Aya de Yopougon – Volume 2

Por Tiago Pavinato Klein
Data: 5 abril, 2013

Aya de Yopougon - Volume 2Editora: L&PM Editores – Edição especial

Autores: Marguerite Abouet (texto) e Clément Oubrerie (arte).

Preço: R$ 42,00

Número de páginas: 128

Data de lançamento: Novembro de 2012

Sinopse

No segundo álbum da série, segue a história de Aya e suas amigas em Abdijan, na Costa do Marfim.

Adjoua ganhou seu filho e agora a verdadeira identidade do pai da criança aparece. Bintou se envolve com um suposto parisiense de férias na Costa do Marfim. A família de Aya prepara-se para ficar de cabeça para baixo com uma novidade. E o concurso Miss Yopougon começa a mexer com as garotas do bairro Yop City.

Positivo/Negativo

Três anos depois do primeiro álbum da série, quando os leitores já perdiam a esperança de ver a sequência, eis que a L&PM lança o segundo episódio de Aya de Yopougon.

A leitura tem um sabor todo especial, pois a série retrata o cotidiano africano – a história de jovens amigas na Costa do Marfim dos anos 70. E o interessante é que faz isso apresentando elementos além daquele imaginário social que temos constituído sobre países africanos, de pobreza, conflitos e guerras étnicas, dentre outros graves problemas. Mostra a vida cotidiana, familiar, de alguns personagens-chave.

Aya de Yopougon tem o romance como centro dos conflitos. É a partir das relações amorosas que surgem as histórias das amigas de Aya, Bintou e Adjoua. A autora trabalha os temas com bom humor e delicadeza, transformando essas crônicas do cotidiano em uma leitura bastante agradável.

O leitor não deve esperar ação ou conflitos grandiosos: são nos pequenos detalhes do dia a dia que a autora vai construindo o cenário da trama – a busca de provas sobre o verdadeiro pai do filho de Adjoua, a queda das vendas de cerveja na Costa do Marfim, adultérios, sonhos juvenis…

É uma leitura diferenciada, com um bom humor que envolve o leitor. E vale a pena acompanhar com atenção esse cotidiano, para ir descobrindo um pouco da cultura da Costa do Marfim.

No final, há ainda páginas bônus com costumes locais e glossário, com destaque para as dicas de amarrar os bebês nas costas – um costume bem conhecido.

Um porém nos dois primeiros episódios é sobre a personagem-título. Não há nenhum conflito central no qual Aya esteja diretamente envolvida até agora. Tudo ocorre com suas amigas, com sua família… Ela é quase uma observadora privilegiada da realidade local, uma coadjuvante nas histórias das outras pessoas.

Isso causa certa estranheza, pois a série leva o nome dela e o leitor se envolve muito mais com a vida de suas amigas. Aya não é nem mesmo a narradora da história, o que poderia superar esse sentimento de distância. Faz falta um enredo mais forte para a personagem!

Outro senão é a demora de três anos entre o lançamento dos volumes. Na Europa, já saíram seis álbuns, o que faz o leitor brasileiro ter pouca esperança em ver essas edições num futuro próximo. E como a série tem um ritmo de novela, com um final que deixa um mote para o episódio seguinte, esse hiato faz diferença.

Tomara que a L&PM aproveite o lançamento do filme da personagem, previsto para 2013, e retome a série com uma periodicidade mais adequada. Um volume por ano já estaria de bom tamanho.

Classificação

3,5

• Outros artigos escritos por

.

.

.