A ARTE DE HOLY AVENGER

Por Sidney Gusman
Data: 1 dezembro, 2003


Autores: Marcelo Cassaro, Erica Awano, Denise Akemi, Petra Leão, Fran Elles Briggs, Lydia Megumi, Rodrigo Reis, Ricardo Riamonde, Jae Woo, André Vazzios, Eduardo Francisco, Carlos Vinícius e Nani Yasha (texto e desenhos).

Preço: R$ 29,00

Número de páginas: 80

Data de lançamento: Julho de 2003

Sinopse: Holy Avenger, a mais bem-sucedida história em quadrinhos
nacionais voltada para o público juvenil/ adulto dos últimos 30 anos acabou.
Por isso, seus editores decidiram lançar um artbook da série, com
depoimentos, imagens e curiosidades sobre a produção das 40 edições mensais
e mais os especiais.

Positivo/Negativo: Não é de hoje que a Talismã merece que se “tire o chapéu” para sua estratégia editorial. Para aumentar a expectativa em torno do fim de Holy Avenger, a editora bancou um atraso da última edição, para que ela fosse lançada durante os eventos Anime Friends e Animecon. Resultado: vendas pra lá de significativas.

Não bastasse isso, ofereceram aos seus leitores o último encadernado (já com a edição 40 incluída – ou seja, não esperaram para reaproveitar o encalhe da revista!) e este belíssimo A Arte de Holy Avenger.

A idéia, ousadíssima para o mercado nacional, foi viabilizada graças à sagacidade do roteirista e editor Marcelo Cassaro, que enxerga como poucos essas oportunidades. Assim, o que poderia parecer uma utopia tornou-se uma edição de qualidade gráfica soberba, diagramação arejada, textos divertidos e desenhos lindos.

A reunião de depoimentos de diversas pessoas ligadas à série, sobre os personagens e as histórias, é altamente enriquecedora para que o leitor tenha uma noção de tudo que acontece durante o processo de produção de uma revista mensal.

O álbum traz também mini-biografias dos autores e colaboradores de Holy Avenger e depoimentos sobre a série de profissionais do mercado, como Octavio Cariello, Fábio Yabu, Alexandre Nagado, Rogério Saladino, Daniel HDR, Joe Prado, este escriba e outros.

A Arte de Holy Avenger é um trabalho ímpar no nosso mercado. Afinal, lançar um artbook por estas bandas já é raro; de uma série de quadrinhos nacionais, então… Mas seu êxito de vendas só confirma a competência dos autores e da estratégia de negócios da editora.

O livro só não leva nota máxima por alguns descuidos com o português, listados a seguir:

Página 10 – “…onde faz a sessão Manga Ka” (o certo seria “seção”). Além disso, aparece um “(? Preciso conferir isso)”, típica observação do editor para averiguação posterior, mas que esqueceram de apagar do texto.

Página 24 – “mau-humorado” (o correto seria mal-humorado); “também tem haver com o personagem” (o verbo está errado, o certo é “a ver”; e este equívoco se repete mais de uma vez).

Página 44 – “monje” (a palavra é grafada com “g”).

Página 53 – “com certeza haverão novas histórias” (o certo é “haverá”, pois o verbo haver, por ser impessoal, não admite sujeito e permanece sempre no singular).

Página 58 – “Nóis achávamos…” (um erro de digitação, claro).

Página 65 – “…tem gente que pergunta porque eu não desenho” (deveria ser “por que”, separado).

Página 70 – O nome de Mauricio de Sousa, pra variar, foi grafado errado: “Maurício de Souza”. Esse engano chega a ser incrível pela repetição e se levarmos em conta que trata-se do mais conhecido profissional de quadrinhos do País.

Página 75 – “Não é coinciência…” (o correto seria “coincidência”).

Contudo, nem isso tira os méritos inquestionáveis desse álbum, que merece ser adquirido. Mas um aviso: a edição não será comercializada em bancas, somente em algumas comic shops e no site de Holy Avenger.

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.