AQUAMAN – VOLUME 1 – TRENCH

Por Marcus Vinicius de Medeiros
Data: 1 dezembro, 2012

AQUAMAN - VOLUME 1 - TRENCH

Editora: DC Comics – Edição especial

Autores: Geoff Johns (roteiro), Ivan Reis (desenhos), Joe Prado (arte-final) e Rod Reis (cores).

Preço: US$ 22,99

Número de páginas: 144

Data de lançamento: Setembro de 2012

 

Sinopse

Tem início uma nova fase na vida de Aquaman. Ele é um dos maiores heróis do planeta, integrante da Liga da Justiça, virtualmente invulnerável e capaz de se comunicar com a vida marinha. Nada se compara a Arthur Curry na defesa dos oceanos.

Então, por que ninguém parece levá-lo a sério?

Positivo/Negativo

Quando foram anunciados os novos títulos da DC Comics após o reboot de todo o universo ficcional da editora, chamados em conjunto de Novos 52, uma aposta arriscada chamou a atenção do público. O roteirista Geoff Johns e o ilustrador Ivan Reis, uma das equipes criativas mais badaladas dos últimos tempos, foram escalados para relançar a série do Aquaman.

O estranhamento deve-se ao fato de o defensor dos sete mares ser um personagem desacreditado no mundo dos quadrinhos, por conta dois fracassos e cancelamentos constantes, além das tradicionais piadas sobre o super-herói que fala com peixes.

Mas a investida editorial se provou acertada com o sucesso da revista, uma das mais bem recebidas de toda a nova safra da DC. Johns e o brasileiro Ivan Reis apresentam mais um trabalho de qualidade, na tradição de Lanterna Verde e A noite mais densa, explorando um personagem clássico por meio de uma abordagem distinta e original.

Aquaman fez sua estreia em More Fun Comics # 73, de 1941, criado por Paul Norris e Mort Weisinger. Desde então, se tornou uma figura importante do panteão dos super-heróis, escapando dos gibis para os desenhos animados e até uma participação especial no seriado televisivo Smallville.

Em tempos recentes, no entanto, Aquaman virou motivo de piadas não apenas entre os fanáticos apreciadores da nona arte, mas em meio aos consumidores de cultura pop de modo geral. Programas de TV, sites na internet e paródias diversas fizeram a festa com o loiro de camisa laranja.

E foi justamente esse gancho que o escritor aproveitou para lançar a nova encarnação do personagem. Claro que os fãs mais devotados recordam a fase radical assinada pelo competente Peter David, que apresentou um Rei dos Mares mais irascível, com um gancho no lugar da mão e, para eles, ridicularizar Aquaman não faria sentido. Mas agora Johns está dialogando com um público muito mais amplo.

Apesar das brincadeiras com o pouco apelo de Aquaman, contudo, a produção de Johns e Reis também empolga pelo clima de tensão e mistério como apresenta novas ameaças para o herói. O diretor criativo da DC conquistou domínio pleno de uma narrativa movimentada com super-heróis, e sua atual empreitada não foge à regra. Cenas de ação, diálogos e caracterizações estão perfeitos.

Mas talvez a maior surpresa esteja na figura de Mera, a implacável esposa do herói que recebe o apelido “carinhoso” de Aquawoman. É ela que estrela algumas das cenas mais explosivas deste volume, sobretudo com sua adaptação difícil ao mundo da superfície.

E os grandes astros da série são os ilustradores Ivan Reis e Joe Prado, cada vez mais à vontade em histórias de super-heróis, brilhando com seu traço limpo e a narrativa sempre dinâmica. Algumas criaturas marinhas sintetizam um clima de terror puro, bem evidente em splash pages matadoras.

A nova série de Aquaman pode não ser o trabalho mais significativo de Geoff Johns – suas passagens por Flash, Sociedade da Justiça e Superman ainda não foram superados – mas representa novo fôlego para um ícone que precisava de atenção especial.

No Brasil, essas aventuras estão sendo publicadas pela Panini Comics, como destaque no mix de Universo DC. Para quem não deseja levar junto material inferior, como Gavião Negro e Nuclear, todavia, o encadernado original é a melhor pedida.

 

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.