival Fonseca

    Não dá pra entender como pessoas tão intelectuais deixaram os quadrinhos de escanteio por tanto tempo. Até parece que nenhum deles leu gibi na infância ou então viviam em um mundo paralelo onde não existia hqs. Agora diz que “esse é o momento adequado…”, depois da pressão não teria como não ser, e adequado já era pra ter sido no máximo nos anos 80. É complicado entender a cabeça desse povo.

  • Giorgio Cappelli

    Os quadrinhos brasileiros não precisam de prêmios. Precisam de uma distribuição melhor.

    • helio

      De distribuição melhor, artistas melhores, histórias melhores, não essas coisas que são lançadas tudo copiando o mercado americano, japonês, tudo clichê.

      • Giorgio Cappelli

        Preciso comentar depois dessa?

      • marcio monteiro

        Completamente equivocado!!
        Essas comparações são sempre complicadas. Os americanos criaram o Mickey e cia, mas os melhores quadrinhos, hoje, vem da Itália e nem são consumidos em grande escala pelos americanos. Os americanos tinham hqs de faroeste a muito tempo atrás e hoje quem produz p o mundo é a Bonelli (Itália). O traço do novo quadrinho Franco belga sofre influencia do mangá. Isso não quer dizer q seremos um futuro pólo emergente e produtor de quadrinhos, mas somos um país que tem a sorte de receber quadrinhos de gosto e estilos variados e nossos artistas, como consumidores desse material, estão antenados produzindo com qualidade.
        Tem muito quadrinho de qualidade produzido no mercado por artistas brasileiros, de todos os gêneros, estilos, gostos e o que mais lhe interessar, basta se desarmar de que o quadrinho brasileiro é mera cópia do que vem lá de fora. Sem isso, fica complicado. Esse site prega essa postura, veja os podcasts ou resenhas e talvez vc encontre algo q fará vc mudar de ideia.

    • Diêgo Silveira

      Há um consenso quanto a distribuição ser um Calcanhar de Aquiles. Publicidade, propaganda e tradição ou continuidade também constituem obstáculos raramente transpostos.
      Sobre a qualidade, esse é um ponto delicado. Houve e há autores e obras de nível internacional, como também quem se restrinja ao pastiche. Em ambos os casos, as limitações do mercado fazem com que apareçam pouco e mal.
      Se não é essa a percepção de todos, bem ou mal, é a de muitos.
      * diegosilveiramaia.blogspot.com

  • Quem sabe seja o impulso para motivar a criação de quadrinhos em terras brasileiras, afinal já é tão difícil fazer quadrinhos no país.

  • É um excelente notícia. Essa categoria, mesmo chegando de forma tardia, será uma grande difusora de obras nacionais.

  • Diêgo Silveira

    Discute-se muito, em particular no âmbito acadêmico, se quadrinhos são ou não uma forma de literatura. As motivações passam pela pecha que o quadrinho seria uma forma de “sub” literatura.
    Particularmente considero essa discussão secundária, em vista da evidenciação que um prêmio dessa alçada proporciona.
    Que venham outros.