Batman # 11 – Novos 52

Por Ricardo Malta Barbeira
Data: 10 julho, 2013

Batman # 11 – Novos 52Editora: Panini Comics – Revista mensal

AutoresO guardião de meu irmão (Batman # 11) – Scott Snyder (roteiro), Greg Capullo (desenhos), Jonathan Glapion (arte-final) e FCO Plascencia (cores);

A queda da casa de Wayne (Batman # 11) – Scott Snyder e James Tynion IV (roteiro), Rafael Albuquerque (arte) e Dave McCaig (cores);

Ciclo de violência (Batman – The Dark Knight # 11) – Gregg Hurwitz (roteiro), David Finch (arte) e Sonia Oback (cores);

Radioativo! (Detective Comics # 11) – Tony Salvador Daniel (roteiro), Julio Ferreira e Eduardo Pansica (desenhos), Julio Ferreira (arte-final) e Tomeu Morey (cores).

Preço: R$ 7,20

Número de páginas: 72

Data de lançamento: Abril de 2013

Sinopse

Batman – A conclusão de A noite das corujas.

Batman II – O trágico destino de Jarvis Pennyworth.

Batman – O Cavaleiro das Trevas – O sequestrador de crianças é desmascarado.

Detective Comics – Batman enfrenta o Sr. Tóxico.

Positivo/Negativo

Infelizmente, a conclusão de A noite das corujas fica muito aquém da maior parte da saga, que começou há quase um ano, em Batman # 1.

O aparecimento da Corte das Corujas foi muito bem trabalhado pelo roteirista Scott Snyder, e pode-se afirmar que foi uma ótima adição à extensa galeria de vilões do Homem-Morcego, principalmente pelas intricadas ligações da Corte com a própria família Wayne e até com antepassados de Dick Grayson.

No entanto, neste derradeiro capítulo, o que chama a atenção é a estapafúrdia sequência de luta entre Batman e Lincoln March. Tudo bem que Snyder já havia feito Bruce Wayne se recuperar rapidamente do ferimento causado por uma lâmina que atravessou seu corpo, mas agora ele quis maximizar seus exageros.

Como tem uma armadura capaz de voar, Lincoln March começa a arrastar Batman pelos ares, fazendo-o bater em paredes de prédios, sinos de igreja e, por fim, o arremessa próximo a uma turbina de avião em funcionamento, nos céus de Gotham City. Tudo isso com direito a um daqueles monólogos capazes de matar um leitor mais exigente de tédio. E é claro que o monólogo consegue ser ouvido inclusive ao lado dessa tal turbina de avião.

Finalmente, quando o herói teria um trágico destino, March repentinamente sofre um revés e parte de sua armadura explode. Seria um dispositivo instalado por Batman anteriormente entre um quadro e outro? Não importa. Snyder apelou, e isso qualquer leitor de quadrinhos percebe (ainda que não admita), até o menos exigente.

Um péssimo e desnecessário final para uma trama que prometia muito mais.

O fim de A queda da casa de Wayne não tem nada de especial, mas é interessante o contraste das visões de Jarvis e Bruce frente aos acontecimentos recentes na Noite das Corujas.

Em O Cavaleiro das Trevas, Batman continua a investigar o responsável pelos sequestros de crianças. Surpreendentemente, o melhor desta aventura é a arte de David Finch.

Desta vez não sendo arte-finalizado por Richard Friend, ele mostra-se um melhor finalizador de si próprio. Destaque para a bela página dupla com o batmóvel.

Para fechar a edição, um número de Detective Comics. Primeiro, o Cruzado Encapuzado enfrenta o radioativo Sr. Tóxico, para depois procurar mais pistas que o ajudem a descobrir o que pretende o vilão. A história não chega ser um primor, mas ajuda a passar o tempo. Se você tiver 12 anos, melhor ainda.

Classificação

2

• Outros artigos escritos por

.

.

.