ALIEN VS. PREDADOR # 1

Por André Craveiro
Data: 1 dezembro, 2011

ALIEN VS. PREDADOR # 1

Editora: Mythos – Minissérie em duas edições

Autores: Ian Edginton (roteiro), Alex Maleev (desenhos), Perry McNamee (cores) e Glenn Fabry (capa) – Originalmente publicado em Aliens vs. Predator – Eternal # 1 e # 2, em 1998.

Preço: R$ 3,90 (preço da época)

Número de páginas: 48

Data de lançamento: Agosto de 1999

 

Sinopse

Séculos atrás, o ladrão Li Yet Sen é gravemente ferido e abandonado no deserto à própria sorte. Na iminência de sua morte, uma espaçonave atravessa os céus e eclode próximo dali, matando todos os Predadores em seu interior.

No futuro, Gideon Sunh Lee é o homem mais rico do planeta, um excêntrico cuja maior ambição é estudar esta primitiva raça guerreira, a fim de prolongar sua imortalidade.

Para isso, precisará atrair novos espécimes predadores que havia encontrado no passado.

Enquanto isso, seus cientistas conseguem aos poucos decifrar os segredos da antiga nave avariada. Incubados num compartimento selado, alguns envoltórios orgânicos libertam outros seres tão desconhecidos quanto mortais.

Positivo/Negativo

Das poucas histórias do gênero Aliens vs. Predador que pintaram no cenário nacional de quadrinhos até então, esta minissérie pode ser considerada um dos melhores encontros entre as duas raças mortíferas.

Aliando texto versátil, narrativa descomplicada e um belo trabalho de arte, a história apresenta fielmente conceitos e particularidades marcantes dos monstros rivais, até mesmo fazendo ligeiras referências a personagens e momentos que apareceriam em outras histórias. Como de praxe, o embate de ambos precisa ser “amparado” por um enredo humano que sustente a trama.

Pelos menos nestes dois primeiros capítulos, o foco fica mais nos predadores e em suas características de combate, armamentos e códigos de conduta – ou, ao menos, na visão de Sunh Lee sobre tais seres.

Ao lado do opulento imortal, a determinada correspondente estrangeira Rebecca McBride apresenta-se como uma das protagonistas, após sobreviver a um ataque perpetrado por homens a serviço de Gideon na fictícia nação africana de Ghamíbia.

A renitente repórter bem pode ser vista como uma versão fiel de Dana Evans (personagem do romancista Sidney Sheldon): ao desconfiar da maneira como o ataque genocida foi perpetrado, com métodos e armas fora do comum, parte numa investigação ousada, motivada mais por um fervoroso senso ético do que propriamente uma ascensão na carreira profissional.

Somente ao final desta primeira parte os aliens dão as caras, ainda na sua forma chestburster, preparando terreno para o acirrado combate que se espera na próxima edição.

As capas deste e do número seguinte, de autoria do badalado desenhista Glenn Fabry (capista da série Preacher), são destaques a mais nesta curta minissérie.

Por fim, na página 16, há um pequeno equívoco durante o diálogo entre Gideon e o major Cabot, no qual suas falas foram trocadas no segundo quadro. Porém, nada que comprometa o entendimento do roteiro.

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.

  • Mala do Aécio

    Não curti a arte da 2ª capa com um close na cara do predador, que mais parece um dinossauro.