Teocrasília: HQ propõe debate sobre religião e política

Por Marcelo Naranjo
Data: 9 novembro, 2017

Após a “Revolução da Palavra”, o país precisou modificar radicalmente seus hábitos e cultura pelas normas dos “Legionários do Altar”. Os que não se enquadram são direcionados aos “Campos de Reconsagração”. Mas nem todos dobram os seus joelhos, e personagens como Yuri, Vicky e Gambino vivem suas jornadas particulares neste universo fictício e ao mesmo tempo tão familiar.

Esse é o cenário de Teocrasília, HQ de Denis Mello que propõe um debate sobre a interferência, cada vez mais comum, de líderes religiosos na política. Sem a intenção de criticar nenhuma religião, a obra alerta sobre alguns caminhos obscuros que isso pode criar.

O primeiro livro, de um total de seis, será lançado em janeiro de 2018, pelo novo selo de quadrinhos Caligari, e está em pré-venda na plataforma de financiamento coletivo Catarse.

Denis Mello é coautor da premiada HQ de terror Beladona, que foi impressa por meio de uma campanha bem-sucedida no Catarse em 2014 e ganhou o Troféu HQ Mix.

• Outros artigos escritos por

.

  • Digo Freitas

    Dá pra ler um tanto da HQ lá no Tapas https://tapas.io/series/Teocrasilia
    Recomendo demais!

  • Adorei o tema e arte parece ser bem bonita.

  • Senor Abravanel

    Premissa batida. Gostaria de ver um autor destemido e lúcido que retratasse a ascensão de seitas neo-marxistas e a tentativa de implementação de valores globalistas em Brasília, por sinal, feita à revelia do povo.

    • Senor Abravanel

      Nem precisava de Catarse. Qualquer Mídia Ninja da vida patrocinaria um projeto desses, confundindo (propositadamente? será?) representação religiosa legal dentro de um estado laico com estado totalitário religioso. Queria ver descrever o messianismo lulo-petista, à moda Antônio Conselheiro moderno que vigora até os dias de hoje. Pra fazer isso não aparece um valente. Estão todos lobotomizados.

      • Sua crítica é correta. A questão é que 99,9% do metiê de autores de quadrinhos é esquerdista fanático. Se você os ver falando mal do PT é porque preferem o PSOL, PCO. E acham que PSDB é direita.

        “Revolução da Palavra” quem faz é o politicamente correto. E o press release “Sem a intenção de criticar nenhuma religião” é covarde. É óbvio que critica (e não há problema em fazê-lo). Porém é o onipresente clichê que mira no cristianismo e poupa o islamismo.

        • Senor Abravanel

          Tem toda razão. Basta lembrar da “Revolução Cultural” chinesa e a natureza assassina de tal movimento, de bandeira vermelha. Agora, pra criticar uma teocracia islâmica, além de contrariar um dos pontos da agenda (multiculturalismo) teriam que vencer a covardia que lhes é característica. Ainda mais ousado seria, considerando o fatídico episódio Charlie Hebdo (justiça seja feita, uma rara demonstração de coragem de cartunistas esquerdistas).

  • Dá até medo de pensar nisso, mas parece que é exatamente nessa direção que caminhamos!

  • Eli Morenno

    Adquiri das mãos do autor na CCXP 2016 e não preciso concordar com sua visão de mundo, bem diferente da minha, para reconhecer um excelente trabalho autoral e recomendo a leitura para todos os leitores que querem saber mais além da polarização direita x esquerda.

  • Todos insistem nesse papo de Beladona como hq de terror. Terror mesmo não tem quase nada. É uma obra que bebe 100% na fonte de Sandman. É uma fantasia negra para adultos, obscura, gótica. Um pop estilo Type O Negative. Não um Cannibal Corpse