Quadrinho da Editora Skript abordará preconceito e postura tóxica nas comunidades nerds

Por Samir Naliato
Data: 17 setembro, 2019

A editora Skript iniciou a pré-venda no Catarse se seu próximo quadrinho, chamado As inconcebíveis as aventuras do Super-Incel e os cabulosos nerds tóxicos (formato 20 x 27 cm, 59 páginas).

Trata-se de um quadrinho satírico, reflexivo e combativo ao bullying, preconceito e postura tóxica nas comunidades comunidades nerd na internet.

De acordo com a editora, em época de censura como no caso da Bienal do Livro ou de manifestações em filmes protagonizado por mulheres ou personagens negros, a revista chega em um momento oportuno, buscando combater esse comportamento de ódio. “O anúncio do projeto chegou a sofrer ataques por pessoas que não gostaram de ver suas falas satirizadas em charges”, afirmou a Skript.

Em sua primeira semana, a campanha alcançou 30% de sua meta, e o lançamento está programado para a CCXP, em dezembro.

São mais de 30 autores envolvidos, como

Bruno Brunell, Bruno Felix, Caio Oliveira, Daniel Sousa, Diego Moreau, Douglas Freitas, Fábio Ianzer, Felipe Manhães, Felipe Tazzo, Fernando Rodrigues, Gabriel Kolbe, Guilherme Santos, Guilherme Smee, Italo Souza, João Gutkoski, João Victor Alves dos Santos, Lucas Machado, Luciano Abraão, Lucas Oliveira, Marcel Bartholo, Mário César Oliveira, Murilo Zibetti, Nilo Niquelatte Júnior, Rafael Nasic, Rodrigo Geraldo, Rodrigo Selback, Sandro Zamboni, Thiago Krening, Thomas Grotto, Val Oliveira e Yuri Perkowski Domingos.

Para ver mais detalhes do projeto, planos disponíveis, recompensas e apoiar, clique aqui.

.

As inconcebíveis as aventuras do Super-Incel

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • Esse negócio de pré-venda pelo catarse me incomoda.

  • Canoa Furada

    Pelo assunto abordado, tem material suficiente pra ultrapassar em número de edições a parceria Bendis/Bagley à frente de Ultimate Spideman.

    Considerando que o humor ainda não foi proibido no Brasil.

  • Marquito Maia

    Na verdade, me parece que o ilustrador reuniu os elementos que servem pra destilar o preconceito contra nerds em geral. (Eu só trocaria o celular por um monitor de computador, com o nerd “incel” de olhos vidrados e tal, no ambiente semiescuro do quarto!!) E já que o assunto é esse, o grande editor Rogério de Campos certa vez disse que leitores de gibi de super-heróis não transam nem nada… Obviamente, ele generalizou, mas é impossível não concordar!! E adorei o “agenda da esquerda”… Aliás, já que perguntar (ainda) não ofende, qual seria a “agenda da direita”? Tamo perdido mesmo..

    • Vitor Zacharias

      A demais, há uma teoria interessante de quem rotula os outros de virjão , é um virjão enrustido que paga de comedor, é tipo um aquelers gay que reprimem sua homossexualidade e pagam de “héterões”

  • Jean Carvalho

    Que ilustracao perfeita! que otima satira!

  • Gustavo Borgonovi

    Perfeito. E o desenho do Caio atingindo na mosca, como sempre…

  • Thais Linhares

    Nenhum nerd da minha turma se ofendeu com a imagem e ainda confirmam o tipo que contamina as comunidades. Semiótica tá perfeita.

    • Márcio dos Santos

      “A Minha Maravilhosa Bolha Social”

  • Thais Linhares

    É sobre isso o quadrinho. Agora só falta vc dizer que Freud fez projeção da projeção.

  • ataulfomfreire

    A história certamente nos remete à reflexão, além dos excelentes desenhos.

  • Gualter Aquino

    Você sabe que o incel chama a si mesmo assim, né?

    • Vitor Zacharias

      Mas oque importa é intenção colocativa da palavra, fato é que incel se tornou um xingamento. Generalizar todo um grupo como incel não é bullyng não amiguinho pode confiar.

  • João Victor Joestar

    sei la… me identifiquei

  • Alekz Fate Jumper

    A carapuça serviu bem né?

  • Matheus Santiago

    Não querendo fazer o advogado do Diabo mas eu acho meio problemática essa HQ. Esses “incels” são pessoas com dificuldade de socializar, se sentem excluídos e inseguros, e isso pode ser por diversos motivos, traumas, problemas familiares ,etc. Claro que isso não justifica praticar preconceito e nem nada do gênero, mas tratar eles como vilões não ajuda. É a mesma coisa para outros grupos da sociedade, criminosos não são só maus e por isso cometem crime, claro que devem haver punições proporcionais ao crime, mas também devemos pensar no catalizador desses problemas e como contornar isso. Só ironizar esse fenômeno dos incels reforça o sentimento de exclusão e joga as pessoas cada vez mais dentro de suas bolhas, não resolvendo nada no final.

    • Gustavo Campello

      Belo argumento, O único sensato até agora…

      Não sei como é a HQ, talvez tudo isso seja abordado de alguma maneira, mas realmente está difícil aguentar Nerd que lê X-Men e apoia preconceito.

      Falei sobre isso no meu canal

      https://www.youtube.com/watch?v=W2Swc2G2bQo&t=102s

  • Muitas vezes o que é chamado de “preconceito e postura tóxica” são apenas tentativas de censurar opiniões divergentes.