Confins do Universo 101 – Brincadeira de criança: quadrinhos infantis

Por Samir Naliato
Data: 15 abril, 2020

Há quadrinhos para todos os públicos e todos os gostos. E alguns dos mais populares, sem dúvida, são os infantis!

Tanto no Brasil quanto no exterior, revistas e tiras voltadas para as crianças são muito populares, criaram histórias clássicas e personagens icônicos.

De fundamental importância para o mercado editorial nacional, estão na gênese da mídia por aqui com revistas como O Tico-Tico, Suplemento Juvenil e Globo Juvenil.

Pato Donald e Disney ajudaram a criar o império da Editora Abril, e a Turma da Mônica se tornou uma milionária marca multimídia.

Quadrinhos infantis já venderam centenas de milhões de cópias no passado e, apesar de os números não estarem mais no mesmo patamar, continuam encantando a criançada.

Neste episódio, relembramos os que mais nos marcaram em nossa infância, além de relembrar de vários títulos e personagens, projetos surpreendentes e curiosidades ao longo das décadas.

E ainda: mensagens dos ouvintes, erros de gravação e o mistério envolvendo Riquinho, Brasinha e Gasparzinho!

Confins do Universo 101 – Brincadeira de criança: quadrinhos infantis

.

Participantes

_____________________________________________________________

 Comentado neste programa

_____________________________________________________________

Contato

Envie a sua mensagem com sugestões, elogios ou críticas: podcast@universohq.com
Mensagem de voz via Whatsapp para (11) 94583-5989
Redes sociais: Twitter – Facebook – Instagram – Youtube

_____________________________________________________________

Assine o Confins do Universo

Feed RSS – http://podcast.universohq.com/feed/
iTunes Store | Spotify | Deezer

_____________________________________________________________

Confins do Universo em vídeo

Canal do Universo HQ no YouTube

_____________________________________________________________

Edição e Sonorização

O Confins do Universo é editado por Rádiofobia Podcast e Multimídia.

_____________________________________________________________

Narração de abertura e encerramento

Guilherme Briggs – Twitter – Facebook – Instagram

_____________________________________________________________

Logotipo

Damasio Neto – Facebook – Instagram

_____________________________________________________________

Ilustração do Confins do Universo

Daniel Brandão (versão 1) – Twitter – Facebook – Site Oficial
Vitor Cafaggi (versão 2) – Twitter – Facebook – Instagram
Sandro Hojo (versão 3) – Twitter – Instagram

Confins do Universo

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • Gustavo Azevedo

    meu local preferido em qualquer cidade sempre foi a banca de revista. hoje é bem difícil achar banca em qualquer lugar.

    • James Howllet

      No meu caso, acrescentaria loja de discos e locadoras de vídeo.Eu sobrevivi a segunda razoavelmente bem, a primeira ainda faz Eu ficar com o olhar perdidão mas banca de revistas… Meus olhos enchem de lágrimas quase todas as vezes…
      Quando visito a Amazon… passa o mesmo filme cheio de culpa.😔

  • Como foi dito no podcast, as histórias em quadrinhos no Brasil começaram a ser publicadas na revista “O Tico-Tico”.

    A Biblioteca Nacional, digitalizou edições da revista de 1905 a 1960.

    Com certeza, uma boa fonte para pesquisadores e curiosos de plantão.

    https://bndigital.bn.gov.br/artigos/o-tico-tico/

  • Chico Pereira

    Muito legal!Como foi comentado sobre a Graphic Novel dos Trapalhões, Didi volta para o futuro,o desenhista desta é Gustavo Machado

  • James Howllet

    Aêêê…!!!👏👏👏👏👏

  • Geraldo Borges

    Posso ter passado batido, mas nao vi mencao ao Alegria, otima criacao do Waldyr Igayara, li bastante esse material :) Mais um otimo episodio do Confins (e perdao pela falta de acentos, meu teclado desconfigurou :( )

  • kromak

    O lugar onde os quadrinhos Disney são mais populares não são na Italia, e sim nos países nórdicos, ao menos em termos relativos com relação ao tamanho das populações. Em termos absolutos, O Brasil teve tiragens maiores do que tanto a Itália quanto os Eua.

  • Gustavo Augusto O. Martins

    Mais um episódio de primeira qualidade! Lembro-me de que comecei a ler HQs nos anos 80 com a Turma da Mônica (como quase todo brasileiro) e li praticamente todos os quadrinhos infantis publicados na época: Lulu e Bolinha, os personagens do Ely Barbosa (Turma da Fofura, Gordo, Patrícia); Alegria (um garoto palhacinho); adaptações de personagens da TV: Fofão, Xuxa, Sérgio Mallandro, Os Trapalhões (a versão criança; ainda tenho a Graphic Novel “Didi Volta para o Futuro”) e Disney, claro (minha paixão maior). Êêê tempinho bom!

