ANIQUILAÇÃO 2 – A CONQUISTA – PRÓLOGO

Por Zé Oliboni
Data: 30 maio, 2009


Autores: Dan Abnett, Andy Lanning (roteiro) e Mike Perkins (arte) – HQ originalmente publicado em Annihilation: Conquest Prologue # 1.

Preço: R$ 5,50

Número de páginas: 48

Data de lançamento: Agosto de 2008

Sinopse: Depois do ataque feito pelo Aniquilador e sua devastadora horda da Zona Negativa, o cenário cósmico ficou altamente instável. Civilizações inteiras sumiram, outras tantas se encontram desestruturadas e agora é o momento das principais raças da galáxia tentarem reconstruir seus territórios.

Assim, os principais personagens da Aniquilação também tentam encontrar seu lugar no universo. Nova luta para substituir sozinho toda a Tropa Nova; Peter Quill está ajudando Ronan a reforçar a segurança do império Kree e Serpente da Lua e Phylla-Vell (a nova Quasar) protegem um templo em um quadrante isolado da galáxia.

Positivo/Negativo: A Marvel tem lá seus personagens espaciais e uma variedade razoável de raças alienígenas, mas nunca teve tradição em sagas cósmicas, pelo menos não tanto quanto sua principal concorrente, a DC. Mesmo o Surfista Prateado, um dos principais personagens alienígenas da editora, teve longas fases na Terra.

Alguém pode se lembrar de Thanos e das histórias “do Infinito” escritas por Jim Starlin, mas não eram exatamente aventuras espaciais, e sim buscas filosóficas por poderes divinos que ocorriam em um plano cósmico porque o plano terreno seria muito limitado para elas.

Assim, depois de muitos anos centrando seu universo praticamente em Nova York, a Marvel resolveu dar atenção ao seu cosmos e fazer uma saga espacial com tudo que tinha direito: Aniquilação. A história mexeu com as principais raças alienígenas, retomou vários personagens e abriu espaço para diversas mudanças interessantes:

– A Tropa Nova, que há muito não era nem citada reapareceu para ser destruída. Agora, seu único representante é Richard Rider, o Nova da Terra;

– A Inteligência Suprema Kree foi lobotomizada e agora o império Kree é governado por Ronan;

– Phylla-Vell é a detentora dos braceletes do Quasar;

– O Surfista Prateado voltou a ser arauto de Galactus;

– Drax ficou inteligente e matou Thanos.

E é desse panorama que parte esta continuação da série Aniquilação.

Já neste prólogo há coisas que prometem, como a relação homossexual entre Phylla-Vell e Serpente da Lua – que teve relativamente pouco espaço na primeira série. Aliás, a situação de Phylla é bastante conturbada, pois ela teoricamente terá que assumir o papel de dois dos principais heróis espaciais: Quasar e Capitão Marvel. Vê-se também uma partição maior de Peter Quill, outro personagem que entrou no meio da primeira série e ficou subutilizado. Além do retorno de um vilão dos X-Men, no mínimo, curioso: a Falange.

Ao mesmo tempo, é difícil o leitor não ter a sensação de já ter lido essa história antes. O fio condutor da trama é Peter Quill construindo uma linha de defesa inteligente para o Império Kree, com ajuda dos Cavaleiros do Espaço. Na hora do teste final, ele é traído e quem assume o comando é a entidade tecnorgânica Falange, que começa a fundir tudo em uma massa só.

Salvo alguns detalhes, a DC contou essa história ao menos duas vezes, a primeira com os Caçadores Cósmicos e, mais recentemente, com o Irmão Olho.

Ainda assim, a história tem um bom desenho, um ritmo legal e vale a pena ser lida por ser uma trama espacial da Marvel que está funcionando.

 

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.