Veja os quadrinhos programados pela Editora Veneta para abril

Por Samir Naliato
Data: 6 abril, 2016

Giovaníssima A Editora Veneta confirmou três lançamentos de quadrinhos para este mês de abril, sendo dois deles nacionais e um europeu. Veja abaixo os detalhes de cada título.

Giovaníssima (104 páginas, capa dura, R$ 74,90) é um álbum erótico da italiana Giovanna Casotto, no qual quem manda são as mulheres. As mais ousadas e escandalosas histórias da autora foram reunidas, explorando os meandros do desejo e da sexualidade feminina em imagens hiper-realistas e tramas cheias de ironia e sedução. Subvertendo os clichês do erotismo, Giovanna retrata mulheres poderosas, voluptuosas e sexies, inspiradas em suas próprias fantasias e experiências.

A dona de casa, a matadora de aluguel, a esposa de um jogador de futebol, a enfermeira e o casal consumidor de pornografia na internet são alguns dos personagens deste livro. Figuras que povoam o lugar comum do erotismo, frequentemente retratadas como objetos da fantasia masculina, mas que aqui comandam a narrativa, que se desenrola a partir do desejo das mulheres.

A Sereia de Mongaguá (80 páginas, R$ 59,90), de Marcos Paulo Marques e Thiago Moraes Martins. Uma aspirante a atriz toma aulas de interpretação com um taxidermista, que busca inspiração invadindo a privacidade de seus clientes. Um cineasta em crise é submetido a um tratamento de hipnose burlesca. Um vidente lê o futuro nas próprias tatuagens. Bem-vindo ao mundo surreal Mongaguá, a pacata cidade no litoral paulista.

Ye (176 páginas, R$ 59,90), de Guilherme Petreca. Piratas, bruxas, malandros e monstros: o garoto Ye enfrenta os grandes perigos do mundo em sua jornada de autodescoberta. Mudo, tímido e frágil, ele embarca sozinho em uma viagem pelo desconhecido em busca da bruxa Miranda, a única capaz de ajudá-lo a se libertar do sopro do Rei sem Cor. Uma história de aventura e magia para adultos e crianças, com referências que passam por Senhor dos Anéis, Sandman e História sem Fim.

A Sereia de MongaguáYe

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • Douglas Coelho

    Evoé! Aproveito para pedir a editora para pensar com carinho no material do Christophe Blain.

    • Kkk coincidência ou vc tb se lembrou de Isaac o pirata ao ver os traços de YE? Acabei de comentar isso…

  • Materiais caros hein

    • Realmente, acho q não tenho nenhum quadrinho da Veneta ainda… Vou me esforçar pelo menos para comprar Talco de Vidro q dizem ser excelente (sei q Tungstênio também é)!

  • Leonardo

    Giovaníssima é relançamento daquela edição lançada pela Conrad ou é material novo?

  • Dimas Mützenberg

    Dá-lhe Veneta. Só material de primeira.

  • Como já dito em outro site, quando vi os traços da capa desse YE e a sinopse começando com Piratas, até achei q se tratava da sequência de Isaac, o Pirata, excelente material publicado por aqui pela Conrad, mas q não teve sua continuação publicada no Brasil. Aliás, YE me interessou.

    • Pedro Bouça

      Isaac, o Pirata está incompleta até na França, o autor não publica um álbum novo desde 2005!
      O Blain também deixou incompleto o faroeste Gus (três volumes publicados entre 2007 e 2008) e fez umas obras fechadas depois disso, como o premiado Quai d’Orsay.
      Parece ser coisa da geração dele. Tanto Joann Sfar quanto David B. também andam deixando pilhas de obras incompletas por aí.

      • Poxa, uma pena essa falta de comprometimento. Quanto a Isaac, nunca tive acesso à continuação, sabia dela apenas pela internet, mas imaginava q seria a conclusão.

        • Pedro Bouça

          Não, o mundo ainda aguarda a conclusão de Isaac, o Pirata.

        • Brontops

          Não sei se é muito comum de acontecer em quadrinhos (Aliás talvez valesse uma matéria da Universo HQ: quadrinhos incompletos). Eu me lembro de ter ficado várias vezes na mão com obras sem conclusão. Geralmente por falência de editoras. O pior caso foi o de Akira… resolvido anos depois. Me lembro de um quadrinho alemão que saiu na Animal: O Sonho do Tubarão de Mathias Schulteiss, uma espécie de pré-filme-favela que se passava na Nigéria. Sei que houve uma continuação, mas… Houve o caso da saga de Alef-Thau, no qual o desenhista Arno morreu de Aids (a história foi concluída por outro desenhista e Jodorowsky usou isso).

      • Brontops

        Eu adquiri o restante da série de Isaac (em espanhol) e, devo dizer, aquelas 3 publicadas pela Conrad foram as melhores. Não que seja ruim… mas… Puxa, poderia realmente terminar daquele jeito.

  • Veneta, se vocês não conseguem cobrar mais barato, então pelo menos publiquem os materiais com capa cartão. Capa-dura é desnecessário e encarece ainda mais o material, dificultando a aquisição para grande parte de nós! Caso lerem esse comentario, pensem nisso, talvez vocês vendessem mais tirando os mesmos lucros, pq R$ 75 por 100 páginas tá impossível.

    • Pedro Bouça

      Falo com conhecimento de que tirar a capa dura só iria reduzir o preço das edições em uns 5 reais, se tanto.

      • Hmmm tem editoras q lançam versões em capa cartão e capa dura de uma HQ com diferença de preço de R$ 10 a R$ 15…

        • Moroni Machado

          Você não pode comparar uma tiragem de uma panini da vida.

          Fora que material interno. Você tem que pagar a editora, desenhista, roterista, etc…

          • Não comparei… Só sugeri capa cartonada para baratear e citei q vejo diferenças maiores do q R$ 5 entre os mesmos quadrinhos publicados em capa cartonada e capa dura… Graphic msp da Panini por exemplo é R$ 10 a mais com capa dura e os quadrinhos da Pixel, R$ 15 a mais… No caso da Veneta q se enquadra no seu exemplo, talvez a capa dura saia ainda mais cara…

          • Pedro Bouça

            No caso das graphic MSP tem a diferença da distribuição em banca para a de livraria. As tiragens de banca são PELO MENOS vinte vezes maiores…

          • Por isso não comparei…

  • wesley

    Esse YE parece bem interessante

  • Homem Simpson

    Recomendo à editora considerar a publicação brasileira da obra de Frank Miller “The life and times of Martha Washington in the twenty-first century” (https://www.darkhorse.com/Books/14-003/The-Life-and-Times-of-Martha-Washington-in-the-Twenty-First-Century), a qual continua, até hoje, fora da programação de qualquer outra editora séria e da Devir, que, de sério, só tem seus preços exorbitantes.