Batman # 1 – Abril

Por Odair Braz Junior
Data: 18 fevereiro, 2011

Batman # 1Editora: Abril – Revista mensal

Autores: Denny O’Neil, Archie Goodwin e Len Wein (roteiros), Neal Adams, Walt Simonson, Dick Giordano e Carmine Infantino (desenhos) e Carmen Tzano (cores).

Preço: Cr$ 750,00 (valor da época)

Número de páginas: 80

Data de lançamento: Julho de 1984

Sinopse

Edição com cinco histórias, sendo três do Batman, uma do Alvo Humano e outra do Caçador.

Positivo/Negativo

Esta edição não foi mais uma número 1 das tantas do Batman que foram lançadas no Brasil. AEbal vinha publicando as revistas da DC havia vários anos e, sem dúvida, trouxe muito material bom tanto do Morcego quanto dos outros personagens da editora norte-americana.

Acontece que, para uma nova geração de leitores, aquelas revistas já não eram tão atraentes. Pareciam meio antiquadas e tinham jeito de coisa de “gente mais velha”.

A situação mudou bastante a partir de 1984, quando a Abril passou a ser a casa da DC Comicsno Brasil e lançou seus títulos a partir da primeira edição.

Era o início do domínio do formatinho dos super-heróis, que tempos depois passou a ser muito criticado, mas que, na época, agradou bastante os moleques que começavam a prestar atenção em quadrinhos.

A primeira história – A vingança do Coringa – é um clássico de Denny O’Neil, com desenhos de Neal Adams. O roteiro ainda tem uma certa inocência, mas é bastante envolvente, pois mostra o Batman detetive que todos os fãs gostam de ver.

O herói está atrás do Coringa, que acabou de fugir do Asilo Arkham e quer matar um por um de seus capangas por ter sido traído por um deles. O Homem-Morcego, obviamente, tenta evitar que isso aconteça.

O desenrolar da aventura mostra Batman caçando o Palhaço do Crime pelas ruas de Gotham, tudo com o traço belíssimo de Neal Adams, que deixa o herói cheio de mistério. O desenhista é tão bom que sua arte não envelheceu, tanto que voltou ao Morcegão recentemente nos Estados Unidos. E em grande estilo.

A segunda história do Batman é O beco do crime, também com roteiro de Denny O’Neil e arte de Dick Giordano. Ela mostra uma data especial na vida de Bruce Wayne: o dia do assassinato de seus pais.

Nesta data, o Cavaleiro das Trevas sempre sai para um encontro especial e não conta para ninguém. Ele vai ver Leslie Thompkins, a mulher que o acolheu ainda garoto naquele mesmo lugar, logo após a morte de Martha e Thomas Wayne.

A história é bem simples, curta, mas daquelas que ficam dias na cabeça e que mostram que por trás da máscara há uma pessoa comum. Parece bobo, mas é algo que muitos roteiristas esquecem atualmente e, várias vezes, se vê um Homem-Morcego meio pasteurizado.

A terceira aventura é Morte Escarlate, novamente de O’Neil, com arte de Adams. Nela, o Batman não sabe bem se o que está acontecendo é real ou imaginação. Não é uma grande trama e está um pouco abaixo das outras duas em termos de qualidade, mas, ainda assim, garante a diversão.

As outras duas HQs da revista são do Caçador, escrita por Archie Goodwin e desenhada por Walt Simonson, e do Alvo Humano, o mesmo que hoje tem uma série de TV, com roteiro de Len Wein e arte de Dick Giordano e Carmine Infantino. Ambas são razoáveis e servem apenas para completar o mix.

Com esta grande equipe criativa, encabeçando uma ótima fase do Batman, esta edição se tornou um clássico da Abril e, por que não, dos quadrinhos brasileiros. Afinal, dá pra dizer que ela virou um marco, por marcar o início de uma nova fase nas HQs da DC Comics por aqui.

Classificação

4,0

Odair Braz Junior é jornalista e editor de cultura do portal R7

• Outros artigos escritos por

.

.

.