  • Rogerio Araujo Ferreira

    Armandinho do Alexandre Beck é infantil ou tem um discurso adulto demais? Não falaram dele.

    • Cassiano Cordeiro Alves

      Eu acho que Armandinho é um quadrinho adulto com traço infantil. Foge da pegada abordada no programa, creio.

  • brunoalves65

    Fantástico! Falaram até da hq A Vaca Voadora! !!

  • Pedro Bouça

    Uau, alguém lembra do Agente Cãofidencial! Eu nem era criança mais, mas adorei aquela edição, pena que ficou só nisso.

    • Nano Richardi

      Boa! Teve poucas edições… o ilustrador/roteirista era das revistas de RPG Dragão.

  • Paulo Torres

    Adorei o episódio. Tenho muitas e muitas lembranças das HQs infantis do fim dos anos 80 e início dos 90: as sensacionais Disney brasileiras (o lançamento das revistas da Margarida e do Urtigão criaram novos universos riquísismos dentro do cânone disneyano), a Turma da Mônica fazendo experimentos de mercado (o concurso para escolha do nome do gato da Magali, o lançamento do Almanacão de Férias, os minigibis), os clássicos da Hanna Barbera, turma do Pica-Pau, Luluzinha, Recruta Zero, o Menino Maluquinho que era publicado em um papel fosco e mais duro que deixava as cores do Ziraldo “chapadas”, e a produção nacional que ia da Turma do Lambe-Lambe até os quadrinhos da Angélica e do Faustão!
    Uma sugestão é um episódio sobre os bastidores desses quadrinhos de celebridades. Certamente não faltam boas histórias. Será que a Xuxa lia seus próprios quadrinhos?

  • Cassiano Cordeiro Alves

    “Enquanto eu for criança continuarei lendo quadrinhos infantis”… Marcus Ramone mandando bem no coração dos leitores. (Pena que este ano não rolou a famigerada “matéria dos ovos”).
    Sobre o episódio, minha primeira coleção de hqs foram umas 20 ou mais edições de Disney Especial que “herdei” do meu tio (ele ainda está vivo). Infelizmente, quando eu tinha uns 14 ou 15 anos acabei me desfazendo deles (adolescência é foda!).
    Como a maioria, em minha infância eu lia basicamente Disney e Turma da Mônica, mas tenho boas memórias das tirinhas do Hagar e da Laerte publicados no jornal. Atualmente até comprei algumas edições Disney e da Turma da Mônica, mas para entreter a minha filha, não constar na coleção (claro, há exceções: o crossover Turma da Mônica e Liga da Justiça, uns dois ou três encadernados capa dura Disney da Abril, e só eu acho).

  • Rafael Monteiro de Castro

    Parabéns a todos, em especial ao Naranjo pela pesquisa nessa introdução! Abs

  • Natanael Floripes

    Um material de que vocês não falaram e que chegou a ter um bocado de revista, embora eu não achasse grande coisa, foi o O Pica-Pau. Saiu durante décadas pela Editora Abril e antes saiu pela Ebal (a revista da Ebal chamava Údi-Údi e tinha o subtítulo O Pica-Pau).

    Outro que teve muito material publicado foi a turma do Pernalonga. Além do personagem principal, outros chegaram a ter revista (de cabeça lembro da do Gaguinho). Saiu pela Editora Abril e Ebal.
    Tom e Jerry é outro material infantil que teve muita revista por aqui.

    Agora, uma correção. Vocês falaram em a Gansola. O personagem, que só teve esse nome nas 11 edições da Editora Vecchi e que na RGE era conhecido como Bronco, o Furacão de Fraldas é menino. A wikipedia americana tem mais informações sobre o personagem (https://en.wikipedia.org/wiki/Baby_Huey).

    E falando em personagens Harvey (dos quais o meu favorito, aliás, era a Brotoeja), teve uma época que a editora era literalmente sustentada pelo Riquinho (Richie Rich). De curiosidade, vejam na wikipedia americana (https://en.wikipedia.org/wiki/Richie_Rich_(comics)#Titles_published)
    uma relação dos títulos que ele teve. Teve época que a Harvey publicava coisa de 20 revistas ou mais por mês só do Riquinho!