AVANTE, VINGADORES! # 20

Por Zé Oliboni
Data: 4 outubro, 2009


Autores: Vingadores – A Iniciativa (Avengers – The Initiative # 5 – Dan Slott (roteiro) e Stefano Caselli (arte);

Meninas Fofoqueiras (Giant-Size Avengers # 1) – C.B.Cebulski (roteiro) Jim Cheung (desenhos);

Boa Administração (Giant-Size Avengers #1) – Douglas Noble (roteiro) Nelson (Arte);

Ave, Gyrich (Giant-Size Avengers # 1) – T. Campbell (roteiro) Denis Medri (Arte);

Os Poderosos Vingadores (The Mighty Avengers # 6) – Brian Michael Bendis (roteiro) e Frank Cho (arte);

Homem de Ferro (Iron Man # 21) – Daniel e Charles Knauff (roteiro) e Roberto De La Torre (arte).

Preço: R$ 6,90

Número de páginas: 96

Data de lançamento: Agosto de 2008

Sinopse: Vingadores: A Iniciativa – Gyrich forma uma equipe secreta para atividades “delicadas”: a Iniciativa Fantasma. E a primeira missão é resgatar o grupo de recrutas que foi capturado pelo Hulk.

Homem de Ferro – Tony Stark investiga a morte de uma agente da Iniciativa e a possível ligação com a volta de um antigo inimigo.

Os Poderosos Vingadores – Ares entra no corpo de Ultron para tentar atacá-la com um vírus.

Meninas fofoqueiras – Miss Marvel, Vespa e Viúva Negra relembram histórias dos Vingadores.

Boa administração – Um ataque à mansão dá muito trabalho para Jarvis, que precisa cuidar da limpeza, mas garante um bom tema para um artigo que ele escreve a convite da Revista do Mordomo.

Ave, Gyrich – Em um planeta alienígena, Gyrich pode ser a única salvação para o Capitão América, Thor e Homem de Ferro.

Positivo/Negativo: Esta edição está sofrível. Quase nada se salva e os desacertos editoriais se amontoam.

A conclusão do primeiro arco de Os Poderosos Vingadores mostrou que esse foi um grande fracasso de Bendis. Ele errou na narrativa – principalmente na estrutura, com o uso exagerado uso de balões de pensamento – e na trama – uma coleção de absurdos como Ultron dominar e transformar o corpo de Stark no de uma mulher -, além de ter imposto um ritmo lento e uma finalização confusa.

Por exemplo: ficou sem explicação alguma o que aconteceu com a mulher do Sentinela, que, na edição anterior apareceu morta e aqui está bem.

De positivo, o desenho muito bacana de Frank Cho, principalmente para retratar mulheres sensuais. Ele é um artista completo, com um traço limpo e bonito. Sua única deficiência é ser expansivo – precisa de espaço para trabalhar, o que implica na trama evoluir devagar.

Assim, ao mesmo tempo em que manteve o bom visual das seis primeiras edições de Poderosos Vingadores, Cho colaborou com a enrolação de Bendis, que não elaborou praticamente nada. Partindo de poucas cenas escritas, o desenhista fazia uma edição inteira.

Seis meses se passaram e o que deveria ser a melhor equipe de Vingadores de todos os tempos acabou sendo uma revista vazia, com um desenho legal, mas ainda sem uma proposta definida.

Na sequência, Giant-Size Avengers usa uma história para amarrar dois contos dos Vingadores. É uma pena que ambas sejam fraquinhas.

A primeira é narrada por Jarvis e, inicialmente, até é possível achar graça do fato de ele estar arrumando a casa no meio de uma luta contra robôs invasores. Mas, depois de várias páginas com um chato texto sobre como um mordomo deve receber os hóspedes, fica difícil não se cansar.

A outra história não é tão exaustiva, mas não tem qualquer atrativo. No geral, é uma tentativa da editora de reunir Thor, Capitão America e Homem de Ferro.

E a escolha dos desenhistas foi bem infeliz. Todos de nível mediano ou fraco.

Agora, Homem de Ferro é a revista que mais confunde o leitor. Na edição anterior, teve uma excelente história ligada a Hulk contra o mundo. O Vingador Dourado estava preso, na nave do Hulk e passa um plano de emergência para Dugan.

Neste mês, a equipe criativa anterior retorna e a edição anterior e Hulk contra o mundo são completamente ignoradas. Ou seja, mesmo o leitor que está acompanhando todos os títulos fica com uma série de perguntas na cabeça. O que aconteceu com o plano do Homem de Ferro? Como ele voltou para a S.H.I.E.L.D.? Então ele ganhou a guerra e venceu o Hulk? Afinal, o que aconteceu?

Essa é uma falha de programação gritante da Marvel. No entanto, a Panini trabalha com um ano de diferença na publicação dos títulos e poderia se planejar para minimizar as dúvidas com algumas informações antes de começar a aventura. Infelizmente, a Panini não se deu a esse trabalho.

Falando em falhas editoriais, a revista continua com o ícone que acompanha a numeração das páginas de Vingadores – A Iniciativa e Poderosos Vingadores, um “A” com uma seta, de cabeça para baixo.

Sobre a aventura do Homem de Ferro, tirando o fato de que é difícil saber onde a trama se situa em relação ao Hulk contra o mundo, a volta de Daniel e Charles Knauff não é bom sinal, porque o primeiro arco deles foi bastante confuso.

Mas vale dar o benefício da dúvida. A primeira história deste segundo arco, mostrando a investigação da morte de uma recruta da Iniciativa que construiu a própria armadura de combate, tem alguns bons momentos, como a imprensa divulgar que a garota era protegida de Tony Stark, sem ele nunca tê-la conhecido.

O desenho é razoável. Roberto de La Torre talvez não combine muito com a revista, pois não tem um traço denso o suficiente para as cores escuras e o visual sombrio que querem criar. Mas está se adaptando como pode.

A Iniciativa é um título que está crescendo de forma estranha. Começou com uma equipe de recrutas, mas agora surgiu um grupo secreto, os “Aranhas Escarlates”, resgatando ex-vilões e uma misteriosa Mutante Zero – o típico elemento inserido para atiçar a curiosidade e forçar o leitor a comprar a revista até que seja revelado quem está sob a máscara.

A primeira aventura do grupo é razoável, principalmente pela atuação do Trauma e seus poderes de revelar o medo. O encontro dele com o Hulk, apesar do resultado previsível, foi interessante.

Mas, no geral, o rumo do título é preocupante, pois cada vez fica mais difícil enxergar uma trama maior, uma proposta para o arco.

 

Classificação:

4,0

• Outros artigos escritos por

.

.

.