Confins do Universo 108 – Flash(es): 80 anos em velocidade máxima

Por Samir Naliato
Data: 22 julho, 2020

Ele é o Flash, o homem mais rápido do mundo. E está completando 80 anos!

A estreia aconteceu em Flash Comics # 1 (1940), e desde então ganhou grande importância na DC Comics. Catalisador de grandes mudanças na editora, foi reformulado, inaugurou a Era de Prata dos quadrinhos norte-americano, salvou o universo, morreu, retornou e teve alguns velocistas diferentes usando a roupa escarlate.

Neste episódio do Confins do Universo, Sidney Gusman, Samir Naliato e Marcelo Naranjo recebem os convidados Mario Luiz C. Barroso (tradutor) e Gustavo Vicola (jornalista e editor) para relembrar a jornada deste clássico herói, suas reformulações, legado, autores importantes, adaptações e muito mais!

E ainda: erros de gravação!

Confins do Universo 108 – Flash(es): 80 anos em velocidade máxima

.

Programa em vídeo

Participantes

_____________________________________________________________

Confins do Universo recomenda

_____________________________________________________________

Comentado neste programa

_____________________________________________________________

Contato

Envie a sua mensagem com sugestões, elogios ou críticas: podcast@universohq.com
Mensagem de voz via Whatsapp para (11) 94583-5989
Redes sociais: Twitter – Facebook – Instagram – Youtube

_____________________________________________________________

Assine o Confins do Universo

Feed RSS – http://podcast.universohq.com/feed/
iTunes Store | Spotify | Deezer

_____________________________________________________________

Confins do Universo em vídeo

Canal do Universo HQ no YouTube

_____________________________________________________________

Edição e Sonorização

O Confins do Universo é editado por Rádiofobia Podcast e Multimídia.

_____________________________________________________________

Narração de abertura e encerramento

Guilherme Briggs – Twitter – Facebook – Instagram

_____________________________________________________________

Logotipo

Damasio Neto – Facebook – Instagram

_____________________________________________________________

Ilustrações do Confins do Universo

Daniel Brandão (versão 1) – Twitter – Facebook – Site Oficial
Vitor Cafaggi (versão 2) – Twitter – Facebook – Instagram
Sandro Hojo (versão 3) – Twitter – Instagram

Confins do Universo

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • 0-Drix

    Excelente!
    Acho que o Flash é o super-herói de mais fácil e imediata identificação para uma criança, pois seu poder parece o mais acessível: correr mais rápido que todos os demais. Talvez por isso este personagem icônico seja tão presente no imaginário popular e nas mídias.
    Mas para o programa ficar mais do que completo, faltou a referência a “versão” do Flash pelo diretor sueco Ingmar Bergman. Procurem no youtube por “What if Ingmar Bergman Directed The Flash?”. Uma sacada genial, que vai ao encontro do questionamento quanto a solidão de um ser que vive sempre acelerado.

    • brunoalves65

      Fui conferir sua dica e esse curta é simplesmente genial!

  • Excelente episódio, como sempre!

    Me pergunto se a tradução “Joel Ciclone” não surgiu por medo dos editores da época de que os leitores confundissem o Flash Jay Garrick com Flash Gordon. Nada comprovado, só uma teoria que me surgiu ouvindo ao episódio.

    Sobre a eterna briga do meio geek sobre qual é o melhor Flash, fico com a impressão que para mim e para muita gente da minha geração, o Barry Allen é o “tio Ben da DC” – leia-se, um personagem cuja função narrativa é morrer para servir de inspiração. Tanto que ainda hoje as diferentes versões para outras mídias, por mais que usem o nome Barry, sempre pegam traços da personalidade do Wally.

