Action Comics # 800

Por Marcus Vinicius de Medeiros
Data: 14 maio, 2013

Action Comics # 800Editora: DC Comics – Revista mensal

Autores: Joe Kelly (roteiro), Pascual Ferry e Duncan Rouleau (desenhos), Alex Ross, Tony Harris, Bill Sienkiewicz, Dave Bullock, Ed McGuiness, J.H. Williams, Dan Jurgens e Klaus Janson, Kilian Plunkett, Jim Lee, Tim Sale, Lee Bermejo (vinhetas), Cam Smith, Marlo Alquiza, Scott Hanna e Duncan Rouleau (arte-final).

Preço: US$ 3,95

Número de páginas: 64

Data de lançamento: Abril de 2003

Sinopse

A história relembra a juventude de Clark Kent em Smallville, com a descoberta dos poderes fantásticos e as viagens pelo mundo que moldaram seu destino.

Em paralelo, pequenas vinhetas exploram o impacto do Superman na vida das pessoas comuns, como fonte de coragem e inspiração para o crescimento humano.

Positivo/Negativo

Surgido dos sonhos dos adolescentes Jerry Siegel e Joe Shuster, na cidade de Cleveland, Ohio, o Superman logo evoluiu das páginas da revista em quadrinhos Action Comics para as ondas de rádio, as tirinhas de jornal, as telas de cinema e televisão, marcando presença no imaginário de jovens e adultos como poucos personagens fictícios até então.

Mais que isso, ele se tornou uma presença garantida na vida de seus apreciadores, oferecendo conforto nos momentos difíceis e inspiração para vencer os problemas da existência. Desde 1938, as melhores histórias do Homem de Aço sempre exploram seu papel como homem, ícone e salvador da humanidade.

Para a edição especial comemorativa Action Comics # 800, celebrando a marca nunca antes atingida por um gibi de super-heróis, o roteirista Joe Kelly uniu-se a um time muito especial de ilustradores para narrar a jornada envolvente do jovem Clark Kent no caminho do amadurecimento, do qual emergiu mais forte como ser humano e, finalmente, aventureiro uniformizado. Contudo, ainda mais apreciável é a forma como eles apresentam o impacto do herói sobre o mundo real.

A trama principal da edição, com o título A hero’s journey, funciona perfeitamente como uma experiência cinematográfica do Homem do Amanhã, direta e emotiva, buscando um entendimento maior sobre o advento do super-herói definitivo. Trata-se de uma verdadeira declaração de amor ao mito por parte do escritor Joe Kelly, que apresenta aqui uma de suas maiores contribuições ao universo das revistas mensais do gênero.

O autor marcou sua passagem pelo título Action Comics com um trabalho forte na caracterização de personagens, dilemas éticos e boas doses de humor adolescente. A história publicada tempos atrás em Action Comics # 775, What’s so funny about truth, justice and the American way? (Olho por olho, no Brasil), é considerada um dos grandes clássicos recentes da trajetória do personagem, e Kelly não decepciona quando investe pesado no cerne da alma do kryptoniano.

Ao lado de Jeph Loeb e Joe Casey, ele mostrou a face mais humana e um jeito caipira de Clark Kent, em meio a épicos grandiosos e muita ação. Action Comics # 800 permanece, assim, como um dos momentos mais pujantes dessa seqüência espirituosa.

Kelly segue o caminho trilhado previamente por John Byrne e Jeph Loeb, ao narrar o processo de crescimento pessoal do jovem Clark Kent, mas seu texto tem personalidade própria e não fica devendo nada às investidas de seus predecessores.

Há numerosas cenas memoráveis, passando da infância de Clark em Smallville até sua estreia como Superman em Metrópolis, nas quais ganham destaque a interação com os pais amorosos Jonathan e Martha, e a amiga Lana Lang, além de um novo personagem que o inspirou como profissional competente na área do jornalismo. Mesmo as pequenas participações de Lois Lane e Jimmy Olsen também impressionam, e ao final da jornada não restam dúvidas sobre o poder de Kal-El para tocar o coração de cada um.

Na arte, o trabalho de Pascual Ferry é primoroso, brilhando em imagens de puro lirismo e muita emoção. Duncan Rouleau contribui com seu estilo apreciável e pouco usual, mas que funciona a contento.

E os artistas acertam em cheio nas vinhetas que entremeiam a ação central, narradas com estilos diferenciados em primeira pessoa por cidadãos comuns, que de alguma forma foram marcados pela presença do Homem de Aço no planeta. Desenhistas celebrados como Alex Ross, Tim Sale e Ed McGuinness, que possuem no currículo contribuições marcantes no universo do herói, mostram toda a sua força de forma diferente e inusitada.

Até o competente Dan Jurgens surge revisitando o impacto de sua clássica A morte do Superman, vista aqui por outros olhos. Todavia, o grande destaque vai para a sequência ilustrada por Jim Lee, que retrata a perseverança de uma deficiente física e celebra a frase “Nothing is impossible” (nada é impossível), justamente o título de um livro carregado de coragem escrito pelo saudoso Christopher Reeve, que foi um verdadeiro Super-Homem no mundo real.

É válido recordar aqui a afirmação do escritor Jeph Loeb, de que o Filho de Krypton representa esperança e um amanhã melhor para todos. Devemos, então, agradecer e celebrar com os numerosos artistas que mantiveram acesa a chama desse ideal ao longo dos tempos, e esperar que esse sentimento maravilhoso prossiga por toda a eternidade.

Classificação

4,5

• Outros artigos escritos por

.

.

.