Wolverine e a cronologia

Por Diego Figueira
Data: 3 junho, 2009

 

Wolverine
É bem provável que diversos autores, quando criaram a maioria dos super-heróis,
não imaginavam que seus personagens teriam uma vida tão longa, cheias
de idas e vindas, que fossem envelhecer, casar, ter filhos e até morrer
e serem substituídos por uma nova geração.

Mas com super-heróis cada vez mais humanizados nada mais natural que se
criasse uma linha do tempo, uma evolução natural, como as vidas dos próprios
leitores.

Assim, com o acúmulo de décadas de histórias dos mesmos personagens, a
cronologia nas revistas de super-heróis se tornou um elemento muito importante
e levado tão a sério pelos fãs que qualquer alteração nela causa grande
estardalhaço.

É interessante notar que, ao mesmo tempo em que leitores e autores aparentemente
concordam que a cronologia é parte essencial da experiência de se ler
super-heróis, existe um consenso silencioso de que, algumas vezes, ela
é limitante.

Wolverine
Tanto que, com o tempo, os roteiristas desenvolveram uma série de subterfúgios
para mexer a cronologia de “forma inteligente”.

Uma das ferramentas mais comuns chama-se retcon – uma abreviatura
de retroactive continuity, ou continuidade retroativa. Com isso,
o autor insere um fato lá no passado dos personagens que passa a influenciar
diretamente a história atual.

Um exemplo claro desse uso é Crise
de Identidade
, na qual o roteirista Brad Meltzer insere no passado
da Liga da Justiça dois grandes segredos: o estupro de Sue Dibny e os
heróis apagando a mente de vilões e, até mesmo, do Batman. Dois fatos
que desencadeiam a série de eventos mostrados nessa excelente minissérie.

Há também as constantes releituras de origens ou momentos cruciais na
vida de personagens como, por exemplo, Superman
– O Legado das Estrelas
, que tinha a pretensão de rever a origem
já canonizada do herói para aproximá-la do que estava sendo visto no seriado
Smallville.

Wolverine
Agora, um caso peculiar em que, principalmente nos últimos anos, a cronologia
passou a andar de forma um tanto estranha é Wolverine (saiba tudo sobre
o mutante canadense lendo esta
matéria
de Sérgio Codespoti).

Apesar de a origem do personagem estar mais ou menos organizada com Arma
X
e Origens, sua história tem grandes buracos inexplorados
e uma janela de tempo de praticamente um século antes de ele entrar para
os X-Men e se iniciarem as aventuras que todo mundo conhece.

Esses vazios, somados a um esgotamento criativo, graças à superexposição
que o personagem teve nas últimas duas décadas (centenas de títulos especiais,
minisséries, participações em outras revistas – ele chegou a participar
de uma média de quatro a cinco equipes com títulos mensais – além do título
solo), tem gerado uma situação atual em que a cronologia cresceu demasiadamente
para trás.

Wolverine
Analisando bem, atualmente Wolverine é uma represa cronológica. Pouco
se inova indo para frente com o personagem, contando as aventuras atuais
e expandindo sua história na direção natural; e muito se enrola: ou enganando
o leitor com promessas de grandes revelações – como o título mensal Wolverine
Origens
– ou explorando a janela de tempo antes dos X-Men
como, por exemplo, Wolverine
– Logan
– que se passa na Segunda Guerra Mundial.

A quantidade de informação inserida no passado de Wolverine se avoluma
tanto, que fazer uma linha do tempo para o personagem fica cada dia mais
difícil, uma vez que os eventos mais antigos, muitas vezes são os publicados
recentemente.

Só que deve-se sempre lembrar que, por mais importante que a cronologia
seja, ela não pode se sobrepor e ser uma barreira para boas histórias.
Ser inflexível nesse ponto impediria a existência de Crise de Identidade
e muitas outras boas revistas.

Contudo, no caso particular de Wolverine, não é o que se observa. Enquanto
ele se afunda cada vez mais no lodo infértil que se tornou seu passado,
autores poderiam estar olhando para frente ou, caso não exista mesmo opção
para o herói, deixem-no um pouco de lado e redescubram – ou mesmo criem
– outro personagem.

WolverineWolverine

Comente este artigo no Blog
do Universo HQ

Diego Figueira e Zé Oliboni não são radicais quanto à cronologia, mas se alterar algo no passado dos personagens preferidos dos dois, eles falam o que pensam sobre isso no Universo HQ e no Pop Balões.

• Outros artigos escritos por

.

.

.