    Por fim, sobre o Flash ser apresentado como piadista das equipes em que participa, gosto da visão do desenho da Liga, em que só parece que ele não leva nada a sério. Ajuda até a explicar porque escolheram o Ezra Miller, que interpretou papel semelhante em As Vantagens de Ser Invisível, para o papel no cinema. Pena que no meio do caminho tinha um Zack Snyder…

  • Evandro Antonio Cruz

    Eu não compararia a morte do Flash Reverso com a do Zod em MOS.A morte do Thawne foi um acidente com o Flash sendo descuidado devido ao desespero de impedir ele de matar sua segunda esposa Fionna Webb.Ele foi acusado e julgado por homícidio culposo quando não há intenção de matar.

  • brunoalves65

    Enquanto escutava o episódio lembrei do filme A Creche do Papai, com o Eddie Murphy. Nesse filme tem um garotinho que usa um uniforme do Flash, que não tira pra nada, e quando ele corre aparece o efeito de velocidade do personagem. O filme não é lá essas coisas, mas as cenas com o “Flash” são bem divertidas. :)

    • Cassiano Cordeiro Alves

      Também gostei deste filme. E um dos personagens fala que “Wally West é o nome do Flash” quando estão procurando o menino.

  • kromak

    Flash do Waid é como qualquer série do Waid. Uma montanha russa, com subidas a picos altos e descidas a níveis bem baixos. Para ser justo, nos primeiros anos, o carrinho fica lá em cima por longos períodos. Depois do arco da volta do Barry Allen, fica lá embaixo por looongos períodos. Só não digo o tempo todo porque não lembro do último arco (a do Flash com prateado/cinza na roupa) e porque algumas histórias individuais são muito boas.

  • Cassiano Cordeiro Alves

    Mais um baita programa. Meu primeiro contato com o Flash foi no desenho dos Superamigos. Depois foi na série dos anos 90 (na verdade antes… O longa-metragem que deu origem à série foi lançado em vhs, chegou na locadora e fui o primeiro a locar).
    Nas hqs lembro de ficar confuso ao ler uma história do Flash na revista Novos Titãs da ed. Abril e me deparar com o “tal Wally West”. Tudo ficou mais fácil tempos depois, quando li Superpowers 22 explicando sobre os 3 Flashes. E Wally ainda é meu Flash preferido, acho que o Barry funciona melhor como mentor morto e inspiração. Sobre a citada hq da Mythos “De Volta À Era de Prata” eu gosto muito e super-recomendo a leitura.
    Gosto muito do Flash Grant Gustin e da série como um todo (parei na temp. 3) e o Flash do filme da Liga não me agrada, desde o uniforme até a caracterização boba. Curiosidade: na série dos anos 90 Barry tinha como inspiração o irmão mais velho, o policial Jay Allen, morto em combate.

  • Rodrigo Pupo

    Muito legal esse episódio. Mas vale alguns comentários. É difícil saber a origem do nome Joel Ciclone, acho que pode ser pela dificuldade de pronunciar o nome mesmo. Mas se for o caso, como justificar a manutenção do nome do personagem Flash Gordon? Acho que o Sidão disse num Confins que o Jotapê se arrependeu de manter Joel Ciclone quando o personagem veio para a Abril.

    Em relação a Sociedade da Justiça da América e o All-Star Squadron houve uma confusão. A SJA tinha histórias publicadas nos anos 1940 na revista All-Star Comics. Como vocês disseram ela publicava histórias de personagens populares, mas sem apelo suficiente para ter sua própria revista. Quando Roy Thomas foi para a DC nos anos 1980 ele criou a revista All-Star Squadron (Comando Invencível aqui) que reunia todos os personagens da era de ouro da DC, que habitavam a Terra 2. Por isso as duas revistas não são concomitantes.

    Há rumores que Thomas ficou furioso com Crise nas Infinitas Terras porque ela acabou com a Terra 2 e, consequentemente, com sua revista.

    Água Pesada é uma substância que possui mais hidrogênio que água normal usada em alguns reatores nucleares. Ela teria sido descoberta em 1933 e daí a imaginação popular usou-a como desculpa para a criação do Flash.