A ÚLTIMA CAÇADA DE KRAVEN

Por Fernando Viti
Data: 1 dezembro, 2004


Autores: J. M. DeMatteis (roteiro) e Mike Zeck (desenhos).

Preço: R$ 14,90

Número de páginas: 144

Data de lançamento: Julho de 2004

Sinopse: Caprichada reedição do arco de aventuras de inspiração surrealista, que traz os devaneios e ações de Kraven para alcançar seu grande objetivo: não só se vingar do Aranha, mas também provar sua superioridade ao ocupar o lugar do herói aracnídeo na vida de Nova York.

Para isso, ele dopa o herói e o enterra vivo por duas semanas. Tudo para provar que era capaz de derrota-lo.

Nos Estados Unidos, a história foi publicada nas revistas de linha do Aranha, em 1987. Por aqui, saiu como minissérie, em 1991, pela Abril, que também lançou, meses depois, numa edição encadernada. A edição da Panini traz as capas originais da década de 1980.

Positivo/Negativo: Tédio! E apenas isso que sentirá o leitor deste que é um dos piores resgate do passado recente do Homem-Aranha, e seu bio-uniforme negro!

O que já era um porre nos anos 80, tornou-se, quase duas décadas depois, motivo de bocejo. A jornada de Kraven para provar a si mesmo sua superioridade é, no mínimo, um desperdício de papel, tinta e esforços de uma equipe equivocada devido à pretensão desmedida de retratar o conflito psicológico entre um vilão de origens aristocráticas e um Zé-ninguém.

As metáforas são as piores possíveis, os desenhos sem inspiração e os diálogos dignos de uma encenação escolar de final de ano.

O momento antológico desta bobagem sem tamanho é, sem dúvida, a tentativa de Kraven de manifestar seu inesperado carinho pelo escalador de paredes.

Pior do que isso, só mesmo a Saga do Clone! Eis um porre antológico que deveria permanecer esquecido em alguma prateleira de um sebo perdido de uma travessa da avenida São João!

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.